ICTERÍCIA ADULTO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
ICTERÍCIA ADULTO por Mind Map: ICTERÍCIA ADULTO

1. Causas

1.1. Pré-hepáticas

1.1.1. hemólise e reabsorção de hematomas

1.1.1.1. BILIRRUBINA INDIRETA

1.2. Intra-hepáticas

1.2.1. hiperbilirrubinemia direta ou indireta

1.2.2. BILIRRUBINA DIRETA

1.2.2.1. álcool hepatite infecciosa, reação medicamentosa, distúrbios autoimunes

2. Fisiopatologia

2.1. degradação de hemácias

2.1.1. 85% da bilirrubina

2.2. degradação de outras proteínas que contenham heme

2.2.1. 15% da bilirrubina

2.3. captura e destruição das hemácias no baço

2.3.1. destruição = libera hemoglobina

2.3.1.1. hemoglobina = heme + globina

2.3.1.2. heme = ferro + protoporfirina

2.3.1.2.1. ferro = absorvido pelo organismo

2.3.1.2.2. protoporfirina

3. Etiologias

3.1. HIPERBILIRRUBINEMIA INDIRETA

3.1.1. hemólise

3.1.1.1. ANEMIAS HEMOLÍTICAS

3.1.1.1.1. congênitas ou adquiridas

3.1.1.2. hemólise intravascular

3.1.1.2.1. redução da haptoglobina

3.1.1.2.2. hemoglobinúria

3.1.1.2.3. hemossiderinúria

3.1.1.2.4. hemoglobinemia

3.1.2. diminuição da captação

3.1.2.1. drogas, rifampicina

3.1.2.2. jejum prolongado

3.1.2.3. infecções

3.1.3. diminuição na conjugação

3.1.3.1. síndromes de conjugação

3.1.3.1.1. Síndrome de Gilbert

3.1.3.2. imaturidade da conjugação

3.1.3.2.1. RN

3.2. HIPERBILIRRUBINEMIA DIRETA

3.2.1. não excretam para os canalículos

3.2.1.1. bile não chega no intestino

3.2.1.1.1. sd colestática/obstrução biliar

3.2.1.1.2. sd hepatocelular/hepatite

4. Manifestações clínicas

4.1. sinais de gravidade

4.1.1. hipotensão

4.1.2. alteração da consciência e sinais de encefalopatia hepática

4.1.3. febre e dor abdominal

4.1.4. sangramentos

4.1.4.1. epistaxe

4.1.4.2. gengivorragia

4.1.4.3. hematêmese

4.1.4.4. hemoptise

4.1.4.5. insuficiência respiratória

4.2. icterícia

4.2.1. graus

4.2.1.1. icterícia

4.2.1.1.1. 1º) esclera

4.2.1.1.2. 2º) frênulo lingual

4.2.1.1.3. 3º) pele

4.2.2. cor

4.2.2.1. flavínica

4.2.2.1.1. amarelo pálido

4.2.2.2. verdínica

4.2.2.2.1. amarelo esverdeado

4.2.2.3. rubínica

4.2.2.3.1. amarelo alaranjado

4.2.3. diagnóstico diferencial

4.2.3.1. carotenoderma

4.2.3.1.1. mais nas extremidades, não pega esclera

4.3. colúria

4.3.1. BD na urina

4.4. acolia fecal

4.4.1. tudo que reduza BD na bile

4.5. fadiga

4.6. anorexia

4.7. náuseas

4.8. vômitos

4.9. dor no hipocôndrio direito

4.10. prurido (mais comum na sd colestática)

5. Exames laboratoriais

5.1. Bilirrubinas VR

5.1.1. Bilirrubina total: até 1,0 mg/dl

5.1.2. Bilirrubina direta: 0,3 mg/dl

5.1.3. Bilirrubina indireta: 0,9 mg/dl

5.2. Enzimas hepáticas

5.2.1. ALT (TGP)

5.2.1.1. liberada no sangue no dano à membrana do hepatócito

5.2.1.2. é a mais específica do fígado

5.2.2. AST (TGO)

5.2.2.1. catalisa conversão da porção nitrogenada de um aminoácido para um resíduo de aminoácido

