CENTRO CIRÚRGICO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
CENTRO CIRÚRGICO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS por Mind Map: CENTRO CIRÚRGICO E ESTERILIZAÇÃO DE MATERIAIS

1. Infecção do Sítio Cirúrgico

1.1. Relacionadas ao procedimento

1.1.1. Procedimentos cirúrgicos

1.1.2. Procedimentos não cirúrgicos

1.2. Tempo de observação

1.3. Patógenos

1.3.1. Do paciente

1.3.2. Do ambiente

1.3.3. Da equipe de saúde

1.4. Classificação

1.4.1. Superficial

1.4.1.1. Primária

1.4.1.2. Secundária

1.4.2. Profunda

1.4.2.1. Primária

1.4.2.2. Secundária

1.4.3. Órgão e cavidade

1.5. Fatores que influenciam

1.5.1. Paciente

1.5.1.1. Idade, obesidade, desnutrição, infecção, neoplasia, imunodepressão e comorbidades

1.5.2. Procedimento cirúrgico

1.5.2.1. Degermação cirurgia das mãos, potencial de contaminação, duração da cirurgia, tricotomia, hemostasia deficiente, oxiganeção, excesso de pessoas presentes, cirurgias colorretal e contaminação intraoperatória.

1.5.3. Microorganismo

1.5.3.1. Colonização prévia, virulência, aderência e inóculo

1.6. Prevenção no período pré-operatório

1.6.1. Redução do tempo de internação

1.6.2. Avaliação em ambulatório

1.6.3. Organização do agendamento da cirurgia

1.6.4. Assepsia correta dentro dos protocolos

1.6.5. Estabilização do quadro clínico do paciente

1.6.6. Banho pré-operatório

1.6.7. Tricotomia

1.6.8. Preparo do ambiente

1.6.9. Limpeza

1.6.9.1. Preparatória

1.6.9.2. Concorrente

1.6.9.3. Terminal

1.7. Profilaxia antimicrobiana

1.7.1. Reduzir a incidência

1.7.2. Escolha do ATB menos tóxico

1.7.2.1. Especialidade

1.7.2.1.1. Neurológica

1.7.2.1.2. Ortopédica

1.7.2.1.3. Cardíaca

1.7.2.1.4. Plastica

1.7.2.2. Agentes

1.7.2.2.1. Anaeróbicos

1.7.2.2.2. Cocos gram +

1.7.2.2.3. Bacilos

1.7.2.2.4. Cocos gram -

1.7.3. Indicação apropriada

2. Tempos Cirúrgicos ou Operatórios

2.1. Procedimentos e manobras realizadas pelo médico cirurgião durante todo o tempo de cirurgia

2.1.1. 1- Diérese

2.1.1.1. Física

2.1.1.1.1. Térmica

2.1.1.1.2. Crioterapia

2.1.1.1.3. Laser

2.1.1.2. Mecânica

2.1.1.2.1. Punção

2.1.1.2.2. Secção

2.1.1.2.3. Divulsão

2.1.1.2.4. Curetagem

2.1.1.2.5. Dilatação

2.1.1.2.6. Descolamento

2.1.1.3. Principais tempos

2.1.1.3.1. Incisão da pele

2.1.1.3.2. Desdobramento da pele e subcutânea

2.1.1.3.3. Abertura da aponeurose superficial

2.1.1.3.4. Afastamento do músculo

2.1.2. 2- Hemostasia

2.1.2.1. Prevenir, deter ou impedir o sangramento. Evitar a perda sanguínea

2.1.2.2. Hemostasia prévia

2.1.2.2.1. Garroteamento com torniquete pneumático

2.1.2.3. Hemostasia temporária

2.1.2.3.1. Pinçamento de artérias e vasos

2.1.2.4. Hemostasia definitiva

2.1.2.4.1. Obliteração do vaso sanguíneo em caráter permanente

2.1.3. 3- Exérese

2.1.3.1. Realização do tratamento ou técnica cirúrgica objetiva

2.1.4. 4- Síntese cirúrgica

2.1.4.1. Aproximação das bordas para facilitar a cicatrização dos tecidos

2.1.4.1.1. Imediata

2.1.4.1.2. Mediata

2.1.4.1.3. Completa

2.1.4.1.4. Incompleta

2.1.4.1.5. Incruenta

2.1.4.1.6. Cruenta

3. Atribuições dos profissionais no centro cirúrgico.

3.1. Equipe Cirúrgica.

3.1.1. Profissionais prestam Assistência sistematizada e global para realização de cirurgia.

3.1.1.1. Anestesiologista Cirurgião Assistente ou Auxiliar de cirurgia Circulante Enfermeiro Instrumentador.

3.1.2. Compete a equipe cirugica prestar assistência aos pacientes submetido a cirurgia visando sua reabilitação.

3.1.3. Cada membro da equipe cirúrgica são atribuídas funções específicas aonde cada um tem sua responsabilidade.

3.2. Competência e Atribuições da equipe de Enfermagem.

3.2.1. Gerência de Enfermagem Centro cirúrgico

3.2.2. Enfermeiro Assistencial S.R.P.A

3.2.2.1. Auxiliar de Enfermagem.

3.2.2.1.1. Técnica de Enfermagem

3.2.3. Enfermeiro Assistencial S.O

3.2.3.1. Circulante

3.2.3.1.1. Instrumentador

3.2.4. Enfermeiro Assistencial C.M.E

3.2.4.1. Auxiliar de Enfermagem

3.2.4.1.1. Técnico de Enfermagem

3.3. Estrutura Administrativa

3.3.1. Administração é exercida por um enfermeiro.

3.3.1.1. Todo unidade de centro cirúrgico tem que seu regimento e normas própria.

3.3.1.1.1. Facilita tomadas de decisões.

