NEUROPLASTICIDADE

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
NEUROPLASTICIDADE por Mind Map: NEUROPLASTICIDADE

1. Descrita como a habilidade do sistema nervoso de moldar-se a nível funcional e estrutural, a partir de novas experiências (vividas ou aprendidas).

2. APRENDIZAGEM: É o processo por qual o indivíduo adquire conhecimentos, habilidades, valores, comportamento.

2.1. MOTORA: Habilidade de aperfeiçoamento dos movimentos com a finalidade de aprender a realizá-los corretamente.

2.2. COGNITIVA: Habilidade de percepção, compreensão, integração e resposta coerentes aos estímulos do ambiente.

3. TIPOS DE NEUROPLASTICIDADE:

3.1. DENDRÍTICA: As espinhas dendríticas sofrem modificações em número, disposição, comprimento e densidade.

3.2. AXÔNICA: É a plasticidade inicial, acontece entre 0 e 2 anos e é fundamental para o desenvolvimento do sistema nervoso.

3.3. SINÁPTICA: Composta pela capacidade de modificações nas sinapses, tornando-as mais fortes ou fracas dependendo dos estímulos internos e externos.

3.4. SOMÁTICA: É a aptidão para regular o aumento ou morte das células nervosas. Acontece somente no sistema central embrionário e não está sujeito a influências externas.

3.5. REGENERATIVA: Mais frequente no sistema nervoso periférico, é a capacidade de regeneração de axônios lesados.

4. PRINCIPAIS FORMAS DE OCORRÊNCIA:

4.1. I. BROTAMENTO: Após uma lesão, ocorre o alongamento dos axônios na direção dos neurônios que se encontravam afastados.

4.2. II. ATIVAÇÃO DE SINAPSES LATENTES: Após uma lesão, sinapses que estavam adormecidas são ativadas de modo que possam suprir as necessidades do indivíduo.

5. PLASTICIDADE SINÁPTICA: O termo faz referência às respostas adaptativas do Sistema Nervoso (SN) aos estímulos aprendidos. Uma vez que, o SN molda-se as sinapses que estarão sendo estimuladas haverá um fortalecimento destas. Em outras palavras, a plasticidade sináptica é o fortalecimento ou enfraquecimento das sinapses em resposta ao aumento ou diminuição de suas atividades.

5.1. TEORIA HEBBIANA: Introduzida por Donald Hebb, a teoria afirma que o aumento na eficiência sináptica, depende da estimulação repetitiva e persistente das células pós-sinápticas.

5.2. MEMÓRIA: A plasticidade sináptica, por meio do crescimento ou retração de dendritos, é tida como um mecanismo essencial para formação da memória. Isto é, através da plasticidade do SN e da repetição de certa atividade, constitui-se a memória.

6. 3 MECANISMOS DA NEUROPLASTICIDADE:

6.1. HABITUAÇÃO: Diminuição na resposta a um estímulo benigno repetido.

6.2. RECUPERAÇÃO CELULAR APÓS LESÃO: Acontece após lesões na parte do axônio.

6.3. APRENDIZADO MOTOR E MEMÓRIA: Encarregado por persistentes e duradouras alterações nas conexões sinápticas.

7. IMPORTÂNCIA DA NEUROPLASTICIDADE: Durante a infância a neuroplasticidade faz-se indispensável para a aprendizagem da criança, desenvolvendo desde atividades como caminhar ou falar a emoções e comportamento social. A plasticidade neuronal permite, além do aprendizado, a adaptação no cérebro, especialmente quando ocorrem lesões no SN. Por exemplo, um indivíduo perdeu a visão. O cérebro trabalhará de forma a desenvolver mais ainda os demais sentidos do corpo, como o tato, o olfato e a audição de forma a suprir, de certa maneira, a perda da visão.

7.1. “Encorajar a neuroplasticidade do cérebro é a chave para uma aprendizagem e inteligência emocional na fase adulta, o que o ajuda a permanecer mais aberto, intuitivo e capaz de superar preconceitos.”- Tara Swart, neurocientista