Teorias Econômicas

APS de Macroeconomia 1Aluno: Matheus Arrulo JustinoMatrícula: 2018201478

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Teorias Econômicas por Mind Map: Teorias Econômicas

1. Keynesianos

1.1. Demanda Efetiva

1.1.1. Empresários contratam trabalhadores em relação à o quanto esperam vender.

1.1.1.1. Expectativa dos Empresários

1.1.1.1.1. Está relacionada a Propensão Marginal a Consumir, já que a mesma é que define a intenção da sociedade a consumir.

1.1.1.1.2. Empresários com boa expectativa, ou seja, expectativa de lucro, tendem a investir.

1.1.1.1.3. Expectativa de Lucro

1.1.1.1.4. Eficiência Marginal do Capital

1.1.1.2. Instabilidade da Demanda

1.1.1.2.1. Para estabilizar essa Demanda, Keynes propõe uma atuação do Estado para Compensar a Demanda Privada e incentivar investimentos.

1.2. Consumo Agregado

1.2.1. Propensão Marginal a Consumir

1.2.1.1. Dada Variação na Renda

1.2.1.1.1. Renda Aumenta

1.2.1.1.2. Renda Diminui

1.2.1.2. '' A estabilidade da propensão Marginal a consumir faz com que a instabilidade da Demanda ( Flutuações Econômicas ), não decorra do consumo, mas das flutuações do Investimento. ''

1.2.1.3. Dado um aumento de mais uma unidade na renda, o individuo tende a consumir. Até chegar em um ponto de máximo, onde o mesmo decide poupar.

1.3. Lado Real

1.3.1. Oferta

1.3.1.1. Produto ( Y )

1.3.1.1.1. Consumo ( C )

1.3.1.1.2. Investimento ( I )

1.3.1.1.3. Empresas produzem para a tender a Demanda

1.3.1.1.4. Propensão Marginal a Poupar

1.3.1.2. Preços Constantes

1.3.1.3. Elástica

1.3.1.3.1. Curva Horizontal

1.3.1.4. Capacidade Ociosa

1.3.1.4.1. Desemprego Involuntário

1.3.2. Multiplicadores de Gastos

1.3.2.1. Multiplica os gastos em forma de Injeção

1.3.2.2. Efeito Cascata

1.3.2.3. Efeito negativo

1.3.2.3.1. Em caso de queda de investimentos, a queda da Demanda agregada também será um valor multiplicado

1.3.2.4. Depende da Propensão Marginal a Consumir

1.3.3. A interligação do Lado Real com o Lado Monetário é feita pela Taxa de Juros

1.3.3.1. Modelo IS-LM

1.3.3.1.1. Curva IS

1.3.3.1.2. Curva LM

1.3.3.1.3. Análise de Hicks- Hansen

2. Clássicos

2.1. Lei de Say

2.1.1. '' Oferta gera sua própria procura ''

2.1.2. Mão Invisível

2.1.2.1. Adam Smith

2.1.2.2. O mercado se auto regula, sempre tendendo ao equilíbrio.

2.2. Baixa Intervenção do Estado

2.2.1. Iniciativa Privada agindo Livremente

2.2.2. Governo

2.2.2.1. Política Fiscal

2.2.2.1.1. Tributos

2.2.2.1.2. Gastos

2.2.2.1.3. Os impactos da Política Fiscal são de acordo com suas políticas

2.2.2.2. Poupança Pública

2.2.2.2.1. Arrecadação - Gastos

2.2.3. Livre Mercado

2.2.3.1. Sem espaço para Políticas Macroeconômicas por parte do Governo.

2.2.3.2. Mercado em Concorrência Perfeita

2.3. Demanda Agregada

2.3.1. A quantidade produzida pelas empresas independe de variáveis nominais, sendo determinada pela Tecnologia e pelo Estoque de Fatores.

2.3.2. Demanda não é um fator determinante do Nível de Produto na Economia.

2.3.3. Poder de Compra depende do Nível de preços.

2.3.4. O que é produzido se consome ou se transforma em poupança.

2.4. Equilíbrio da Oferta e Demanda Agregadas

2.4.1. Poupança

2.4.1.1. Oferta de fundos

2.4.1.2. Guardar parte da renda para consumo póstumo.

2.4.1.3. Depende da Taxa de Juros

2.4.2. Taxa de Juros

2.4.2.1. Taxa Nominal

2.4.2.1.1. Taxa Aparente,sem correção da inflação.

2.4.2.2. Taxa Real

2.4.2.2.1. Taxa Nominal + Inflação

2.4.2.3. Regula o nível de investimentos e Poupança

2.4.2.3.1. Quanto maior a Taxa de Juros, menos consumo, mais Poupança e menos Investimentos

2.4.2.3.2. Quanto menor a Taxa de Juros, maior o Consumo, menor o nível de Poupança e Maior o nível de Investimento

2.5. Oferta Agregada

2.5.1. Soma das Ofertas

2.5.1.1. Produto Agregado

2.5.2. Todas as Famílias

2.5.3. Produção

2.5.3.1. Y=f ( W/p, K, T )

2.5.3.1.1. Produto ( Y )

2.5.3.1.2. Salario Real ( W/p )

2.5.3.1.3. Capital ( K )

2.5.3.1.4. Tecnologia ( T )

2.5.3.1.5. Ceteris Paribus

2.5.3.2. Produtividade Marginal

2.5.3.2.1. Acréscimo de produção em relação ao máximo anterior.

2.5.3.2.2. Positiva mas decrescente

2.5.4. Demanda por Moedas

2.5.4.1. Equação Quantitativa da Moeda

2.5.4.1.1. MV=PY

2.5.4.1.2. Quantidade de Moeda não interfere na Oferta.

2.5.4.1.3. Nível de Preço

2.5.4.2. Moedas servem como meio transacional

2.5.4.3. Neutralidade da Moeda

2.5.4.3.1. Ela afeta apenas o nível de preços ( lado monetário ).

2.5.4.3.2. Sem impacto direto sobre variáveis Reais.

2.6. Mercado de Trabalho

2.6.1. Demanda de Trabalho

2.6.1.1. Lucro= Receita Total - Custo Total

2.6.1.2. Objetivo do Empresário é maximizar o seu Lucro.

2.6.1.3. Preços e Salários são flexíveis

2.6.1.3.1. Concorrência Perfeita

2.6.1.4. Inflação da Moeda

2.6.1.4.1. Níveis de Preços

2.6.1.4.2. Diminui o Custo da Mão de Obra

2.6.1.4.3. Salario Real

2.6.1.4.4. Salário Nominal

2.6.1.4.5. Ilusão Monetária

2.6.2. Equilíbrio no Mercado de Trabalho

2.6.2.1. Concorrência Perfeita

2.6.2.2. Salário Flexível

2.6.2.3. Mercado tende ao equilíbrio, pois todos precisam trabalhar.

2.6.2.4. Não Existe Desemprego Involuntário na Economia.

2.6.2.4.1. Economia opera a pleno emprego.

2.6.3. Oferta de Trabalho

2.6.3.1. Famílias

2.6.3.1.1. Individuo Racional

2.7. Dicotomia Clássica

2.7.1. Lado Real

2.7.1.1. Ex: Poder de Compra, Nivel de Emprego...

2.7.2. Lado Nominal

2.7.2.1. Ex: Salário nominal, Preços ( nominais )...