DISTRIBUIÇÃO FÍSICA

TRABALHO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
DISTRIBUIÇÃO FÍSICA por Mind Map: DISTRIBUIÇÃO FÍSICA

1. O QUE É?

1.1. A UM TERMO EMPREGADO NA MANUFATURA E NO COMERCIO PARA DESCREVER AS EXTENSAS ATIVIDADES RELACIONADAS COM O MOVIMENTO EFICIENTE DE PRODUTOS ACABADOS DESDE UMA LINHA DE PRODUÇÃO ATE O CONSUMIDOR.

2. TRÊS FORMAS DE ADMINISTRAÇÃO

2.1. ESTRATÉGICA

2.1.1. LONGO PRAZO; COMO DEVE SER A DEFINIÇÃO GLOBAL DOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO.

2.2. TÁTICA

2.2.1. MÉDIO PRAZO; COMO O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PODE SER UTILIZADO.

2.3. OPERACIONAL

2.3.1. CURTO PRAZO; TAREFAS DIÁRIAS QUE DEVEM SER DESEMPENHADAS.

3. CADEIA DE SUPRIMENTOS

3.1. PRINCIPAL CANAL DE MOVIMENTAÇÃO DE UM PRODUTO DESDE O SEU PROCESSO INDUSTRIAL ATÉ O CONSUMIDOR FINAL. TAMBÉM É CONHECIDA COMO UMA SUCESSÃO DE MANUSEIOS, QUE A CADA ETAPA AGREGA VALOR E REDUZ CUSTOS

3.1.1. > PRODUTOR

3.1.1.1. O PRODUTOR É AQUELE QUE FORNECE MERCADORIAS E MATÉRIAS PRIMAS PARA OS FABRICANTES.

3.1.1.1.1. O FORNECEDOR OU PRODUTOR REAL (PARTICIPANTE DO PROCESSO DE FABRICAÇÃO).

3.1.1.1.2. O PRODUTOR APARENTE (QUEM APENAS DESIGNA A MARCA OU LOGO).

3.1.1.1.3. O PRODUTOR PRESUMIDO (AQUELE QUE IMPORTA O PRODUTO E O VENDE SEM A CLARA IDENTIFICAÇÃO).

3.1.2. > FABRICANTE

3.1.2.1. ELA TEM COMO PRINCIPAL FINALIDADE TRANSFORMAR MATÉRIA-PRIMA FORNECIDA PELOS PRODUTORES EM PRODUTOS COMERCIALIZÁVEIS.

3.1.2.1.1. AS INDÚSTRIAS DE BASE (MATÉRIA-PRIMA BRUTA E PROCESSADA).

3.1.2.1.2. ), AS DE BENS INTERMEDIÁRIOS (MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS).

3.1.2.1.3. AS DE BENS DE CONSUMO (BENS DURÁVEIS, SEMI-DURÁVEIS E NÃO DURÁVEIS).

3.1.3. > DISTRIBUIDOR

3.1.3.1. ESSA ETAPA CONSISTE NAS OPERAÇÕES DE TRANSPORTE E ENTREGA DOS PRODUTOS, VISANDO SUPRIR A ESCASSEZ DOS PONTOS DE VENDA (VAREJOS). A DISTRIBUIÇÃO DE UMA MERCADORIA GERALMENTE É FEITA POR UM TRANSPORTADOR, QUE POSSUI COMO PRINCIPAL FOCO O NÍVEL DE SERVIÇO.

3.1.4. > VAREJISTA

3.1.4.1. O VAREJO É A VENDA DIRETA AO COMPRADOR FINAL, CONSUMIDOR DO PRODUTO, SEM A EXISTÊNCIA DE UM INTERMEDIÁRIO. TODAS AS ATIVIDADES DE VENDA DE BENS OU SERVIÇOS DIRETAMENTE AOS CONSUMIDORES SÃO CLASSIFICADAS COMO VAREJO.

3.1.5. > CONSUMIDOR

3.1.5.1. O CONSUMIDOR OU CLIENTE FINAL É AQUELA PESSOA QUE TEM ACESSO À VÁRIAS OPÇÕES DE ESCOLHA DE PRODUTOS. PODE SER CONSIDERADO CONSUMIDOR QUALQUER PESSOA QUE VISITE OU PROCURE UM ESTABELECIMENTO COM ALGUM INTERESSE EM ADQUIRIR PRODUTOS NO MOMENTO PRESENTE OU FUTURO.

4. OBJETIVO

4.1. PRODUTO CERTO

4.2. LUGAR CERTO

4.3. MOMENTO CERTO

4.4. NÍVEL DE SERVIÇO DESEJADO

4.5. MENOR CUSTO

5. FATORES QUE INTERAGEM

5.1. MERCADOS ATENDIDOS

5.1.1. 1- USUÁRIOS FINAIS: COMPREENDEN TANTO OS QUE USAM O PRODUTO COMO OS QUE CRIAM NOVOS PRODUTOS.

