Diagnostico da situação da saúde da mulher no Brasil.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Diagnostico da situação da saúde da mulher no Brasil. por Mind Map: Diagnostico da situação da saúde da mulher no Brasil.

1. Aproximadamente 13%das mulheres que tiveram filhos não haviam realizado nenhuma consulta de pré natal.

1.1. A menor cobertura de pré-natal foi encontrada no Nordeste 75% e a maior no estado do Rio de Janeiro (96%).

2. Condom 4,4%.

3. Indicadores da discriminação de gêneros contra mulheres.

4. Mortalidade.

4.1. Precárias condições socioeconômicas.

4.2. Morte que acontece durante a gestação, parto de até 42dias após o parto.

4.2.1. Região Norte e Nordeste concentram as taxas mais alta (84,5 e 78).

4.2.2. O Sul e o Sudeste tem os menores índices (44,2 e 55,8).

4.2.3. Hipertensão Hemorragia Infecções e abortos.

5. Doença crônica degenerativa e câncer ginecológico.

5.1. Mudança de hábitos e stress.

5.1.1. Alimentação sedentarismo e o tabagismo.

5.2. Causa de morte.

5.2.1. Hipertensão tem prevalência estimada em 20% da população adulta.

5.2.2. Diabetes mellitus, tem prevalência de 7,6% na população de 30 a 69 anos.

5.2.3. 60% dos casos de doenças esquemica do coração.

5.2.4. Câncer

5.2.4.1. Homens taxa bruta de mortalidade aumentou de 16,72%.

5.2.4.2. Mulheres taxa bruta de mortalidade aumentou de 14,72%.

5.2.4.3. Câncer de mama situa-se entre as primeiras causas de morte em mulheres.

6. Violência doméstica e sexual.

6.1. Problemas de saúde.

6.1.1. Dores ou desconforto e tontura.

6.2. Faixa etária de 15 a 49 anos.

6.3. Suicídio e frequência de uso do álcool.

7. Precariedade da atenção obstétrica.

7.1. A atenção ao parto e nascimento é marcada pela intensa medicalização, pela intervenções desnecessárias e potencialmente eatrogenicas e pela prática abusiva da cesariana.

7.1.1. Ocorre isolamento da gestante, falta de privacidade e o desrespeito à sua autonomia.

7.1.1.1. Contribui para o aumento dos riscos maternos.

7.2. 9% eram residentes nas regiões urbanas.

7.2.1. Os partos são realizados em ambientes hospitalar.

7.3. 32% no meio rural.

7.3.1. Os partos são realizados em domicílios assistida por parteiras tradicionais.

7.3.1.1. Maioria dos partos domiciliares ocorre em condições precárias e as mulheres têm dificuldade de acesso ao serviço de saúde.

8. Precariedade da assistência em anticoncepção.

8.1. Laqueadura tubária.

8.1.1. É maior nas regiões onde as mulheres têm menor escolaridade e condições socioeconômicas mais precárias.

8.2. Insatisfeita de anticoncepção é de 9,3% na área rural e de 4,5% na área urbana.

8.2.1. Contribui para ocorrência de abortamento.

8.2.1.1. Aumento de risco de morte.

8.3. Pílula.

8.3.1. Diu 1,1%.

8.3.2. Esterilização masculina 2,6%.

8.3.3. Hormonais injetáveis 1,2%.

8.3.4. Métodos naturais e outros 6,6%.