A Produção Sociológica Brasileira

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
A Produção Sociológica Brasileira por Mind Map: A Produção Sociológica Brasileira

1. Início na década de 1930

1.1. A realidade social ganha um caráter mais investigativo e explicativo

1.1.1. Impulsionado por alguns movimentos

1.1.1.1. Transformações de ordem social, econômica, política e cultural ao país, e despertavam o interesse de pensadores em dar explicações a tais fenômenos

1.1.2. Os movimentos armados de 1935

1.1.3. Modernismo

1.1.4. A formação de partidos (sobretudo o partido comunista)

2. Uma forma de reflexão sobre a sociedade brasileira

3. Fases da sua implantação

3.1. Fase “A” ou Primeira Geração

3.1.1. Composta por aqueles autores que se preocuparam em fazer estudos históricos sobre a nossa realidade

3.1.1.1. Euclides da Cunha (1866-1909)

3.1.1.1.1. Sua maior contribuição à Sociologia brasileira: o livro "Os Sertões".

3.1.2. Caráter mais voltado à Literatura do que para a Sociologia

3.2. Fase “B”

3.2.1. Gilberto Freyre, Caio Prado Júnior, Sérgio Buarque de Holanda, Fernando de Azevedo, Nelson Wernek Sodré, Raymundo Faoro, etc.

3.2.1.1. Gilberto Freyre (1900-1987) foi o autor de Casa Grande & Senzala (1933)

3.2.1.1.1. “Um traço importante de infiltração de cultura negra na economia e na vida doméstica do brasileiro resta-nos acentuar: a culinária” (FREYRE, 2002)

3.2.1.1.2. Colonização portuguesa

3.2.1.1.3. A formação da sociedade agrária

3.2.1.1.4. O uso do trabalho escravo

3.2.1.1.5. Como a mistura das raças ajudou a compor a sociedade brasileira

3.2.1.1.6. Freyre tinha um “olhar” aristocrático e conservador sobre a sociedade brasileira

3.2.1.2. Caio Prado Júnior (1907-1990)

3.2.1.2.1. Visão marxista

3.2.1.2.2. Formação do Brasil Contemporâneo publicado em 1942

3.2.2. Preocupação em se fazer pesquisas de campo

3.3. Fase “C"

3.3.1. Esta terceira geração é formada por sociólogos que vieram de diferentes instituições universitárias, fundadas a partir de 1930 e inauguram estilos mais ou menos independentes de fazer Sociologia.

3.3.2. Oliveira Viana, Florestan Fernandes, Guerreiro Ramos, dentre vários outros

3.3.2.1. Florestan Fernandes (1920-1995), importante nome da Sociologia crítica no Brasil.

3.3.2.1.1. Questionamento sobre a realidade social e das teorias que tentavam explicar essa realidade

3.3.2.1.2. Tinha como metodologia “dialogar”, de maneira muito crítica, com a produção sociológica clássica

3.3.2.1.3. Afinidade com o pensamento marxista

3.3.2.1.4. Tinha o “olhar” voltado aos mais diversos grupos e classes existentes na sociedade

3.3.2.1.5. A integração do negro na sociedade de classes (1978)