Lesões por Frio

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Lesões por Frio por Mind Map: Lesões por Frio

1. Prevenção

1.1. - Abrigo, roupas e nutrição adequados - Vestir roupas frouxas e em camadas - Manter as roupas secas e limpas - Não se expor ao frio quando estiver cansado - Não vestir roupas molhadas para trabalhar - Cobrir face, pescoço e extremidades

2. Lesões Leves

2.1. Lesão por Contato com Superfícies Congeladas

2.1.1. Pele desprotegida em superfícies como metal, gelo, neve, anticongelantes

2.2. Urticária

2.2.1. Rápida processo de coceira, vermelhidão e inchaço da pele, liberação local de histamina

2.2.2. Tratamento: evitar frio e em alguns casos, tomar anti-histamínicos

2.2.3. Profilaxia: evitar banhos frios devido ao risco de anafilaxia sistêmica

2.3. Queimadura Leve

2.3.1. Branqueamento e dormência reversíveis, comum em face, nariz e orelha

2.3.2. Tratamento: evitar exposição prolongada ao frio

2.4. Frieiras (eritema pérnio)

2.4.1. Exposição crônica ao frio -> coceira e sensibilidade, com bolhas vermelhas e roxas em superfície extensora dos dedos, face e orelha. Ocorrem com o reaquecimento com estravazam de sangue nos tecidos e inchaço

2.4.1.1. Leve: Desaparece entre 7 a 14 dias

2.4.1.2. Grave: surgem pústulas, crostas e ulcerações. Tratamento de feridas e reaquecimento

2.5. Ceratite Solar (cegueira da neve)

2.5.1. Ar seco e exposição ao reflexos brilhantes da luz solar na neve. Queimadura por ultravioleta de pele e olhos

2.5.2. Tratamento: colírio anestésico, tapa-olho, analgésicos e em alguns casos, antibióticos

3. Desidratação: causada por diurese induzida

3.1. Mecanismo fisiológico: - Vasoconstrição periférica - Aumento do volume sanguíneo central - Aumento da pressão arterial média - Diurese com redução de 7 a 15% do vol. sanguíneo

3.2. Tratamento: - Aquecimento - Reposição volêmica

4. Fisiopatologia

4.1. Mecanismos de Defesa: 1. Vasoconstrição periférica 2. Shunts de sangue da periferia para a parte central do corpo 3. Estimulação do Sist. Nervoso Autônomo 4. Tremores

4.2. Gravidade da Lesão Depende de: 1. Temperatura absoluta 2. Duração da exposição 3. Velocidade do vento 4. Condições ambientais 5. Condição geral de saúde do indivíduo

5. Sintomas Comportamentais Comuns

5.1. - Depressão do SNC - Confusão - Capacidade de memória e julgamento diminuídos - Fala empastada - Nível de consciência diminuído

6. Lesões Graves

6.1. Lesão Cutânea Localizada

6.1.1. Lesão Não Congelante

6.1.1.1. Danos em tecidos periféricos causados pela exposição prolongada ao ambiente úmido (Pé de imersão) ou frio (Pé de trincheira). Os pacientes mais comuns são pessoas em situação de rua, alcóolatras, idosos, andarilhos, caçadores, militares e náufragos. O resfriamento dos MMII são do tipo de macerações com desagregação da pele e as maiores lesão estão em nervos e vasos periféricos.

6.1.1.1.1. Tratamento: não permitir caminhada, remover sapatos e meia cuidadosamente, cubrir parte lesionada com gaze seca e esterilizada, proteger do frio, reaquecimento passivo e em alguns casos, para aliviar o desconforto, é indicado o uso de analgésicos opiáceos

6.1.1.2.  Gravidade Mínima: hiperemia ou ingurgitamento  Gravidade Leve: edema, hiperemia e leve alteração sensorial. É possível caminhar  Gravidade Moderada: edema, hiperemia, bolhas e manchas. Pode apresentar anestesia ao toque, não há perda de tecido profundo, porém alguns pacientes podem ter lesão permanente  Gravidade Grave: edema severo, extravasamento de sangue e gangrenas. Anestesia completa dos pés e perda de massa muscular, na maioria dos casos leva a amputação

6.1.2. Lesão Congelante

6.1.2.1. Congelamento de Primeiro Grau:

6.1.2.1.1. Lesão na epiderme com coloração branca ou amarelada, não há bolhas ou perda de tecidos. Tratamento: a pele descongela rapidamente e a cicatrização ocorre dentro de 7 a 10 dias

6.1.2.2. Congelamento de Segundo Grau

6.1.2.2.1. Lesão na epiderme e derme superficial, forma bolha superficial ou vesiculação com fluido claro ou leitoso com eritema e edema. Não há perda de tecido. Tratamento: a cura ocorre em 3 a 4 semanas, caso necessário antibiótico e antinflamatório

6.1.2.3. Congelamento de Terceiro Grau

6.1.2.3.1. Lesão em todas as camadas da epiderme e derme, apresenta pele rígida, inchada, com bolhas hemorrágicas, trauma vascular e edema. Tratamento: a perda da pele ocorre lentamente, podendo levar a mumificação e descamação e a cura é lenta

6.1.2.4. Congelamento de Quarto Grau

6.1.2.4.1. Lesão chega nos músculos e ossos, sinais precoces de necrose. Tratamento: amputação do tecido inviável

6.2. Hipotermia Acidental

6.2.1. Hipotermia Primária

6.2.1.1. Condições climáticas adversas e não preparo para exposição aguda ou crônica ao frio com queda involuntária na temperatura interna. Pode levar a morte

6.2.2. Hipotermia Secundária

6.2.2.1. Consequência normal de distúrbios sistêmicos de um doente com hipotireoidismo, hipoadrenalismo, trauma, carcinoma e sepse. Causada por um doença pré-existente

6.3. Hipotermia por Imersão

6.3.1. 1ª Fase:

6.3.1.1. Resposta ao choque por frio (reflexo cardiovascular). Começa com resfriamento rápido da pele, vasoconstrição periférica, reflexo de engasgamento, inabilidade de apneia, hiperventilação e taquicardia. Pode levar a morte súbita ou em alguns instantes devido à síncope, convulsões que levam ao afogamento, parada vagal e fibrilação ventricular

6.3.2. 2ª Fase:

6.3.2.1. Incapacitação causada pelo frio. Efeito danoso na motricidade fina e global das extremidades, causando rigidez de dedos, má coordenação, perda de força nos músculos

6.3.3. 3ª Fase:

6.3.3.1. Hipotermia, fadiga. Pode levar à submersão, aspiração de água e afogamento

6.3.4. 4ª Fase:

6.3.4.1. Desmaio, parada cardíaca, colapso pós resgate. Somente 20% se recuperam com vida.

7. Transporte da Vítima

7.1. - Remoção de todas as roupas molhadas - Estabilizar lesões e cobrir as feridas abertas - Começar infusão endovenosa - Iniciar aquecimento externo ativo - Envolver a vítima com material isolante disponível, como os cobertores

8. Avaliação Clínica das Vítimas

8.1. - Hipotermia Leve (32º a 35º C) - Hipotermia Moderada (30º a 32º C) - Hipotermia Grave (abaixo de 30ºC)