CASO BRUMADINHO

TRABALHO DE DIREITO CIVIL III.

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
CASO BRUMADINHO por Mind Map: CASO BRUMADINHO

1. Dano moral e material

1.1. Moral: concordo que houve o dano moral, no caso em epigrafe, é presumido. É incontestável o abalo moral sofrido por uma mãe que teve o seu filho e seus netos mortos, assim como, outros parentes das vitimas em razão da tragédia de que ora se trata, causada pela ré.

1.2. Material: Acerca dos danos materiais, pode-se extrair do art. 186, do Código Civil: “Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito”.

2. VALE S.A RÉU

2.1. Responsabilidade Civil

2.1.1. Subjetiva

2.1.1.1. É aquela que é apurada mediante a demonstração de culpa do agente causador do dano. Não incide quando o agente não pretendeu, nem podia prever. Como ônus de quem alega, a culpa do agente deve ser provada pela vítima.

2.1.2. Objetiva

2.1.2.1. A responsabilidade civil objetiva, por sua vez, é aquele que não depende da demonstração de culpa. Ela até pode estar lá. Mas o dever de indenizar não depende da sua existência.

3. excludentes da responsabilidade objetiva: não há, pois o réu tem total entendimento e ciência dos fatos.

3.1. Nexo de casualidade: entendo que foi por omissão, pois não houve os devidos cuidados básicos sobre o risco de rompimento da barragem, tais como, a devida inspeção corretamente e o controle da barragem. Não houve a precaução de evacuar os moradores da região com o primeiro alerta de rompimento.

4. Autores

4.1. DANIEL

4.1.1. RENATO

4.1.1.1. LILIAN

4.1.1.1.1. FERNANDA

5. PROCEDIMENTO COMUM CIVIL: 5000777-20.2019.8.13.0090

6. JULGOU O CASO PARCIALMENTE PROCEDENTE. CONDENANDO O RÉU AO PAGAMENTO DE R$ 8.125.000,00 AOS AUTORES DA AÇÃO. DENTRE ESSES VALORES À AUTORA LILIAN FICOU COM A QUANTIA DE R$ 5.375.000,00.