5.1.2. 2- INTERMEDIÁRIOS: COMPREENDEM OS QUE NÃO CONSOMEM OS PRODUTOS, MAS SIM QUE OFERECEM PARA REVENDA.

5.2. PADRÃO DE DEMANDA DO MERCADO

5.2.1. CONSUMIDORES FINAIS - NORMALMENTE ADQUIREM EM PEQUENAS QUANTIDADES E SÃO EM GRANDE NÚMERO.

5.2.2. FIRMAS DE MANUFATURA, DISTRIBUIDORES E EVENTUALMENTE VAREJO - GERALMENTE COMPRAM EM GRANDES QUANTIDADES.

5.3. LOCALIZAÇÃO DO CLIENTE

5.3.1. PRÓXIMOS À FÁBRICA (CARGA FRACIONADA) - PODEM SER ATENDIDOS DIRETAMENTE.

5.3.2. DISTANTES DA FÁBRICA (CARGA FRACIONADA) - DEVEM SER ATENDIDOS ATRAVÉS DE DEPÓSITOS LOCALIZADOS ESTRATEGICAMENTE.

6. ESTRATEGIA BÁSICA

6.1. PODEM SER ADOTADAS MUITAS CONFIGURAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO, NORMALMENTE DERIVADAS DE TRÊS FORMAS BÁSICAS:

6.1.1. ENTREGA DIRETA A PARTIR DE ESTOQUES DE FÁBRICA.

6.1.2. ENTREGA DIRETA A PARTIR DE VENDEDORES OU DA LINHA DE PRODUÇÃO.

6.1.3. ENTREGA FEITA UTILIZANDO UM SISTEMA DE DEPÓSITOS.

7. TRÊS CONCEITOS IMPORTANTES

7.1. COMPENSAÇÃO DE CUSTO

7.2. CUSTO TOTAL

7.3. SISTEMA TOTAL

8. BERTAGLIA (2003)

8.1. PRODUTOS E MATERIAIS SÃO MOVIMENTADOS AO LONGO DA CADEIA DE ABASTECIMENTO. A MATÉRIA-PRIMA É TRANSPORTADA PARA AS FÁBRICAS PARA SE TRANSFORMAR EM PRODUTO FINAL; EM SEGUIDA, FLUI DOS FORNECEDORES PARA OS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO E DAÍ PARA OS CLIENTES, DEPENDENDO DO MODELO ESTABELECIDO PELA EMPRESA.

9. MODAIS DE TRANSPORTE

9.1. RODOVIÁRIO

9.1.1. CARGA FRACIONADA

9.1.2. COLETA NO FABRICANTE, ATÉ A TRANSPORTADORA PARA SER DESTINADO.

9.1.3. DESCARREGAMENTO, VERIFICAÇÃO, ROTULAGEM E TIRAGEM DA MERCADORIA SEGUNDO OS DIVERSOS DESTINOS,

9.1.4. DISTRIBUIÇÃO LOCAL COM ENTREGA DA MERCADORIA AO CLIENTE FINAL.

9.2. FERROVIÁRIO

9.2.1. CUSTO FIXO

9.2.2. VANTAGEM EM VIAGENS LONGAS

9.2.3. TRANSPORTE GRANELEIRO

9.3. AQUAVIÁRIO

9.3.1. TRANSPORTE MARÍTIMO - VIAGEM A LONGA DISTÂNCIA, ÁGUAS INTERNACIONAIS.

9.3.2. NAVEGAÇÃO POR CABOTAGEM - VIAGEM NA COSTA BRASILEIRA

9.3.3. NAVEGAÇÃO DE GRANDE CABOTAGEM - ENGLOBA OS PORTOS BRASILEIROS MAIS OS PORTOS DA ARGENTINA E DO URUGUAI.

9.4. AÉREO

9.4.1. CONSIDERADO UM DOS TRANSPORTES MAIS SEGUROS DA ATUALIDADE, PORÉM COM CUSTOS ALTO DE TARIFAÇÃO.

9.4.2. APOIO A GLOBALIZAÇÃO A BUSCA POR ESSE TRANSPORTE AUMENTOU, DEVIDO AO TRANSPORTE DE PRODUTOS PERECÍVEIS, ELETRÔNICOS, FLORES E APARELHOS DE PRECISÃO, ASSIM A TENDÊNCIA É ESSE CUSTO DIMINUA.

9.5. DUTOS

9.5.1. USO ESPECIAL DE TRANSPORTE DE GASES E LÍQUIDO COMBUSTÍVEL.

9.5.2. DUTO DE GÁS BRASIL X BOLÍVIA.