Avaliação Psicológica de crianças e adolescentes

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Avaliação Psicológica de crianças e adolescentes por Mind Map: Avaliação Psicológica de crianças e adolescentes

1. Seleção e administração de técnicas e instrumentos

1.1. É fundamental que os instrumentos utilizados atendam aos critérios relativos à idade e à demanda

1.2. No começo, sugere-se começar com tarefas mais fáceis e divertidas. A medida que há uma maior interação entre o psicólogo e o examinando, tarefas mais desafiadoras podem ser inseridas no processo.

2. Processo técnico-científico de coleta de dados, estudos e interpretação de informações

2.1. Instrumentos e técnicas, como os testes psicológicos, configuram-se como ferramentas capazes de levantar informações.

2.2. A avaliação psicológica de crianças e adolescentes é uma prática requisitada, nos âmbitos clínico e educacional.

2.3. Dentre as principais solicitações, tem-se o mapeamento dos principais domínios (forças e fraquezas) cognitivos, comportamentais e emocionais; entre outros.

3. Requer preparações e cuidados

3.1. Certificar de que a criança/adolescente não esteja com sono, cansado, sede, fome ou necessite ir ao banheiro

3.2. Explicar com clareza sobre o processo avaliativo

3.3. Sentar na mesma altura que o examinando, utilizando um linguajar apropriado para a idade, apresentando as instruções lentamente, sem modificá-las

3.4. Utilização de materiais adequados para a idade

3.5. Atentar-se ao nível atencional e motivacional das crianças e dos adolescentes

3.6. Remover qualquer tipo de elemento que possa ser distrativo para o sujeito

4. Entrevista Clínica e Anamnese

4.1. Conjunto de técnicas de investigação, de tempo delimitado, dirigido por um entrevistado treinado, utilizando conhecimentos psicológicos em uma relação profissional.

4.2. Possibilita obter maiores informações sobre o histórico do cliente.

4.3. Visa um melhor planejamento da avaliação, seleção de instrumentos, análise dos resultados e futuras recomendações, encaminhamentos ou intervenções.

5. Análise e integração das informações

5.1. O foco é obter um panorama das competências e não somente das limitações.

5.2. Após a aplicação e correção dos instrumentos, é necessário interpretar os resultados.

5.3. É indispensável que a análise possua um olhar contextualizado, se estenderá para além daquele indivíduo

5.3.1. Sua dinâmica familiar, relações entre pares, aspecto socioeconômico e ambiente no qual está inserido

5.4. Realizar uma interpretação de cunho mais quantitativo

5.4.1. Análise dos dados padronizados e normativos dos testes (escores, percentis, médias)

5.5. Essencial interpretar os aspectos qualitativos (observação durante as sessões, estratégias usadas em cada tarefa, etc)

6. Avaliação cognitiva: técnicas e instrumentos

6.1. O teste psicológico pode ser utilizado na identificação dos domínios cognitivos preservados e comprometidos.

6.2. Na avaliação, o conjunto de habilidades necessárias na aquisição e manutenção do conhecimento, como a atenção, memória, linguagem, deve ser abrangida.

6.2.1. Devem apresentar fundamentação teórica adequada, evidências empíricas de validade e precisão das interpretações propostas, sistema de correção e interpretação dos escores.

6.3. Como avaliar a aprendizagem e memória?

6.3.1. - Contar histórias - Relembrar desenhos - Fazer cálculos mentais - Observações comportamentais

6.4. Como avaliar as habilidades visuoconstrutivas?

6.4.1. Ação em que a manipulação resulte em um produto final desejado, que se combina a resposta motora e o componente espacial

6.4.2. - Desenhos livres - Cobrir linhas pontilhadas - Reproduzir letras e palavras escritas - Quebra-cabeças

6.5. Como avaliar as funções executivas?

6.5.1. - Passatempos como ligue os pontos, jogo dos 7 erros, labirintos; - Classificação de cartas; - Tangran; - Interpretação de provérbios; - Sequência de movimentos e de cópia de formas geométricas.

6.6. Como avaliar os processos intelectuais?

6.6.1. Abrangem a capacidade de pensar racionalmente, resolver problemas, relacionar as novas informações com as já apreendidas

6.6.2. - Jogos de tabuleiro - Jogos de lógica - Provas Piagetianas - Atividades de leitura e interpretação

6.7. Como avaliar a linguagem?

6.7.1. - Escrever algumas palavras ou uma pequena redação, um ditado ou poesia Interpretar um provérbio; - Fazer rimas; - Ler e interpretar uma história ouvida ou lida silenciosamente e em voz alta, soletrar palavras; - Passatempos como palavras cruzadas e forcas; - Nomear objetos; - Repetição de palavras e sentenças; - Reconhecimento de símbolos e sons.

6.8. Como avaliar a atenção?

6.8.1. - Passatempos como Jogo dos 7 erros - Caça-palavras, - Labirintos; - Contar e recontar histórias; - Construção de lista de tarefas e de um mural de rotinas - Busca de objetos no consultório.

7. Entrevista devolutiva

7.1. Última etapa da avaliação. O laudo ou relatório psicológico é apresentado e discutido com os responsáveis.

7.2. Consiste no fechamento da avaliação e a abertura de orientações e encaminhamentos, se houver necessidade

8. Sessão livre e atividades lúdicas

8.1. Momento do Rapport para "quebrar o gelo"

8.2. Importante para analisar como a criança/adolescente se comporta