CÂNCER DE PULMÃO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
CÂNCER DE PULMÃO por Mind Map: CÂNCER DE PULMÃO

1. segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil. O primeiro em todo o mundo desde 1985 tanto em incidência quanto em mortalidade (cerca de 13% dos casos novos de câncer são de pulmão)

1.1. Os suplementos de vitaminas antioxidantes aceleram o desenvolvimento de lesões pré-cancerosas e o câncer de pulmão em fase precoce, destacou o estudo sueco publicado na revista médica americana Science Translational Medicine, que pela primeira vez esclareceu esse mecanismo. Os antioxidantes, como as vitaminas A, C e E, permitem neutralizar os radicais livres produzidos pelo organismo que são prejudiciais, porque seu alto poder oxidante pode causar danos às células, acelerar o envelhecimento e provocar câncer. Durante muito tempo, os cientistas acreditaram que os antioxidantes poderiam ajudar a evitar tumores cancerígenos, mas vários estudos clínicos recentes sugerem que não têm efeito algum para evitar o câncer de pulmão em particular. Pior ainda, podem inclusive aumentar o risco em grupos vulneráveis, como os fumantes.

2. risco de ocorrência do câncer de pulmão e de morte pela doença aumenta quanto maior a intensidade da exposição ao tabaco - a mortalidade entre fumantes é cerca de 15 vezes maior do que entre não fumantes

3. Sinais e Sintomas

3.1. geralmente não ocorrem até que o câncer esteja avançado

3.2. tosse seca persistente

3.3. escarro com sangue

3.4. dor no peito

3.5. rouquidão

3.6. piora da falta de ar

3.7. perda de peso e apetite

3.8. sensação de cansaço ou fraqueza

3.9. nos fumantes, o ritmo habitual da tosse é alterado e aparecem crises em horários incomuns

3.10. Quando o câncer de pulmão se dissemina para outras partes do corpo, ele pode causar outros sintomas, entre eles: Dor nos ossos, Fraqueza ou dormência nos braços ou nas pernas, Dor de cabeça, tontura ou convulsões, Icterícia, Inchaço nos gânglios linfáticos do pescoço ou ombros

4. Fatores de Risco

4.1. tabagismo é a principal causa

4.2. exposição à poluição do ar

4.3. infecções pulmonares de repetição

4.4. excesso de vitamina A

4.5. enfisema e bronquite crônica (DPOC)

4.6. fatores genéticos

4.7. história familiar de câncer de pulmão

4.8. idade avançada: O câncer de pulmão costuma ser diagnosticado depois dos 50 anos em 90% dos casos, especialmente na faixa dos 60 aos 70 anos. Até pouco tempo atrás, era uma doença quase que exclusivamente masculina, mas nas últimas décadas ele vem aumentando progressivamente entre as mulheres, enquanto entre os homens há numa tendência de queda no número de casos. Esse aumento no número de casos entre as mulheres se deve ao consumo crescente de tabaco e a maior dificuldade que as mulheres fumantes têm de deixar de fumar. Além disso, estudos recentes sugerem que talvez as mulheres sejam mais suscetíveis aos efeitos cancerígenos dos componentes do cigarro.

4.9. exposição ocupacional a agentes químico ou físicos (asbesto, sílica, urânio, cromo, etc), água potável contendo arsênico

4.10. altas doses de suplementos de betacaroteno

4.11. trabalhadores rurais, da construção civil, curtume, fundição de metais, indústrias (alumínio, borracha, cimento e gesso, gráfica e papel, têxtil, metalúrgica, metal pesado, nuclear, eletrônicos, aeronaves, aparelhos médicos, vidro, fertilizantes), mineração, fábrica de baterias, produção de pigmentos, bombeiros hidráulicos, encanadores, eletricistas, mecânicos de automóveis, mineiros, pintores, soldadores, sopradores de vidro, conservação de couro, limpeza e manutenção podem apresentar risco aumentado para o desenvolvimento da doença

5. a taxa de sobrevida relativa em cinco anos para câncer de pulmão é de 18% (15% para homens e 21% para mulheres). Apenas 16% dos cânceres são diagnosticados em estágio inicial (câncer localizado), para o qual a taxa de sobrevida de cinco anos é de 56%

6. estimativa de novos casos (INCA 2018) - 31.270, sendo 18.740 homens e 12.530 mulheres

7. diagnósticos de enfermagem

7.1. constipação (63%)

7.2. mobilidade física prejudicada (63%)

7.3. potencial para infecção (63%)

7.4. déficit de autocuidado para banho/higiene (56%)

7.5. trocas de gases prejudicada (44%)

7.6. dor (44%)

7.7. padrão de sono perturbado

7.8. nutriçao desequilibrada

7.9. ansiedade

8. tratamento

8.1. cirurgia, quando possível - retirada do tumor e linfonodos próximos ao pulmão e mediastino - 20% dos casos são operáveis

8.2. quimioterapia

8.3. radioterpia

8.4. terapia-alvo

8.5. Terapia-alvo - detém o crescimento das células cancerosas, interferindo na ação de proteínas e receptores presentes nas células doentes ou impedindo a formação de novos vasos sanguíneos que fornecem oxigênio e nutrientes para as células cancerosas.

9. prevenção

9.1. não fumar

9.2. evitar exposição a agentes/fatores de risco

10. consenso nutricional - desnutrição calórica e proteica é muito frequente - tumores de cabeça, pescoço, pulmão, esôfago, fígado, pâncreas, leucemia e sarcoma, são os que apresentam mais riscos de desnutrição

11. diagnóstico

11.1. feito por RX de tórax na maioria dos casos

11.2. classificado em dois grupos: carcinoma de células pequenas e carcinomas de células não-pequenas

11.2.1. De acordo com a histopatologia, o câncer de pulmão é classificado em dois tipos: • Câncer de pulmão não-pequenas células (CPNPC) – corresponde a um grupo heterogêneo composto de três subtipos: adenocarcinoma, carcinoma de células escamosas (epidermóide) e carcinoma de grandes células. • Câncer de pulmão pequenas células (CPPC) – corresponde a um grupo, cujo prognóstico é muito pior devido à sua disseminação freqüentemente rápida, com três subtipos: linfocitóide ( oat cell ), intermediário e combinado (pequenas células, carcinoma epidermóide ou adenocarcinoma).