RESPIRAÇÃO

RESPIRAÇÃO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
RESPIRAÇÃO por Mind Map: RESPIRAÇÃO

1. No sistema concorrente, o meio e o sangue irão fluir na mesma direção, criando uma dif. de concentração, fazendo com que o O2 do meio passasse para o sangue, até atingir o equilíbrio.

2. O O² é importante porque a maioria dos animais consegue a energia necessária através da oxidação dos alimentos.

3. Fatores físicos que interferem nas trocas gasosas respiratórias:

3.1. Principais componentes do ar seco atmosférico: O², CO2, N

3.2. Difusão (gradiente de concentração. é a força motriz na movimentação dos gases)

3.3. Pressão atmosférica (pressão que os gases exercem sobre a superfície; como a força da gravidade sobre a massa de ar)

3.4. Temperatura (quanto ↑ a temperatura, maior a quantidade de H2O no ar, fazendo com que seja maior a pressão do vapor d'água no ar, aumentando a P.A.)

3.5. Quanto ↑ a altitude, menor é a P.A. e a P.O2.

3.6. Solubilidade (é influenciada pelo tipo de gás; quanto ↑ a temperatura, ↓ a solubilidade do gás, fazendo com que sejam liberados (como em forma de bolhas); gazes se dissolvem melhor em ↓ temperaturas, e os sólidos em ↑; a presença de sais ↓ diminui a solub. dos gazes na água

4. Animais aquáticos captam oxigênio diretamente da água, e os terrestres captam da água (seja através da pele ou órgão respiratório especializados)

5. O O2 possui menor densidade e viscosidade no ar do que na água, assim como maior concentração e maior difusão, sendo necessário um maior gasto energético por parte dos animais aquáticos.

6. A respiração unidirecional é uma adaptação para diminuir o gasto energético ao respirar na água.

7. Os gases só atravessam os membranas respiratórias quando dissolvidos em água, devendo estas estarem sempre úmidas.

8. A difusão de O2 nos tecidos é mais lenta do que no meio líquido (sangue), portanto, a P.O2 deve ser maior para que todas as células sejam atingida.

9. Para um animal suprir suas capacidades respiratórias apenas com a difusão, ele precisa ser pequeno, ou com taxa metabólica muito pequeno, com uma àrea de superf. maior que o volume (um animal achatado, por ex.)

10. Adaptações Respiratórias que maximizam as trocas gasosas (que facilitam a passagem da água nas brânquias)

10.1. Brânquias (como as brânquias ciliadas dos gastrópodes; ou o bombeamento feito pelos peixes e elemiosbrânquios)

10.2. Pulmões (encontrado, principalmente, em animais que respiram pelo ar)

10.3. Traqueias (rede de túbulos presentes nos insetos)

10.4. Respiração cultânea e através de bomba bucal de pressão

11. A maioria dos animais aquáticos possuem ventilação unidirecional, ao contrários dos terrestres que usam o bidirecional

12. Outra adaptação é a realização da ventilação forçada, como faz o atum, que abre e fecha a boca, aumentando ↑ e diminuindo ↓ a força de arrasto de acordo com sua necessidade

13. No fluxo contracorrente, o O2 entra em contato com diversas partes do corpo, maximizando o ganho de água (é o que acontece com os peixes)

14. Ventilação pulmonar

14.1. Bomba de pressão (ocorre nos anfíbios: eles inflam a boca e pressionam o ar para dentro dos pulmões)

14.2. Bomba de sucção (o ar é inalado através da contração de músculos, expandido a cavidade torácica, gerando uma pressão negativa na cavidade e forçando o ar para os pulmões)

15. Anfíbios

15.1. Podem viver em ambiente aquático e terrestre

15.2. O CO2 é liberado pela pele

16. Répteis

16.1. Possuem dois pulmões (exceto as cobras)

16.2. Pulmões unicamerais (saco em forma de favo de mel) e Pulmões multicamerais (encontrado em espécies mais ativas, como crocodilos e tartarugas; são encontrados brônquios que ajudam na respiração)

16.3. Realizam a bomba de sucção (foi uma inovação evolutiva, porque separou os músculos da alimentação e da respiração)

16.4. As serpentes marinhas fazem suas trocas gasosas através da pele.

17. Mamíferos

17.1. A respiração cutânea em mamíferos já foi observada em morcegos

17.2. Pulmão com brônquios que se ramificam em alvéolos pulmonares, onde o ar flui de dentro para fora

18. Aves

18.1. Possuem pulmões pequenos e compactos, conectados aos sacos aéreos, que se ramificam no interior dos órgãos, das extremidades do corpo e do crânio, sendo uma importante adaptação para o voo. Os sacos aéreos permitem o fluxo unidirecional que aumenta a capitação de O2 das aves.

18.2. O volume pulmonar das aves é bem menor que o dos mamíferos, mas estes são supridos pela presença dos sacos aéreos, que permite uma respiração mais eficaz.

18.3. Os brônquios das aves se ramificam em tubos chamados de parabrônquios, que possui um fluxo unidirecional do ar pelo pulmão.

18.4. Os sacos aéreos se localizam externamente aos pulmões e ocupam grande parte da cavidade torácica; eles não realizam troca de gasosa, funcionam como fole: mantendo o fluxo de ar contínuo e unidirecional.

19. No fluxo de ar corrente cruzada: permite que o sangue oxigenado que sai dos pulmões tenha uma tensão de oxigênio maior do que do ar exalado.

20. No controle da respiração, participam alguns grupos de neurônios localizados no bulbo que regulam o processo de inspiração e expiração, além de quimiorreceptores periféricos (corpo carótido e parte do corpo aórtico), muito sensíveis á diminuição de CO2.

21. O CO2 é bem mais solúvel em água que o O2, então a falta de oxigênio é o que estimula a respiração nos animais aquáticos. Quando a concentração de O2 está baixo, a ventilação aumenta.

22. No ar, o O2 está em alta concentração no ar, fazendo com que os animais diminuam sua ventilação e sua liberação de CO2.