História da Música

Atividade de portfólio 1 - disciplina História da Música

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
História da Música por Mind Map: História da Música

1. Música na Alta Idade Média

1.1. Características gerais

1.1.1. vocal

1.1.2. música ligada ao Cristianismo

1.1.3. fundamental para a educação e a elevação da alma do novo cristão

1.1.4. instrumento de propagação da fé

1.2. 2 teóricos mais importantes

1.2.1. Santo Agostinho

1.2.2. Boécio

1.2.2.1. mundana

1.2.2.2. humana

1.2.2.3. instrumentalis

1.3. Canto na igreja cristã

1.3.1. Cantochão

1.3.1.1. características

1.3.1.1.1. monofônico

1.3.1.1.2. mantêm-se dentro de uma oitava

1.3.1.1.3. intervalos de graus conjuntos

1.3.1.1.4. modal

1.3.1.1.5. melodia em forma de arco

1.3.1.1.6. estado mais rudimentar: movimento ascendente no início, manutenção de uma nota chamada tenor e finalização em graus conjuntos descendentes.

1.3.1.1.7. Existem vários tipos

1.3.1.2. Canto Gregoriano

1.3.1.2.1. é um tipo específico de cantochão católico

1.3.1.2.2. Características

1.3.1.3. Modelos de cantochão

1.3.1.3.1. quanto a relação entre notas e sílabas

1.3.1.3.2. quanto ao texto

1.3.1.3.3. quanto a maneira como é cantado

1.3.1.4. Notação neumática

1.3.1.4.1. diastemática

1.3.1.4.2. quadrada

1.4. Guido D'Arezzo

1.4.1. importante teórico da música medieval

1.4.1.1. Principais contribuições

1.4.1.1.1. criou os nomes latinos das notas musicais: ut, re, mi, fa, sol e la.

1.4.1.1.2. desenvolveu a manossolfa

1.4.1.1.3. aperfeiçoou o sistema da pauta musical, e os sinais de bemol e bequadrado

1.4.1.1.4. teorizou sobre a prática de inventar vozes adicionais ao cantochão (polifonia nascente).

2. Música na Baixa Idade Média

2.1. Características gerais

2.1.1. avanços na documentação escrita da música secular monofônica

2.1.2. aparecimento de uma polifonia escrita no âmbito religioso e, depois, de uma polifonia secular documentada.

2.1.3. surgimento de uma escrita mensural rítmica

2.2. Canto monofônico secular

2.2.1. caráter sacro, mas não litúrgico

2.2.2. monodias em latim

2.2.2.1. aparecimento autoral de novos cantos monofônicos para os rituais cristãos

2.2.3. música dos Galiardos (também em latim)

2.2.3.1. tratavam de temas como comida, bebida e relacionamentos

2.2.4. monofonia em línguas vernáculas

2.2.4.1. em sua maioria, seculares

2.2.4.2. língua francesa: pioneira

2.2.4.3. jograis e menestréis

2.2.4.3.1. artistas que promoviam entretenimento com espetáculos de teatro e canto

2.2.4.4. trovadores

2.2.4.4.1. poetas-compositores (em geral, nobres de origem)

2.2.4.4.2. cantavam suas próprias músicas com acompanhamento instrumental

2.2.4.4.3. canções com formas fixas

2.3. Música instrumental

2.3.1. gênero instrumental mais antigo

2.3.1.1. estampida

2.3.2. instrumentos medievais

2.3.2.1. lira medieval

2.3.2.2. harpa

2.3.2.3. vielle

2.3.2.3.1. protótipo do violino moderno

2.3.2.4. organistrum

2.3.2.5. saltério

2.3.2.5.1. semelhante a uma harpa deitada

2.3.2.6. alaúde

2.3.2.7. órgãos

2.3.2.7.1. grandes

2.3.2.7.2. portáteis

2.3.2.8. charamella

2.3.2.8.1. antecessor do fagote e oboé

2.4. Ars Antiqua

2.4.1. surgimento da polifonia

2.4.1.1. Organum: quando se acrescentava mais uma voz ao cantochão.

2.4.1.1.1. paralelo: duplicação paralela da voz principal (cantochão) em intervalos de 4ªs , 5ªs ou 8ªs justas.

2.4.1.1.2. modificado

2.4.1.1.3. livre

2.4.1.1.4. melismático

2.4.2. Saint Matial de Limonges

2.4.2.1. desenvolveu-se também outro tipo de polifonia

2.4.2.1.1. Discantus

2.4.2.2. desenvolveu-se os modos rítmicos primitivos: baseado em dois valores --> brevis e longa, sendo a longa 2x o valor da brevis.

