O BRINCAR E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O BRINCAR E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA por Mind Map: O BRINCAR E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA

1. No que diz respeito aos estudos de Vygotsky, Rau (2007, p. 75) destaca que para o estudioso, “o jogo é considerado um estimulo à criança no desenvolvimento de processos internos de construção do conhecimento e no âmbito das relações com os outros”.

2. Entende-se por desenvolvimento (da criança) o conjunto de mudanças que progridem ao logo do tempo podendo ser de caráter quantitativo como as evoluções físicas, o aumento do vocabulário da linguagem; ou qualitativos como as evoluções de compreensão moral ou social (BERNS, 2002)

3. No processo de desenvolvimento é importante respeitar as fases em que a criança se encontra. Fases divididas em estágios de desenvolvimento propostos por Piaget. Jean Piaget, elencou 4 fases do desenvolvimento infantil: sensório motor, pré-operatório, operacional concreto e operacional formal.

4. Para Piaget, o desenvolvimento mental pode ser enriquecido por certos estímulos e com um ambiente adequado para crianças. Assim, o crescimento delas é beneficiado em diversos aspectos, fisicamente, socialmente e até emocionalmente.

5. Valle (2011) cita que Piaget (1978) e Vygotsky (1991) trazem as atividades lúdicas como sendo experiências culturais, as quais possibilitam uma maior compreensão do mundo na visão das crianças.

6. De acordo com Valle (2011), Rau (2007) e Sanchéz et al. (2003) Vygotsky considera o jogo e as brincadeiras de grande importância. Pois os elas fazem com que as crianças no auge da brincadeira tenham um aprendizado, os quais possibilitam as crianças a criarem novas relações no mundo real e ou no imaginário.

7. Valle (2011, p. 24) destaca que Piaget menciona que “ao brincar a criança faz uma simulação do mundo de acordo com suas ideias, sem ter compromisso com a realidade”.

8. De acordo com os autores Valle (2011) e Rau (2007) os estudos de Piaget voltados ao jogo e ao ato de brincar, apontam para compreensões de todo um processo no que diz respeito ao desenvolvimento infantil através do aprendizado lúdico.

9. O jogo e a brincadeira para Piaget são excelentes formas de conhecer o mundo e entrar em contato com elementos de sua cultura, os quais segundo Valle (2011) residem no fato de que ele favorece o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo, social e moral da criança.

10. Do ponto de vista do desenvolvimento, os jogos e brincadeiras trazem vantagens sociais, cognitivas e afetivas. É a partir dessa realidade, que a criança compreende o mundo e as ações humanas nas quais se inserem cotidianamente. Ou seja, o brincar é de extrema importância para o desenvolvimento e a aprendizagem da criança, bem como se faz indispensável no seu relacionamento cotidiano. Além da interação, a brincadeira desenvolve diversas potencialidades intrínsecas ao ser humano. Por meio desta, é possível propiciar momentos que visam a percepção, criatividade, atenção, concentração, linguagem, entre outras habilidades fundamentais ao desenvolvimento desta criança (SCHULTZ, 2018).

11. O brincar como processo de desenvolvimento no parecer de Vygotsky, trabalha com o imaginário da criança, levando-as ao pensamento abstrato entre jogos significados e objetos ações (RAU, 2007).

12. “Brincar é a mais alta fase do desenvolvimento infantil – do desenvolvimento humano neste período. É a representação auto ativa do interno representação do interno da interna necessidade e impulso” (FROEBEL, 1896, p.54). Ao dizer que o brincar é a fase mais significativa do desenvolvimento da criança, Froebel aproxima-se de Vygotsky (1988).

13. Para Vygotsky, a zona de desenvolvimento proximal pode ser formada pelas brincadeiras. Onde para Valle (2011) as pesquisas de Vygotsky mostram que o brincar auxilia a criança a amadurecer, ainda acredita que toda e qualquer brincadeira é definida pela situação imaginaria da criança, e por isso altera de acordo com sua idade e ou através do seu processo de amadurecimento.

14. Piaget entende que o ato de brincar ou o próprio brinquedo em si, elabora forma a criança e aos seus conhecimentos, ou seja, para o estudioso ao brincar a criança utiliza estruturas cognitivas (VALLE, 2011).