Disfunções Hemodinâmicas

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Disfunções Hemodinâmicas por Mind Map: Disfunções Hemodinâmicas

1. Hiperemia

1.1. Patológica

1.1.1. Reações Inflamatórias

1.2. Fisiológica

1.2.1. Demanda maior de trabalho = aumento de o2 e nutrientes

1.3. Congestão

1.3.1. Sistêmica

1.3.2. Insuficiência Cardíaca ou Embolia Pulmonar

1.3.3. Local

1.3.3.1. Obstrução ou Varizes

2. Hemorragia

2.1. Interna

2.1.1. Petéquias

2.1.2. Púrpura

2.1.3. Equimose

2.2. Externa

2.2.1. Rupturas de grandes vasos

2.2.1.1. Hemorragias maciças

3. Edema

3.1. Acúmulo de líquidos nos tecidos

3.1.1. Causas não inflamatórias

3.1.1.1. Depende da pressão hidrostática vascular e da pressão osmótica coloide, com presença de transudato

3.1.2. Causas inflamatórias

3.1.2.1. Aumento da permeabilidade vascular e presença de exsudato

4. Trombose

4.1. Formação de coágulos sanguíneos nos vasos, gerando obstrução: venosa, cardíaca ou arterial

4.1.1. Lesão endotelial

4.1.1.1. Causa trombose principalmente em artérias e coração

4.1.2. Hipercoagulabilidade

4.1.2.1. Qualquer alteração das vias de coagulação que predisponha as pessoas afetadas à trombose

4.1.2.1.1. Primaria

4.1.2.1.2. Secundária

4.1.3. Fluxo sanguíneo anormal

4.1.3.1. Causa lesão endotelial e estase. Podendo ocasionar: arterosclerose, aneurisma, anemia falciforme, Infarto agudo do miocárdio

5. Infarto

5.1. Área de necrose isquêmica causada por obstrução do suprimento vascular para o tecido afetado

5.1.1. Classificação

5.1.1.1. Quanto a cor

5.1.1.1.1. Anêmico (branco)

5.1.1.1.2. Hemorrágico (vermelho)

5.1.1.2. Presença de infecção

5.1.1.2.1. Sépticos

5.1.1.2.2. Assépticos

5.1.2. Causas/Fatores que influenciam

5.1.2.1. Anatomia do suprimento vascular

5.1.2.2. Velocidade da oclusão

5.1.2.3. Vulnerabilidade do tecido à hipóxia

5.1.2.4. Hipoxemia

6. Embolia

6.1. Paradoxal

6.1.1. O êmbolo se desloca no sentido contrário ao do fluxo sanguíneo

6.2. Cruzada

6.2.1. O êmbolo passa da circulação arterial para a venosa, ou vice-versa

6.3. Direta

6.3.1. O êmbolo se desloca no sentido do fluxo sanguíneo

6.4. Quando um elemento sólido, líquido ou gasoso é transportado pelo sangue para um local distante do seu ponto de origem

6.4.1. Êmbolos sólidos

6.4.1.1. Tromboembolismo

6.4.1.1.1. Sistêmico

6.4.1.1.2. Pulmonar

6.4.2. Êmbolos líquidos

6.4.2.1. Embolia amniótica

6.4.2.1.1. Entrada de líquido amniótico na circulação materna via lacerações nas membranas placentárias e/ou ruptura da veia uterina

6.4.2.2. Embolia gordurosa e medular

6.4.2.2.1. Esmagamento ósseo ou do tecido adiposo, inflamações agudas na medula óssea e tecido adiposo

6.4.3. Êmbolos gasosos

6.4.3.1. Embolia gasosa

6.4.3.1.1. Bolhas de gás na circulação podem coalescer e obstruir o fluxo vascular causando lesão isquêmica distal

7. Choque

7.1. Falência circulatória aguda que resulta na oferta insuficiente de oxigênio para os tecidos.

7.1.1. Fases

7.1.1.1. Não progressiva

7.1.1.1.1. Mecanismos compensatórios reflexos são ativados e a perfusão de órgãos vitais é mantida

7.1.1.2. Progressiva

7.1.1.2.1. Hipoperfusão tecidual e início do agravamento do desequilíbrio circulatório e metabólico

7.1.1.3. Irreversível

7.1.1.3.1. Se estabelece após o organismo ter sofrido lesão celular e tecidual intensa, resultando em morte

7.1.2. Tipos de choque

7.1.2.1. Cardiogênico

7.1.2.1.1. Resulta de um débito cardíaco baixo devido à falência da bomba miocárdica

7.1.2.2. Hipovolêmico

7.1.2.2.1. Resulta de um débito cardíaco baixo devido à perda de volume sanguíneo, podendo ser hemorrágico e não hemorrágico

7.1.2.3. Distributivo

7.1.2.3.1. Vasodilatação periférica global que pode ocasionar 1 dos 3 tipos de choque distributivo, dependendo da causa da vasodilatação

7.1.2.4. Obstrutivo

7.1.2.4.1. Obstrução mecânica ao fluxo sanguíneo, ocasionando na redução do débito cardíaco e da perfusão