Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Inês de Castro por Mind Map: Inês de Castro

1. Estrutura externa

1.1. Canto III, est. 118-135

2. Estrutura interna

2.1. Narração

3. Narrador

3.1. Vasco da Gama

4. Narratário

4.1. Rei de Melinde

5. Plano narrativo

5.1. Plano da História de Portugal

6. Figuras

6.1. Personificação

6.1.1. «puro Amor (…) Deste causa à molesta morte sua» (est. 119) – a personificação do amor permite apresentá-lo como uma força superior aos homens, causa poética da morte de Inês de Castro

6.2. Apóstrofe

6.2.1. «puro Amor» e «fero Amor» (est. 119) – o poeta dirige-se diretamen - te ao amor personificado.

6.3. Antítese

6.3.1. «puro Amor» e «fero Amor» (est. 119) – o amor é puro e atrai os homens para si, mas também é «fero», agindo com crueldade e aspereza, o que provoca sofrimento nos corações humanos.

6.4. Adjetivação

6.4.1. «linda Inês», «doce fruto», «saüdosos campos», «fermosos olhos» (est. 120) – enriquece a descrição que é feita de Inês de Castro e da sua vida enquanto era feliz com D. Pedro.

6.5. Eufemismo

6.5.1. «Tirar Inês ao mundo determina» (est. 123) – apresentação mais suave da decisão do rei de mandar matar Inês de Castro.

6.6. Comparação

6.6.1. «Assim como a bonina (…) Tal está, morta, a pálida donzela» (est. 134) – Inês, morta, é comparada a uma flor que perde a cor e o perfume por ter sido cortada antes de tempo

7. Divisão

7.1. 1ª parte- introdução

7.2. 2ª parte- Vida de Inês de Castro

7.3. 3ª parte- Razões que justificam a morte de Inês de Castro

7.4. 4ªparte- Os algozes trazem Inês junto do rei

7.5. 5ªparte- O discurso de Inês

7.6. 6ªparte- Reação do rei ao discurso de Inês

7.7. 7ª parte- Morte de Inês

7.8. 8ª parte- intervenção do poeta