PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS por Mind Map: PRESERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

1. POPULAÇÕES CARENTES

1.1. SÃO AS QUE MAIS SOFREM

2. DESAFIOS AMBIENTAIS PARA AGRICULTURA

2.1. EXTINÇÃO DE ESPÉCIES

2.2. DISPONIBILIDADE HÍDRICA

2.3. DESMATAMENTO

2.4. CONTAMINAÇÃO DA CADEIA TRÓFICA

2.5. CO2 E CLIMA

3. O AMBIENTE COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO NA AGRICULTURA

3.1. OPORTUNIDADE DE EMPREGO

3.1.1. ENGENHARIA SANITÁRIA

3.1.2. ENSINO

3.1.3. CONSERVAÇÃO DE SOLOS

3.1.4. CONSULTORIA AMBIENTAL

3.1.5. SENSORIAMENTO REMOTO

3.1.6. GESTÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

3.2. VOCÊ

3.2.1. HABILIDADES TÉCNICAS

3.2.1.1. DIREÇÃO

3.2.1.2. INFORMÁTICA

3.2.1.3. IDIOMAS

3.2.1.4. CONHECIMENTO TÉCNICO

3.2.2. HABILIDADES INTERPESSOAIS

3.2.2.1. INTERAÇÃO

3.2.2.1.1. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

3.2.2.2. COMUNICAÇÃO

3.2.2.2.1. ORATÓRIA

3.2.2.2.2. CV

3.2.2.2.3. CARTÃO

3.2.2.2.4. EMAIL E SITE

4. RESTAURAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS

4.1. EXIGÊNCIAS

4.1.1. MANEJO DA VEGETAÇÃO

4.1.2. MODIFICAÇÃO DO AMBIENTE FÍSICO

4.1.3. CONTROLE DE INTERAÇÕES ÁBIOTICAS

4.1.4. MANEJO DE REMOÇÃO DE PLANTAS E DANOS

4.1.5. PROCESSOS PRIMÁRIOS

4.1.5.1. FUNCIONAIS

4.1.5.2. NÃO FUNCIONAIS

5. HISTÓRICO AMBIENTAL DA AGRICULTURA

5.1. PRIMÓRDIOS

5.1.1. TRIGO CEVADA

5.1.2. MILHETO E ARROZ

5.1.3. LEGUMES

5.2. IDADE MÉDIA

5.2.1. ESBOROAR O SOLO

5.2.2. INVERSÃO DE LEIVAS

5.2.3. EXPNAÇÃO DA VISÃO OCIDENTAL

5.2.4. RESERVAS DE CAÇA

6. ENERGIA E AGRICULTURA

6.1. FONTES PARA A AGRICULTURA

6.1.1. SOL

6.1.2. HUMANA E ANIMAL

6.1.3. INSUMOS QUÍMICOS

6.1.4. HIDRÁULICA

6.1.5. EÓLICA

6.1.6. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

6.2. AUMENTO DA EMISSÃO DE GASES ESTUFA

7. LIMNOLOGIA

7.1. ÁGUA

7.1.1. BRASIL TEM MUITA ÁGUA PER CAPTA

7.1.2. AGRICULTURA É A PRINCIPAL CONSUMIDORA DE ÁGUA

7.1.2.1. EVAPOTRANSPIRAÇÃO

7.1.2.2. EROSÃO

7.1.2.3. CONTAMINAÇÃO

7.1.3. UMIDADE = MELHOR QUALIDADE DE ÁGUA

7.1.4. ALTO PESO/PREÇO

8. COMPOSTAGEM

8.1. TRANSFORMAÇÃO DE LIXO EM ADUBO

8.1.1. POR QUÊ?

8.1.1.1. CUSTO ZERO

8.1.1.2. CONTEXTUALIZAÇÃO DE CONHECIMENTO

8.1.1.3. CONTRIBUIÇÃO AMBIENTAL REAL

8.1.2. COMO?

8.1.2.1. ACERTAR

8.1.2.1.1. UMIDADE

8.1.2.1.2. AERAÇÃO

8.1.2.1.3. RELAÇÃO C/N

8.1.3. EXEMPLO