2.4.2.2.1. Traqueau

2.4.2.2.2. Iambo

2.4.2.2.3. Dáctilo

2.4.2.2.4. Anapesto

2.4.2.2.5. Espondeo

2.4.2.2.6. Tribaquio

2.4.3. Notre Dame

2.4.3.1. Leonin

2.4.3.1.1. obras predominantemente a duas vozes --> organum duplum

2.4.3.1.2. utiliza o tenor litúrgico em notas longas

2.4.3.1.3. escrita alternada entre organum melismático e clausula em estilo discante

2.4.3.2. Perotin

2.4.3.2.1. expansão do organum para três e quatro vozes --> organum triplum e quadruplum

2.4.3.2.2. maior precisão rítmica

2.4.3.2.3. tenores menos longos

2.4.3.2.4. inova ao utilizar as cláusulas de substituição

2.4.3.3. corpus polifônico

2.4.3.3.1. conductus

2.4.3.3.2. organum

2.4.3.3.3. motete

2.4.3.4. surgimento do conceito de composição

2.5. Ars Nova: século 14

2.5.1. características

2.5.1.1. expansão da utilização da notação mensural rítmica

2.5.1.2. uso mais extensivo das técnicas de composição polifônica para a música secular

2.5.1.3. aumento da produção da música secular

2.5.1.3.1. afastamento da igreja

2.5.1.4. termo contraponto aparece pela primeira vez --> designa a técnica de combinação de duas melodias independentes.

2.5.1.5. revisão da teoria rítmica franconiana

2.5.1.5.1. duplex-longa

2.5.1.5.2. longa

2.5.1.5.3. breve

2.5.1.5.4. semibreve

2.5.1.5.5. mínima

2.5.1.6. Isorritmia

2.5.1.6.1. princípio composicional da Ars Nova

2.5.2. música ficta

2.5.2.1. alterações cromáticas de algumas notas nos finais de trechos musicais

2.5.2.1.1. para embelezamento da linha melódica

2.5.2.1.2. para evitar o trítono

2.5.2.2. ficta signifca falsa

2.5.2.2.1. eram exceções ao sistema verdadeiro pré-definido das escalas.

2.5.3. Guillaume de Machaut

2.5.3.1. principal compositor da Idade Média

2.5.3.1.1. inovações

2.5.3.2. criou uma das obras mais importantes da história da composição musical no domínio da música sacra: a Missa de Notre Dame.

2.5.4. Trecento italiano

2.5.4.1. principais gêneros musicais

2.5.4.1.1. madrigal

2.5.4.1.2. caccia

2.5.4.1.3. ballata

2.5.4.2. Francesco Landini

2.5.4.2.1. compositor mais importante

3. Música na Grécia Antiga

3.1. Características gerais

3.1.1. vocal

3.1.2. poucas fontes diretas (partituras)

3.1.3. compreendida de um modo complexo, vinculada a outros elementos culturais

3.1.3.1. Mousiké : termo relacionado à arte em geral e não somente ao fazer musical.

3.1.4. parte integrante da formação da sociedade.

3.2. 3 principais frentes

3.2.1. Teatro

3.2.1.1. boa parte da música grega foi produzida como trechos das tragédias.

3.2.2. Cultos religiosos

3.2.2.1. boa parte das partituras gregas remanescentes eram hinos dedicados a alguma divindade.

3.2.3. Filosofia

3.2.3.1. escritos com ênfase nos efeitos que a música causava no homem e não nos aspectos da prática musical.

3.2.3.2. Pitagóras

3.2.3.2.1. primeira tentativa de se calcular a razão entre as vibrações dos intervalos a partir da divisão em partes iguais de uma corda, utilizando o instrumento monocórdio.

3.2.3.2.2. Doutrina do Ethos

3.2.3.3. Platão

3.2.3.3.1. música sonora

3.2.3.3.2. harmonia das esferas

3.2.3.3.3. música é essencial para a formação do cidadão, junto com a ginástica.

3.2.3.3.4. não considera a música como meio de entretenimento e lazer.

3.2.3.4. Aristóteles

3.2.3.4.1. reconhece a música para a formação do cidadão.

3.2.3.4.2. concebia que a música pudesse ser usada como fonte de divertimento e prazer intelectual, e não apenas na educação.

3.2.3.4.3. acreditava que um certo modo grego poderia ter diferentes reações em diferentes pessoas.

3.3. Prática musical

3.3.1. Aristoxeno

3.3.1.1. teórico musical grego que mais se aproxima da prática musical.

3.3.1.2. Em seus escritos aborda as notas, intervalos, gêneros, sistemas de escalas, tons, modulação e composição melódica da música grega.

3.3.1.2.1. intervalos da música grega

3.3.1.2.2. sistemas escalares