Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Inicio da Psicologia por Mind Map: Inicio da Psicologia

1. Primeiras Escolas

1.1. Estruturalismo

1.1.1. Fundador: Edward BradFord Titchener

1.1.2. Pontos Fortes e Fracos

1.1.2.1. Fortes

1.1.2.1.1. Primeira Grande escola de pensamento da psicologia

1.1.2.1.2. Influenciou o desenvolvimento da Psicologia Experimental

1.1.2.2. Fracos

1.1.2.2.1. Métodos experimentais eram muito subjetivos.

1.1.2.2.2. Introspecção - Falta de cofiabilidade nos resultados

1.1.2.2.3. Foco no pensamento interno que não é diretamente observável e não pode ser medido com precisão

1.1.3. 3 Elementos da consciência

1.1.3.1. Sensações (percepções)

1.1.3.2. Imagens

1.1.3.3. Afetos (Emoções e sentimentos)

1.1.4. Estudo das Estruturas da MENTE. Busca de fatores constituintes da percepção. Formas, cores, combinações e relações entre estes elementos.

1.1.4.1. Quais são os conteúdos elementares(estruturas) da mente humana? (Elementista)

1.1.4.2. Como estres elementos estão organizados na mente? (Associacionista)

1.1.4.3. O que causa estes fenômenos? (empirista)

1.1.5. Conceito

1.1.5.1. Estruturalismo é uma atividade, sucessão de uma certa quantidade de operações mentais. Partindo desse princípio é possível falar em atividade estruturalista cujo objetivo seria reconstituir um objeto de estudo.

1.1.5.2. Quebrar Processos mentais em elementos mais básicos

1.1.5.3. Foco na estrutura da mente

1.1.5.3.1. Quais são os conteúdos elementares da mente humana? (Elementista)

1.1.5.3.2. Como estes elementos estão organizados na mente? (Associacionista)

1.1.5.3.3. O que causa estes fenômenos? (Empirista)

1.1.5.4. A Percepção é diferente da sensação, mas ambas estão relacionadas

1.1.5.4.1. Ex: somos mais rápidos em perceber que ouvimos algo do que identificar o som que estamos ouvindo, ou seja, categorizar o som que ouvimos leva mais tempo do que sentir o som que ouvimos. E é lógico já que para entendermos o som primeiro temos que ouvi-los e finalmente identificar qual som é aquele.

1.1.6. Método Introspecção

1.1.6.1. Método usado para compreender os elementos básicos da consciência.Análise da estrutura da mente a partir da experiencia dos sujeitos com o fenômeno estudado (ex: percepção do som)

1.1.7. Paralelismo Psicofísico

1.1.7.1. É a teoria de que a consciência e os processos nervosos variam simultaneamente independente de haver qualquer relação causal entre os dois

1.2. Funcionalismo

1.2.1. Willian James (EUA), Franz Brentano (EUR)

1.2.2. Pontos Fortes e Fracos

1.2.2.1. Fortes

1.2.2.1.1. Influenciou o desenvolvimento do behaviorismo, Psicologia aplicada e o sistema educacional.

1.2.2.2. Fracos

1.2.2.2.1. É literatura. É bonito, mas não é psicologia, Crítica de Wundt

1.2.3. Influências

1.2.3.1. Influenciada pelas ideias de Darwin

1.2.3.2. Psicologia do Ato

1.2.3.3. Psicologia Fenomenologica

1.2.3.4. Naturalismo de Rousseau

1.2.4. Conceito

1.2.4.1. Ao invés de focar nos elementos da consciência, Funcionalistas focavam no Objetivo da Consciência e comportamento

1.2.4.2. O funcionalismo também enfatizou as diferenças individuais, que tiveram profundo impacto na educação

1.2.4.3. Estudo das Funções que desempenham as estruturas da mente

1.2.4.3.1. Para eu servem estas estruturas?

1.2.4.3.2. Qual a sua função? Como e para que a mente funciona assim?

1.2.4.4. A Função da mente é difícil o comportamento e ajustar o homem às condições ambientais, a adaptação do homem ao seu meio físico e social.

