Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Neuropsicologia por Mind Map: Neuropsicologia

1. Fases:

1.1. Séc XVII: Cérebro controlava as funções do corpo = localização de funções. (Surge a ideia de relacionar estruturas e funções cerebrais, ou seja, de descobrir se determinadas áreas do cérebro tinham funções específicas ).

1.1.1. Descartes: Mente e o corpo separados, porém interligados = Dualismo Cartesiano. (O corpo não era nada além de uma máquina orgânica, governada pelo reflexo, que Descartes definia como uma unidade de ação mecânica, previsível e determinística. Nesse sentido, o cérebro seria importante para o trabalho mecânico, já a atividade mental dependeria da alma).

1.2. Década de 80: Psicólogos cognitivos juntaram forças com os neurocientistas, cientistas da computação e filósofos, para desenvolver uma visão integrada da mente e do cérebro.

1.3. Evidências convincentes de que determinadas áreas do cérebro estavam envolvidas com funções específicas.

1.4. Séc XX: Solidificação de várias áreas de pesquisa permitindo que os conceitos psicológicos, somados aos de outras ciências, constituíssem a neuropsicologia.

1.5. Avanços da neuropsicologia e da psicologia cognitiva = encontro das duas áreas, proporcionando abertura de um canal de comunicação.

1.6. Década de 90: Neurociência cognitiva (crença de que o cérebro possibilita a mente e permite as atividades cognitivas como o pensamento, a linguagem e a memória).

1.7. Confirmação da tese hipocrática: Galeno (130-200 d.C.) propôs uma das primeiras teorias do funcionamento cerebral, postulando que espíritos animais habitavam a mente.

1.8. Construção de conceitos imprescindíveis à prática clínica da neuropsicologia foi enriquecida a partir do desenvolvimento de pesquisas científicas.

1.8.1. Pós guerra: Neuropsicologia torna-se uma ciência propriamente dita.

1.9. Séc IV a.C.: Hipócrates (460-370 a. C. - conhecido hoje como o pai da medicina) descreveu o cérebro como a localização da mente.

1.10. Surgiram evidências de que o modo de perceber uma situação podia influenciar o comportamento (a aprendizagem, por exemplo, não era tão simples como os behavioristas acreditavam).

1.11. Neuropsicologia:Objetivo: estudar as modificações comportamentais resultantes de lesão cerebral.

1.12. Psicologia reconhecida como ciência. (Após ter transcendido as origens filosóficas, utilizando-se do experimentalismo).

1.13. Examinaram-se pacientes com lesões cerebrais adquiridas na Segunda Guerra Mundial, no curso do trabalho de reabilitação.

2. Àreas de Atuação

2.1. Atendimento em clínicas

2.2. Em equipes multidisciplinares em hospitais

2.3. Emissão de laudos neuropsicológicos

2.4. Reabilitação neuropsicológica infantil

2.5. Pesquisa e ensino nas instituições acadêmicas

2.6. Auxiliar no diagnóstico diferencial que envolve a avaliação clínica e neuropsicológica

2.7. No desenvolvimento de instrumentos para diagnóstico e reabilitação como novos jogos, testes e programas

3. Conceitos

3.1. Estuda a expressão cognitiva e comportamental das diferentes lesões e disfunções cerebrais.

3.1.1. COGNIÇÃO: tudo que envolve processos mentais relacionados à: conhecimentos, aprendizado, percepção, juízo, lembrança e pensamento.

3.1.1.1. É a ciência que tem o objetivo que é bem especifico da investigação do papel dos sistemas cerebrais individuais nas formas complexas da atividade mental.

3.2. Neuropsicologia

3.2.1. Papel clínico

3.2.1.1. Atuar no diagnóstico e consequente estabelecimento de programas reabilitatórios para indivíduos com qualquer tipo de sequela neuronal.

3.3. Luria(1981)

3.3.1. "Neuropsicologia é a área específica da Psicologia que tem como objetivo peculiar a investigação do papel de sistemas cerebrais individuais em formas complexas de atividades mentais. “Discutir os sistemas do cérebro que participam na construção de percepção e ação, de fala e inteligência, de movimento e atividade consciente dirigida a metas.”

3.4. Existem três tipos de interação entre o cérebro e o processo mental necessário para o desenvolvimento da atividade mental:

3.4.1. A unidade de atenção

3.4.2. A unidade de codificação e processamento

3.4.3. A unidade de planificação.

3.5. Malloy-Diniz (2010) considera como demanda da avaliação neuropsicológica:

3.5.1. 1. a quantificação e a qualificação detalhadas de alterações das funções cognitivas, buscando diagnóstico ou detecção precoce de sintomas, tanto em clínica quanto em pesquisa

3.5.2. 2. A avaliação e a reavaliação para acompanhamento dos tratamentos cirúrgicos, medicamentosos e de reabilitação;

3.5.3. 3. A avaliação direcionada para o tratamento, visando principalmente à programação de reabilitação neuropsicológica;

3.5.4. 4. A avaliação voltada para os aspectos legais, gerando informações e documentos sobre as condições ocupacionais ou incapacidades mentais de pessoas que sofreram algum insulto cerebral ou doença, afetando o sistema nervoso central.