8.1.3.1. IODO DE ESGOTO

8.1.3.2. RESTOS DE CAMARÃO

8.1.3.3. GRAMA

8.1.3.4. RESTOS DE COMIDA

8.1.3.5. ESTERCO DE GADO

8.1.3.6. FOLHAS

8.1.3.7. JORNAL

8.1.3.8. PAPELÃO

8.1.3.9. SERRAGEM

8.1.3.10. LISTA TELEFÔNICA

9. UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

9.1. FUNÇÃO

9.1.1. PROTEGER A VIDA SILVESTRE

9.1.2. PRESERVAR AS ESPÉCIES E DIVERSIDADE GENÉTICA

9.1.3. PROMOVER O TURISMO E A RECREAÇÃO

9.1.4. EDUCAR

9.1.5. PROMOVER A PESQUISA CIENTÍFICA

9.2. TIPOS

9.2.1. CONSERVAÇÃO EX SITU

9.2.1.1. JARDINS BOTÂNICOS

9.2.1.2. ZOOLOGICO

9.2.1.3. AQUÁRIOS

9.2.1.4. BANCO DE SEMENTES

9.2.2. PROPRIEDADES RURAIS

9.2.2.1. APP

9.2.2.1.1. ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANETE

9.2.2.2. RESERVA LEGAL

9.2.2.2.1. 20% DA ÁREA TOTAL

9.2.2.2.2. PODE SER FEITA EM CONDOMÍNIO

9.2.2.2.3. PODE SOFRER MANEJO FLORESTAL

10. ECOTOXICOLOGIA AMBIENTAL

10.1. ESTUDO DE EFEITOS TÓXICOS EM ECOSSISTEMAS

10.2. OBJETIIVOS

10.2.1. OBTENÇÃO DE DADOS PARA AVALIAÇÃO

10.2.2. TESTAR E DESENVOLVER AS EXIGÊNCIAS LEGAIS PARA O DESENVOLVIMENTO E LIBERAÇÃO DE NOVOS PRODUTOS

10.2.3. MELHORAR OS CONHECIMENTOS SOBRE O COMPORTAMENTO DE EFEITOS QUÍMICOS

10.3. FONTES DE CONTAMINAÇÃO

10.3.1. AGROTÓXICOS

10.3.2. CONTROLE DE VETORES DE DOENÇAS E DANINHAS

10.3.3. PRODUTOS DOMISANITÁRIOS

10.4. DETERMINAÇÃO

10.4.1. BIOTOXICIDADE

10.4.1.1. USO DE SERES VIVOS PARA DETERMINAR TOXICIDADE

10.4.2. DOSE LETAL

10.4.2.1. CAUSA A MORTE DE PELO MENOS 50% DO ORGANISMOS EM CO NTATO

10.4.3. DOSE EFETIVA

10.4.3.1. SE ESPERA PRODUZIR UM DETERMINADO EFEITO EM 50% DOS ORGANISMOS

11. AGRICULTURA ORGÂNICA

11.1. FUNDAMENTOS

11.1.1. ROTAÇÃO DE CULTURAS

11.1.2. SOLO COMO ORGANISMO VIVO

11.1.3. CONTROLE BIOLÓGICO DE PRAGAS

11.1.4. DIVERSIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE

11.2. FALTA DE ACEITAÇÃO

11.2.1. RESISTÊNCIA IDEOLÓGICA

11.2.2. TREINAMENTO

11.2.3. CERTIFICAÇÃO

11.2.4. COMERCIALIZAÇÃO

11.2.5. REEDUCAÇÃO DO CONSUMIDOR

12. ANTES DO DILÚVIO

12.1. ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

12.1.1. AQUECIMENTO GLOBAL

12.1.1.1. REAL

12.1.1.2. MITO

12.1.1.3. COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS

12.1.1.4. ATIVIDADE HUMANA

12.1.1.5. DEFLORESTAÇÃO

12.1.1.6. COMPLEXOS INDUSTRIAIS

12.1.1.7. DEGELO

12.1.2. SOLUÇÕES

12.1.2.1. USO DE ENERGIA RENOVÁVEIS

12.1.2.2. MUDANÇAS DE HÁBITOS INDIVIDUAIS