1.2.5. Psicologia Aplicada

1.2.5.1. O Conhecimento é válido por sua utilidade, isto é, na possibilidade de sua aplicação

1.2.5.2. Preocupação com as funções e processos na busca de resultados práticos e atividades adaptativas, teve seu desenvolvimento favorecido pela perspectiva funcionalista

2. Behaviorismo

2.1. Criador: John Watson (EUA)

2.2. Influenciadores

2.2.1. Teoria Evolutiva DARWIN

2.2.2. Teoria Objetiva e mecanicista de Edward Lee Thorndike

2.2.3. E pelas técnicas de Condicionamento clássico de Ivan Pavlov

2.2.3.1. comportamento automático em reação a estímulos

2.2.4. Skinner - Condicionamento operante

2.2.4.1. Associações de organismos com as usas próprias ações e suas consequências. Ações seguidas por reforço tem um aumento da probabilidade de ocorrência no futuro, enquanto as ações seguidas de punições tem uma diminuição de sua ocorrência.

2.3. Conceito e oposição ao funcionalismo

2.3.1. Mudança de foco de estudo da consciência para o comportamento e suas interações com o ambiente, na direção a adaptação a normalidade

2.3.2. Final do Introspeccionismo e o começo de uma psicologia voltada à predição e ao controle do comportamento humano, redefinindo a "Psicologia" como "Ciência do Comportamento"

2.3.3. Humano igual a Máquina: comporta-se de maneiras previsíveis e regulares em resposta às forças externas, consideradas como estímulos.

2.3.4. Foco no comportamento do humano em relação ao ambiente externo

2.3.5. O Comportamento humano poderia ser controlado, orientado, modificado, moldado pelo uso adequado de reforço positivo.

2.3.6. O comportamento é uma reposta aos estímulos externos. Inconsciente descartado.

2.3.7. O Behaviorismo dedica-se ao estudo das interaões entre indivíduo e o ambiente, entre ações do indivíduo (suas respostas) e o ambiente (as estimulações)

2.4. Testes em animais

2.5. Comportamento Repondente

2.5.1. Ações involuntárias provocadas pelo ambiente. Mas as ações involuntárias também pode ser aprendidas.

2.6. Comportamento Operante

3. Gestalt

3.1. Fenomenologia ou Método Fenomenologico

3.1.1. Fenômeno

3.1.1.1. fato ou evento que pode ser descrito e explicado cientificamente.

3.1.1.2. Husserl: Ato de Consciencia

3.1.2. É um método de investigação da experiência humana. Tornar explicito o que está na consciência humana. Como a realidade se apresenta ao sujeito no momento.

3.1.2.1. O que sente com isso?

3.1.2.2. O que entende por isso?

3.1.2.3. O que você percebe disso?

3.1.3. Apreensão da experiencia imeditada

4. Psicanálise

4.1. Foco no consciente e inconsciente

4.2. Ênfase na importância do inconsciente. O inconsciente motiva o comportamento.

4.2.1. Consciente

4.2.1.1. Facilmente acessível

4.2.2. Pre-consciente

4.2.2.1. Acessível

4.2.3. Inconsciente

4.2.3.1. Não facilmente acessível

4.3. O Inconciente

4.3.1. Abriga os medos, necessidades, desejos, impulsos violentos e imorais e etc. Obtém também o lado obscuro da mente.

4.4. Método investigativo

4.4.1. Caracteriza-se pelo método interpretativo, que busca o significado oculto do que é manifesto por meio de ações e palavras ou pelas produções imaginarias, como os sonhos, os delírios, as associações livres, os atos falhos

4.5. Método Catártico

4.5.1. O tratamento que possibilita a liberação de afetos e emoções ligadas a acontecimentos traumáticos que não puderam ser expressos na ocasião da vivência desagradável ou dolorosa. Essa liberação de afetos leva a eliminação dos sintomas.

4.5.2. Uso da Hipnose

4.5.3. Freud Abandonou o método, trocando pela conversação simples e não guiada, a merce do paciente.

4.6. Instancia Psquica

4.6.1. Consciente

4.6.1.1. é o aparelho psiquico que recebe ao mesmo tempo as informações do mundo exterior e interior. Presença do raciocínio

4.6.2. Pré-consciente

4.6.2.1. Conteúdos acessíveis à consciencia. Aquilo que não está na consciencia no exato momento, mas no momento seguinte pode estar.

4.6.3. Inconsciente

4.6.3.1. Conjunto dos conteúdos não presentes da atual consciencia

4.6.3.2. Atemporal, não existem noção de presente ou passado

4.7. Sexualidade Infantil

4.7.1. Fase Oral

4.7.1.1. Boca

4.7.2. Fase anal

4.7.2.1. Ânus

4.7.3. Fase Fálica

4.7.3.1. Genital

4.7.3.2. Complexo de Édipo

4.7.3.2.1. A Mâe é o objeto de desejo do menino, e o pai é o rival que impede seu acesso ao objeto desejado. Procura espelhar o comportamento do Pai para ter a mãe. Por medo da perda do pai, desiste da mãe e a mesma é trocada plo mundo social, cultural.

