TEORIAS DO CONTROLE MOTOR

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
TEORIAS DO CONTROLE MOTOR por Mind Map: TEORIAS DO  CONTROLE MOTOR

1. Teoria dos Reflexos

1.1. A teoria dos reflexos é uma combinação única de estímulos e respostas, de acordo com as normas previamente aprendidas.

1.2. Implicações Clínicas da Teoria dos Reflexos

1.2.1. A realização do movimento então, depende da presença ou ausência de reflexos do paciente; Sabendo que os movimentos podem ser uma série de reflexos neurais, então você pode prever o movimento a ser executado a partir do estímulo aplicado; A reabilitação do movimento fica condicionada à capacidade de estimular ou controlar os reflexos;

1.3. Limitações da Teoria dos Reflexos

1.3.1. Movimentos involuntários (homeostase do corpo); Movimentos bruscos, rápidos e sequenciais (exemplo um digitador); Um único estímulo não seria capaz de desencadear respostas variadas de diversos músculos e sistemas;

2. Teoria Hierárquicas

2.1. Nessa, o controle de motor é feito sob a hierarquia, ou seja, o movimento se origina nos níveis mais altos da SNC;

2.2. Implicações Clínicas

2.2.1. Utilizada para descrever os movimentos desordenados que acompanha uma lesão do córtex motor

2.3. Limitações da Teoria

2.3.1. Não explica a dominância do comportamento reflexo em certas situações

3. Teoria da Programação Motora

3.1. É uma forma de analisar reflexos que é possível remover o estímulo inicial do movimento e mesmo assim obter uma resposta motora padronizada, decorrente de uma programação motora.

3.2. Implicações Clínicas

3.2.1. As teorias do programa motor permitiram aos médicos irem além da explicação reflexa para desordem do movimento motor.

3.3. Limitações da Teoria

3.3.1. O programa central não pode ser considerado a única determinante da ação

4. Teoria do Sistema

4.1. Nessa teoria o controle dos movimentos não dependem somente do SNC, mas da interação direta com outros sistemas, considerando todas as forças internas e externas que agem sobre o corpo e influenciam no movimento.

4.2. Implicações Clínicas

4.2.1. Considera o corpo de forma globalizada no controle dos movimentos e não apenas o SNC; Fatores externos, influenciam no movimento, como a gravidade, condutas que anulem esse fator favorecem o controle motor; Fatores internos também podem interferir nesse controle, por exemplo, o encurtamento muscular de um músculo em desuso, vai limitar a amplitude do movimento e o seu controle como um todo; A teoria sugere que a reabilitação do movimento seja considerada de uma ponto de vista mais abrangente, tendo em vista a influencia de outros sistemas no controle de movimento, dificultando ou facilitando a ação do SNC;

4.3. Limitações da Teoria

4.3.1. Não considera o ambiente em que os movimentos se desenvolvem e sua influência sobre o corpo.

5. Teoria da ação dinâmica

5.1. Nessa teoria as ações dinâmicas de músculos envolvidos indiretamente, acontecem sem a interferência de um estímulo principiante.

5.2. Implicações Clínicas

5.2.1. É a visão de que o movimento é uma propriedade emergente.

5.3. Limitações da Teoria

5.3.1. O sistema nervoso cumpre uma função consideravelmente irrelevante e que a relação entre o sistema físico do animal e o ambiente no qual ele funciona determina principalmente o comportamento do animal.

6. Teoria Ecológica

6.1. Nessa teoria, o controle motor evoluiu para que pudéssemos ter uma interação mais eficaz com o meio ambiente, com o menor gasto energético possível e ainda assim realizar nossos movimentos de forma eficiente.

6.2. Implicações Clínicas

6.2.1. Uma visão importante da teoria é que o indivíduo é um explorador ativo do ambiente; O ambiente em que está inserido pode contribuir para o retreinamento das ações motoras; A tarefa empregada na realização do movimento pode indicar quais possíveis segmentos apresentam maior ou menor controle motor.

6.3. Limitações da Teoria

6.3.1. Nessa teoria, o foco deixa de ser o corpo humano como um todo para focar na interação organismo/ ambiente.