Res = Coisa

Find the right structure and content for your course and set up a syllabus

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
Res = Coisa por Mind Map: Res = Coisa

1. Res Corporales: coisas materiais, que podiam ser tocadas.

1.1. Res Mancipi: coisa que se transferia por processo de mancipação.

1.1.1. (modo solene de transmitir a propriedade)

1.2. Res Nec Mancipi: coisa que se transferia por simples entrega ou tradição.

2. Toda entidade relevante para o Direito

2.1. suscetível de tornar-se objeto de relação jurídica

2.2. podia ser representado por uma soma de dinheiro.

2.3. satisfação das necessidades humanas

3. Res in patrimonium: integrava o patrimônio de um particular.

3.1. Res immobiles: coisas insuscetíveis de movimento

3.2. Res mobiles: coisas suscetíveis de movimento próprio.

3.2.1. ...ou por remoção.

3.3. Res divisibiles: coisas que fracionadas, não se desnaturavam.

3.4. Res indivisibiles: não podiam ser divididas sem destruição.

3.5. Res fungibiles: coisas que podiam ser substituídas por outras da mesma categoria.

3.5.1. (espécie, qualidade e quantidade)

3.6. Res infungibiles: coisas que não podiam ser substituídas por outras.

3.6.1. (da mesma espécie, qualidade e quantidade)

4. Res extra patrimonium: por ser sagrada ou pertencente ao Estado, não podia ser objeto de relação patrimonial.

4.1. Res Humani

4.1.1. Res communes: era a coisa que, no conjunto, era insuscetível de apropriação individual, mas que por todos podem ser usadas, conforme o destino dela.

4.1.1.1. Res universitatis:coisa que pertencia às cidades.

4.1.1.1.1. Res publicae: praças, vias públicas....

4.2. Res Divini Juris

4.2.1. Res sacrae: era a coisas consagrada aos deuses superiores por cerimônias especiais.

4.2.1.1. Res religiosae:coisa consagrada aos deuses.

4.2.1.1.1. Res sanctae:coisa que sem ser consagrada aos deuses, tinha caráter religioso.

5. * Não eram res certas entidades imateriais, obras do espírito humano.

6. Res incorporales: coisas imateriais, que escapavam aos nossos sentidos, que não se tocavam...