5.2.2.2. pode ser encontrada no fígado, miocárdio, tec musculoesquelético, rins, cérebro

5.2.3. Fosfatase alcalina

5.2.3.1. hidrolise que remove fosfatos

5.2.3.2. formada pelo hepatócitos

5.2.3.3. se eleva com o aumento da pressão no interior do sistema biliar e nas doenças infiltrativas hepáticas

5.2.4. Gama - GT

5.2.4.1. produzida e liberada pelas células epiteliais do ductos biliares

6. Anamenese

6.1. drogas IV

6.2. múltiplos parceiros

6.3. transfusão até década de 90

6.4. tatuagens

6.5. piercings

6.6. detentos

6.7. profissionais da saúde

6.8. medicações hepatotóxica

6.9. transfusão sanguínea recente

6.10. cirurgia

6.11. álcool

6.12. hist familiar de icterícia

6.13. doença hepática e das vias biliares

6.14. gestação (sd Help)

6.15. sintomas de neoplasia

6.16. febre e dor abdominal

6.17. acolia fecal e colúria

6.18. mialgias

6.18.1. leptospirose e febre amarela

6.19. ascite

6.19.1. hepatopatia

6.20. hepato e/ou esplenomegalia

6.21. sinais de hipertensão portal

6.22. sinais de hepatopatia crônica

6.22.1. telangectasias

6.22.2. ginecomastia

6.22.3. contratura de Depuytren

6.23. anel de Kayse-Fleisher

6.23.1. doença de Wilson

7. Lesão hepatocelular X Colestática

7.1. hepatocelular

7.1.1. transaminases > 10x o valor de referência (> 300 U/L)

7.1.1.1. transaminases > 1000 u/l + TGP>TGO

7.1.1.1.1. 1ª HD: Hepatite viral aguda

7.1.1.1.2. 2ª HD: Intoxicação por paracetamol

7.1.1.1.3. 3ª HD: Isquemia hepática grave

7.1.1.2. hepatite alcoólica

7.1.1.2.1. TGO > 2x TGP

7.1.1.2.2. gama GT elevado

7.2. colestática

7.2.1. fosfatase alcalina > 4x o valor de referência

8. Coledocolitíase aguda

8.1. cálculo biliar entra e obstrui o colédoco

8.2. sintomatologia

8.2.1. dor em hipocôndrio direito

8.2.2. icterícia

8.2.3. colúria

8.3. transaminases podem chegar a 1000-2000 U/L

8.4. aumento da fosfatase alcalina

8.4.1. 206 para 645 U/L

9. Hemólise

9.1. hemograma

9.1.1. anemia

9.1.2. plaquetopenia

9.2. reticulócitos

9.2.1. aumentados

9.3. LDH

9.3.1. aumentados

9.4. Haptoglobina

9.4.1. diminuida

9.5. Esquizócitos

9.5.1. hemólise intravascular

9.5.1.1. malária

9.5.1.2. microangiopatia trombótica

9.6. Teste de coombs

9.6.1. positivo na anemia hemolítica autoimune

10. Exames complementares

10.1. USG e TC

10.1.1. diferenciam

10.1.1.1. lesão obstrutiva

10.1.1.2. doença hepatocelular

10.1.2. USG

10.1.2.1. primeira escolha

10.1.3. TC

10.1.3.1. fornece informações sobre a doença

10.1.3.1.1. parenquimatosa hepática

10.1.3.1.2. pancreática

10.2. Colangiopancreatografia retrógrada

10.3. Colangiografia transhepática percutânea

10.4. Biopsia hepática

10.4.1. arquitetura do fígado

10.4.2. prognóstico

10.4.3. diferencia hepatite autoimune de distúrbios do trato biliar