Educação Interprofssional

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Educação Interprofssional por Mind Map: Educação Interprofssional

1. Livros antigo: Dengue era chamada de quebra ossos. Neste caso, ocorrem manchas, febres, dores no corpo

1.1. No caso da dengue: importante analisar o grau de concentração sanguínea!

2. Trata-se da formação separada que acaba construindo identidades profissionais rígidas, uma barreira para a comunicação entre os profissionais

2.1. Formação que traz a competição ao invés do trabalho em equipe

3. O trabalho em saúde e suas especificidades

3.1. Necessita de fortes relações interpessoais

3.1.1. Trabalho em equipe: As práticas profissionais se complementam

3.1.1.1. Trabalho em saúde: não tem um produto final concreto, mas o resultado final é produto da intensa relação pessoal e profissional

3.1.1.1.1. Procura-se uma nova forma de trabalho em saúde, ou seja, mais integrada e marcada por uma efetiva comunicação

3.1.2. Vídeo 1: No Brasil há maior expectativa de vida, por isso são novas formas de viver e adoecer

3.1.2.1. Um conjunto de fatores vem ocorrendo, como: a menor natalidade, melhora do acesso a saúde, melhores padrões de envelhecimento, mudança da assistência e Saúde Básica

3.1.2.1.1. Resultando em mudança demográfica: Mais idosos e menos crianças

4. A formação profissional em saúde para o trabalho em equipe

4.1. Primeiro, pense!

4.2. Estamos sendo formados para trabalhar em equipe?

4.2.1. Vídeo 3: Está ocorrendo a comunicação correta entre os profissionais?

4.2.1.1. Será que o trabalho interprofissional está acontecendo durante a formação acadêmica?

4.2.1.2. O vídeo retrata uma constante repetição de procedimentos, que causam exaustam para o paciente e possíveis falhas no trabalho entre os profissionais, que poderia ser muito mais eficaz em conjunto.

4.3. E o usuário, na lógica de trabalho fortemente fragmentado, tem prejuízos ao atendimento de suas necessidades?

4.3.1. Estamos diante de situações de vida e saúde complexas, que exigem um trabalho integrado

4.3.1.1. Há presença de um trabalho esfacelado devido encontros esporádicos em vez de cuidados mais contínuos

4.3.1.1.1. Frágeis capacidades de liderança + Limitadas competências para o trabalho em equipe

4.4. Linha do tempo: 1981, IDA

4.4.1. 1990: UNI

4.4.1.1. 2000: CINAEM

4.4.1.1.1. 2002: PROMED

5. Educação Interprofissional e suas bases teóricas-conceituais e metas

5.1. Os profissionais precisam trabalhar juntos,mas se formam separados

5.1.1. Não existe um culpado! Mas algo deve ser feito

5.1.2. Marcos históricos:

5.1.2.1. 1960: Movimentos isolados que questionavam a formação separada dos profissionais de saúde

5.1.2.1.1. 1970: Colaboração entre os profissionais de saúde e ocupa espaço na agenda de planejamento de reforma do ensino na saúde no Reino Unido

6. Conceito de Educação Interprofissional em Saúde: uma breve incursão

6.1. “aprender juntos para trabalhar juntos”

6.1.1. 2000: É preciso estimulação para a aprender uns com os outros. Para colaborar com o outro no intuito de melhorar a qualidade dos serviços prestados

6.1.1.1. 2010: É preciso pensar nos que já estão inseridos na dinâmica do trabalho em saúde, os atuais também precisam melhorar suas competências

6.1.1.1.1. Com o objetivo de desenvolver conhecimentos, habilidades e valores que possam inserir a colaboração no trabalho com outros profissionais de saúde

6.2. A educação interprofissional ocorre quando “os profissionais de saúde aprendem colaborativamente dentro de sua área e através de outras profissões

7. Elementos-chave para a educação interprofissional

7.1. Multidisciplinar e multiprofissional representam diferentes áreas do conhecimento ou de atuação profissional que mantém uma relação de independência

7.1.1. A interdisciplinaridade e a interprofissionalidade, por sua vez, representam que há uma relação de interdependência

7.1.1.1. Aprendizagem uniprofissional: ocorre quando os alunos dos cursos da área da saúde aprendem durante suas formações específicas

7.1.1.1.1. Aprendizagem multiprofissional: ocorre quando os alunos são reunidos para aprender em paralelo

8. A Colaboração Interprofissional como fundamento para o efetivo trabalho em equipe

8.1. Trabalho em equipe: é o nível mais profundo de trabalho interprofissional. Ocorre trabalho de forma integrada, com intensa interdependência

8.1.1. Colaboração: é uma forma de trabalho interprofissional em que há menor interdependência é mais flexível, pois não é necessária uma identidade compartilhada de equipe

8.1.1.1. Prática colaborativa: está relacionado com o reconhecimento na importância do usuário, da família e da comunidade na orientação dessas práticas.

8.1.1.1.1. A definição de prática colaborativa implica numa relação entre os trabalhadores de saúde, mas também atribuindo a centralidade do usuário, família e comunidade para a produção de serviços de saúde de melhor qualidade.

9. Interdependência entre educação interprofissional e prática colaborativa

9.1. A interprofissionalidade envolve uma interação contínua como:

9.1.1. Estratégias para ensinar

9.1.1.1. O corpo docente precisa aprender aprender a facilitar a educação interprofissional

9.1.1.1.1. Iniciativas que fortaleçam a interprofissionalidade na formação e no trabalho em saúde como: logísticas e apoio financeiro

10. Competências colaborativas para o trabalho em saúde

10.1. A educação interprofissional se propõe a formar profissionais aptos ao efetivo trabalho em equipe

10.1.1. 3 grandes grupos de competências segundo Barr (1998)

10.1.1.1. Competências Comuns: competência compartilhada

10.1.1.1.1. Competências colaborativas: Capazes de melhorar relações interpessoais e interprofissionais