4.7.4. Latencia

4.7.4.1. Intervalo sexual

4.7.5. Fase Genital

4.7.5.1. Erotização do outro

4.8. Realidade Psiquica

4.8.1. Mesmo que n tenha acontecido, que n corresponda a realidade objetiva.

4.9. Aparelho Psíquico

4.9.1. Funcionamento Psiquico

4.9.1.1. Econômico

4.9.1.1.1. Existe uma quantidade de Energia que alimenta os processos psiquicos

4.9.1.2. Tópico

4.9.1.2.1. Aparelho Psíquico constituído de sistemas que são diferenciados quanto a sua natureza e modo de funcionamento, o que permite considerá-lo como "Lugar"

4.9.1.3. Dinâmico

4.9.1.3.1. nNo interior do psiquismo exitem forças que entram em conflito e estão, permanentemente, ativas.

4.9.2. Pulsão

4.9.2.1. é um estado de tensão que busca, através de um objeto, a supressão desde estado.

4.9.2.2. Pulsão de vida

4.9.2.2.1. Eros é a pulsão da vida e abrange as pulsões sexual e as autoconservações.

4.9.2.3. Pulsão de morte

4.9.2.3.1. Tanatos é a pulsão de morte, pode ser autodestrutiva ou estar dirigida para fora e se manifestar como pulsão agressiva ou destrutiva.

4.9.3. Sintoma

4.9.3.1. Pode ser um comportamento, um pensamento, resultante de um conflito psíquico entre o desejo e os mecanismos de defesa. O sintoma ao mesmo tempo que sinaliza, busca encobrir um conflito, substituir a satisfação do desejo.

4.10. Sistema de Personalidade

4.10.1. Mordernização da personalidade

4.10.2. Superego

4.10.2.1. A moral, os ideais. Entrelaçado com exigências sociais e culturais.

4.10.2.2. Sentimento de Culpa

4.10.2.2.1. Culpa por algo que fez ou algo que desejou fazer, mas não fez. Pode ser também algo considerado mal pelo ego ou o contrário.

4.10.2.2.2. Origina-se no complexo de Édipo

4.10.2.3. Origina-se no complexo de Édipo

4.10.3. Ego

4.10.3.1. Percepção

4.10.3.2. Memória

4.10.3.3. Sentimentos

4.10.3.4. Pensamentos

4.10.3.5. Equilíbrio entre o Id e as exigências da realidade e as "ordens" do superego

4.10.4. Id

4.10.4.1. Energia Psíquica: Pulsão de morte e de vida. Inconsciente. Desejos

4.11. Mecânismos de Defesa

4.11.1. Recalque

4.11.1.1. Supressão de uma parte da realidade. Não percebe , não vê ou escuta o que ocorre. Podendo assim dar outro sentido a realidade. Assim como não "ouvir" a palavra "não" numa proibição de algo.

4.11.1.2. O mais radical entre os sistemas

4.11.2. Formação Reativa

4.11.2.1. O ego procura afastar o desejo que vai em determinada direção, e, para isto, o indivíduo adota uma atitude oposta a este desejo.

4.11.2.2. Ex: Ternura execessiva, superproteção, escondem o seu oposto, no caso, desejo agressivo intenso.

4.11.2.3. Aquilo que aparece (a atitude) visa esconder do próprio indivíduo suas verdadeiras motivações (o desejo), para preservá-lo de uma descoberta acerca de si mesmo que poderia ser bastante dolorosa.

4.11.3. Regressão

4.11.3.1. É uma passagem para os modos mais primitivos de expressão.

4.11.3.2. Ex: Pessoa que passa por problema e ao ver uma barata, grita e sobre na mesa. Essa pessoa nao está somente vendo uma barata e sim uma distorção da mesma.

4.11.4. Projeção

4.11.4.1. ~E uma confluência de distorções do mundo externo e interno. O indivíduo projeta algo de si em algo que vê no mundo externo e não percebe aquilo que foi projetado como algo seu que considera indesejável.

4.11.5. Racionalização

4.11.5.1. Criação de mentiras que fazem lógica ao indivíduo, possivelmente convincente e aceitável por outros e justifica estados "deformados".

4.11.5.2. Ex: O pudor excessivo justificado por valores morais