NÓS, OS OUTROS: CONSTRUÇÃO DO EXÓTICO E CONSUMO DE MODA BRASILEIRA NA FRANÇA Débora Krischke Le...

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
NÓS, OS OUTROS: CONSTRUÇÃO DO EXÓTICO E CONSUMO DE MODA BRASILEIRA NA FRANÇA Débora Krischke Leitão por Mind Map: NÓS, OS OUTROS: CONSTRUÇÃO DO EXÓTICO  E CONSUMO DE MODA BRASILEIRA NA FRANÇA  Débora Krischke Leitão

1. TEMA CENTRAL

1.1. O exótico - constante (re)definição de alteridades e identidades. (p. 204)

1.2. Associação entre moda brasileira e o exótico

1.2.1. É justamente na convergência entre os dois movimentos anteriormente descritos, esforço de visibilidade internacional e percepção de que o uso de temáticas vistas como “nacionais” dariam a nossa moda a adjetivação diferencial “brasileira”, que se edifica o recurso ao exotismo. (p 206)

1.3. Consumo de moda brasileira na França

2. OBJETIVOS PRINCIPAIS

2.1. Estudar o consumo de produtos (moda e vestuário) brasileiros na França.

2.2. Discutir o exotismo, temática que invariavelmente abre portas para um debate a respeito de identidades e alteridades.

2.3. Examinar as particularidades do “consumir o outro” presentes nos discursos franceses que versam sobre produtos brasileiros.

2.4. Analisar a construção de um Brasil exótico em nossa moda de vestir nacional e de sua recepção pelo público francês.

3. METODOLOGIA

3.1. ABORDAGEM

3.1.1. Pesquisa Qualitativa

3.2. NATUREZA

3.2.1. Pesquisa Aplicada

3.3. OBJETIVOS

3.3.1. Pesquisa Exploratória e Explicativa

3.4. PROCEDIMENTO

3.4.1. Pesquisa Bibliográfica, Documental, Pesquisa de Campo

4. CONCEITOS

4.1. TIPOS DE EXOTISMO Segalen (1996) (p. 208 e 209)

4.1.1. Exotismo geográfico, em que a distância do outro é dada espacialmente, freqüentemente refletida em diferenças étnicas e culturais.

4.1.2. Exotismo temporal ou histórico. Nele, o exótico costuma situar-se noutro momento histórico, geralmente num passado ou futuro idealizados.

4.1.3. Exotismo sexual, no qual a diferença se dá sem que haja um afastamento espacial ou temporal. Num mesmo lugar e num mesmo tempo, nele o estranhamento diz respeito à diferença entre o masculino e o feminino

4.2. Exótico - ao contrário do racismo, uma positivação do outro. (p. 209) Alteridade - natureza ou condição do que é outro, do que é distinto. (dicionário) Exotismo - uma estética do diverso já no subtítulo da obra, o autor propõe que o pensemos essencialmente como uma forma de reconhecimento da existência do outro. - Segalen (1996) (p. 208)

5. CONCLUSÃO

5.1. Temáticas nacionais são trazidas para dentro das coleções desse prêt-à-porter de luxo, mecanismo esse visto como necessário para identificar a moda brasileira enquanto “autenticamente brasileira”. (p. 227)

5.2. Elabora-se um “exotismo à moda da casa”, no qual a moda de vestir brasileira é associada aos produtos exóticos. (p. 227)

5.3. O gosto pelos produtos exóticos funda-se sobretudo em dois elementos: um certo grau de sofisticação e distinção que acompanha seu consumo que, ainda que tenha sofrido transformações, já que o consumo do exótico populariza-se, não deixa de existir e o produto exótico parece ser estimulador da imaginação, fornecendo àquele que o consome a possibilidade de, através dele, experienciar, ainda que de forma imaginada, paisagens, povos e palavras pouco conhecidos. (p. 227 e 228)