3.4. Organização do serviço de enfermagem em centro cirúrgico e baseada em :

3.4.1. Política e filosofia da instituição.

3.4.1.1. Código de ética dos profissionais de enfermagem .

3.4.1.1.1. Política Distrital Nacional de saúde.

4. Classificação do Tratamento Cirúrgico

4.1. Momento operatório

4.1.1. Emergência

4.1.2. Urgência

4.1.3. Eletiva

4.1.4. Paliativa

4.1.4.1. Plástica

4.2. Potencial de contaminação

4.2.1. Limpa

4.2.2. Potencialmente contaminada

4.2.3. Contaminada

4.2.4. Infectada

4.3. Finalidade da cirurgia

4.3.1. Curativa

4.3.2. Radical

4.3.3. Diagnóstica

5. Terminologia Cirúrgica

5.1. O primeiro elemento se refere ao órgão, aparelho ou parte do corpo em questão

5.2. O segundo elemento se refere a técnica utilizada ou procedimento executado ou a patologia

5.2.1. Ectomia

5.2.2. Pexia

5.2.3. Plastia

5.2.4. Rafia

5.2.5. Scopia

5.2.6. Stomia

5.2.7. Tomia

6. Assistência ao Cliente Cirúrgico

6.1. Processo de Enfermagem

6.1.1. Histórico (Entrevista e Exame Físico)

6.1.2. Exames Pré-Operatórios (Risco Cirúrgico)

6.1.2.1. Eletrocardiograma (Faixa etária acima de 50 anos)

6.1.2.2. Tipagem Sanguínea (Indicação de Transfusão)

6.1.3. Condições de Correção Pré-Operatória

6.2. Assistência de Enfermagem

6.2.1. Fase Pré-Operatória

6.2.1.1. Identificar o cliente e a cirurgia

6.2.1.2. Visitar o cliente na enfermaria

6.2.1.3. Verificar exames, preparo e medicações prescritas no prontuário

6.2.1.4. Orientar sobre as fases pré, trans e pós-operatória

6.2.1.5. Esclarecer dúvidas

6.2.1.6. Desenvolver plano de assistência

6.2.1.7. Checar reserva de sangue

6.2.1.8. Questionar alergias e patologias

6.2.1.9. Orientar familiares

6.2.1.10. Transportar o paciente para o CC

6.2.2. Inicia no momento da admissão do paciente

6.2.3. Deve ser acolhedora e receptiva

6.2.4. Objetivos

6.2.4.1. Proporcionar melhores condições físicas e emocionais

6.2.4.2. Minimizar a ansiedade

6.2.4.3. Diminuir risco cirúrgico e prevenir complicações pós-operatórias

6.2.4.4. Ensinar medidas de recuperação, aumentando a autoconfiança e facilitando a prática do autocuidado no pós-operatório

6.3. Período Pré-Operatório

6.3.1. Inicia no momento que é indicado a cirurgia e termina no momento que o paciente chega na Sala Operatória

6.3.2. Mediato

6.3.2.1. Período desde a indicação da cirurgia até 24h antes do ato cirúrgico

6.3.2.2. Cuidados Pré-Operatórios

6.3.2.2.1. Avaliação clínica do paciente

6.3.2.2.2. Avaliação nutricional

6.3.2.2.3. Avaliação laboratorial

6.3.2.2.4. Preparo psicológico

6.3.2.2.5. Preparo físico

6.3.2.2.6. Preparo fisiológico

6.3.2.2.7. Preparo espiritual

6.3.2.3. Ao enfermeiro compete

6.3.2.3.1. SAE

6.3.2.3.2. Informações e orientação quanto às características da cirurgia e ato cirúrgico

6.3.2.3.3. Medidas administrativas

6.3.3. Imediato

6.3.3.1. Período 24h antes da cirurgia até o ato cirúrgico

6.3.3.2. Cuidados Pré-Operatórios Imediatos

6.3.3.2.1. Preparo psicológico

6.3.3.2.2. Preparo físico

6.3.3.2.3. Preparo fisiológico

6.3.3.2.4. Outros procedimentos

6.3.3.2.5. Risco Cardíaco de Goldman

6.4. Objetivos Visita Pré-Operatória

6.4.1. Identificar riscos cirúrgicos

6.4.2. Prevenir complicações

6.4.3. Levar o paciente com melhores condições para a cirurgia

7. Admissão do Paciente no Centro Cirúrgico

7.1. Identificação do Cliente

7.1.1. Escrita

7.1.2. Verbal

7.2. Checar prontuário

7.2.1. Verificar presença do consentimento da cirurgia

7.2.2. Registro da história e exame físico

7.2.3. Resultados de exames laboratoriais

7.2.4. Registro de agentes alérgenos

7.3. Verificar se encontra-se adequadamente vestido para a cirurgia

7.3.1. Brincos

7.3.2. Pulseiras

7.3.3. Anéis

7.3.4. Próteses

7.4. Verificar prescrição e resultado referentes a

7.4.1. Enemas

7.4.2. Nutrição

7.4.3. Eliminação

7.5. Registrar medicação feita no pré-operatório imediato

7.6. A maca cirúrgica deve conter

7.6.1. Grades laterais

7.6.2. Faixas de contenção para evitar quedas e traumas durante o transporte/transferência/posicionamento do cliente

7.7. Tranquilizar o paciente, falando com calma e pausas, explicando todos os procedimentos de forma clara e oferecendo assistência espiritual quando requerido