Indivíduo saudável

Trabalho de Medicina Ambiental - DaniJuTati - Medicina São Camilo

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Indivíduo saudável por Mind Map: Indivíduo saudável

1. Seu estudo se dá pela metodologia expossômica, a qual envolve a medição simultânea de uma série de biomarcadores, possível pelos avanços ocorridos nas ciências laboratoriai

2. Medida cumulativa de influências ambientais e respostas biológicas associadas, incluindo exposições do ambiente, dieta, comportamento e processos endógenos, ao longo da vida

3. Todos os fatores devem ser considerados em conjunto, não individualmente

4. Exposição a grande variedades de fatores

4.1. Expossoma

4.1.1. Fatores externos específicos

4.1.1.1. Englobam dieta, exposições ambientais e ocupacionais e estilo de vida, entre outros

4.1.1.1.1. Meio Ambiente

4.1.2. Fatores internos

4.1.2.1. São únicos dos indivíduos, como fisiologia, idade, morfologia corporal e o genoma do indivíduo

4.1.3. Fatores externos gerais

4.1.3.1. Condição socioeconômica, fatores sociodemográficos e o local de residência

4.2. Medida cumulativa de influências ambientais e respostas biológicas associadas, incluindo exposições do ambiente, dieta, comportamento e processos endógenos, ao longo da vida

5. Contribuem para o estabelecimento de doenças crônicas

6. É preciso controlar esses fatores de risco

6.1. OMS define 10 prioridades da saúde para 2019

6.1.1. Poluição do ar e mudanças climáticas

6.1.2. Pandemia de gripe

6.1.3. Cenário de fragilidade e vulnerabilidade

6.1.3.1. Tornar as nações vulneraveis, capazes de prestar serviços de saúde de alta qualidade, incluindo os de vacinação.

6.1.3.2. Fortalecer os sistemas de saúde, de modo a prepará-los para detectar e responder a surtos de doenças.

6.1.4. Resistência antimicrobiana

6.1.4.1. A resistência aos medicamentos é impulsionada pelo uso excessivo de remédios antimicrobianos em pessoas, mas também em animais, especialmente os que são utilizados na produção de alimentos e no meio ambiente.

6.1.4.2. Implementar um plano de ação global de combate à resistência antimicrobiana, aumentando a conscientização e o conhecimento sobre o tema, reduzindo as infecções e incentivando a aplicação adequada desses medicamentos

6.1.5. Ebola

6.1.5.1. Após o caso de ebola na África, diversos países pediram para a OMS adotar medidas de preparação para situações de emergência

6.1.6. Atenção primária

6.1.6.1. Revitalizar e fortalecer a atenção primária de saúde nos países e dar seguimento aos compromissos específicos assumidos na Declaração de Astana.

6.1.7. Relutância em vacinar

6.1.7.1. Intensificará os esforços para eliminar o câncer do colo de útero em todo o mundo, aumentando a cobertura da vacina contra o HPV, entre outras medidas.

6.1.8. Dengue

6.1.8.1. A estratégia da OMS para controlar a doença visa reduzir as mortes em 50% até 2020

6.1.8.2. Agente etiológico: Arbovirus do gênero Flavovírus

6.1.8.3. Vetores hospedeiros: mosquito Aedes Aegypti

6.1.8.4. Doença de notificação compulsória - notificação dos casos suspeitos

6.1.8.5. Manejo ambiental: mudanças no meio ambiente que impeçam ou minimizem a propagação do vetor, evitando ou destruindo os criadouros potenciais do Aedes

6.1.8.6. Doença reemergente

6.1.8.6.1. Estava sendo controlada e passou a ser reintroduzida

6.1.9. HIV

6.1.9.1. Introdução de autoteste para que os indivíduos possam saber seu status e receber o tratamento adequado ou medidas preventivas

6.1.10. Doenças crônicas não transmissíveis

6.1.10.1. Meta global de redução em 15% da inatividade física até 2030. Isso será feito por meio de ações como a implementação da ACTIVE, uma série de políticas que incentivam as pessoas a estar mais ativas todos os dias

7. Determinantes ambientais e sociais de saúde

7.1. Hipócrates já afirmava que havia uma forte relação das doenças e seus focos no ambiente (os lugares influenciavam o desencadeamento das doenças.

7.2. No século XVIII houve a percepção de que as doenças estão ligadas à geografia.

7.3. No século XX com o Iluminismo a humanidade passou a usar e modificar o meio ambiente sem preocupação, com a ideia de que ele sempre se regenera e está a disposição dos seres humanos. Houve então um pico na taxa de consumo dos recursos naturais, aumento dos índices de poluição, redução da biodiversidade, entre outros danos.

7.4. Em 1988, a Constituição federal brasileira garantiu que o meio ambiente é um direito de todos.

7.4.1. A partir de 2000 começaram as políticas nacionais de saúde ambiental.

7.4.1.1. Vigilância em Saúde Ambiental (VSA): 1- o controle da qualidade da água para consumo humano - VIGIAGUA 2- qualidade do ar - VIGIAR 3- solo contaminado - VIGISOLO 4- substâncias químicas VIGIQUIM 5- desastres naturais 6- acidentes com produtos perigosos; 7- fatores físicos (radiações ionizantes e não ionizantes); 8- ambiente de trabalho.