Farmacocinética

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Farmacocinética por Mind Map: Farmacocinética

1. É o ramo da farmacologia que estuda o caminho percorrido pelo fármaco no organismo.

2. Absorção

2.1. Passagem do fármaco de seu local de administração para o plasma.

2.2. Vias para a absorção

2.2.1. Via transcelular

2.2.2. Via paracelular

2.2.3. Transcitose e endocitose mediada

2.2.4. por receptor

2.2.5. Endocitose para o sistema

2.2.6. linfático.

2.3. Características da preparação farmacêutica.

2.4. Fatores que influem na absorção

2.4.1. Propriedades físico-químicas do fármaco.

2.4.2. Características do local de absorção

2.5. Dependendo da via de administração e da forma farmacêutica, a droga apresentará uma maior ou menor facilidade para a absorção.

2.5.1. A quantidade de fármaco que alcança a circulação sanguínea nem sempre é a que foi administrada.

3. Distribuição

3.1. Disseminação da droga nos tecidos e células do corpo.

3.2. Uma vez no sistema circulatório, os fármacos podem ser transportados pelo sengue de três formas gerais.

3.2.1. De forma livre;

3.2.2. Ligados às proteínas plasmáticas (albumina, lipoproteína, glicoproteína e globulinas α, ß‚ e γ);

3.2.3. Ligados às células sanguíneas.

3.3. Fatores relacionados a distribuição:

3.3.1. Propriedades físico-químicas do fármaco;

3.3.2. Grau de ligação às proteínas plasmáticas;

3.3.3. Fluxo sanguíneo local;

3.3.4. Presença de fenestrações nos vasos;

3.3.5. Característica teciduais.

3.4. Fatores que alteram o volume de distribuição influenciam a concentração máxima que é atingido após uma dose única ou uma dose inicial.

4. Metabolismo

4.1. Implica na conversão do fármaco em outra entidade química.

4.2. Os processos pelos quais os fármacos são alterados por reações bioquímicas no corpo são designados, em seu conjunto, como metabolismo ou biotransformação dos fármacos.

4.3. Biotransformação dos fármacos pode alterá-los de quatro maneiras importantes:

4.3.1. Um fármaco ativo pode ser convertido em fármaco inativo.

4.3.2. Um fármaco ativo pode ser convertido em um metabólito ativo ou tóxico.

4.3.3. Um pró-fármaco inativo pode ser convertido em fármaco ativo.

4.3.4. Um fármaco não-excretável pode ser convertido em metabólito passível de excreção (aumentando a depuração renal ou biliar).

4.4. As reações de biotransformação são de dois tipos:

4.4.1. Fase I (Reações de Oxidação/redução)

4.4.1.1. Envolvem enzimas associadas a membranas, que são expressas no retículo endoplasmático (RE) dos hepatócitos.

4.4.2. Fase II (Reações de Conjugação/hidrólise)

4.4.2.1. Envolvem enzimas citosólicas ou do retículo endoplasmático (RE) dos hepatócitos.

4.5. Fatores que alteram o metabolismo dos fármacos:

4.5.1. Idade

4.5.2. Fatores genéticos e sexo

4.5.3. Estados patológicos

4.5.4. Interação com alimentos e com outros fármacos .

5. Eliminação

5.1. Refere-se ao processo pelo qual um fármaco ou seu metabólito é eliminado do organismo.

5.2. Os fármacos e seus metabólitos são, em sua maioria, eliminados do corpo através de excreção renal (mais comum) e biliar.

5.3. Muitos fármacos de administração oral sofrem absorção incompleta pelo TGI e são eliminados por excreção fecal.

5.4. Fatores que alteram a eliminação dos fármacos:

5.4.1. Inibição enzimática ou mudança da quantidade de proteínas plasmáticas.

6. Difusão

6.1. Consiste na passagem das moléculas do soluto, do local de maior para o local de menor concentração.

7. Barreira hematoencefálica

7.1. Regula o acesso de substâncias químicas ao cérebro.