Desenvolvimento embrionário dos animais.

Segue mapa mental desenvolvimento embrionário Laura Nassyrios

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Desenvolvimento embrionário dos animais. por Mind Map: Desenvolvimento embrionário dos animais.

1. Células tronco são células com capacidade de auto-replicação / proliferação, ou seja, de se dividir e capacidade de diferenciação, dando origem a outros tipos celulares com funções especializadas . Existem diferentes tipos de células tronco, dentre elas temos: as células tronco embrionárias, fetais, IPs (Induced Pluripotent Stem Cells) ou células tronco adultas, esta classificação é dependente do tipo celular e de sua origem. As células tronco também podem ser classificadas de acordo com sua potencialidade, como as células totipotentes, que geram todos os tipos celulares; as pluripotentes de fonte embrionárias retiradas da parte interna do blastocisto, estas podem originar todas as células que formam um embrião; e células multipotentes são células com menor capacidade de diferenciação, ou seja, o número de células especializadas que podem ser geradas é limitado.

2. Células tronco e embriões.

2.1. Se a mãe possui até 35 anos podem ser implantados no máximo dois embriões. Em mulheres entre 35 e 40 anos o número sobe para 3 e após essa idade o limite é de 4 embriões. Existem também diversos outros fatores a serem considerados que independem da idade materna e influenciam diretamente nas chances de gravidez.

3. Durante a organogênese, ocorrem divisões e especializações celulares. Os três processos embrionários dão origem a órgãos e estruturas do corpo do embrião, além dos anexos embrionários.

4. Durante a gastrulação células migram para o interior do embrião, formando as três camadas germinais: a endoderme (a camada mais profunda), a mesoderme (camada do meio), e o ectoderme (camada superficial), a partir do qual todos os tecidos e órgãos irão surgir.

5. É a camada das células que se localiza mais no exterior. Ela é a responsável pela formação da epiderme e anexos epidérmicos (unha, pelo) do sistema nervoso e das cavidades (boca, nariz, ânus).

6. Ectoderma

7. Endoderma

8. Localizada mais no interior das células, é a endoderme que forma o sistema respiratório e alguns órgãos do sistema digestório - o fígado e o pâncreas.

9. A mesoderme origina a derme, os ossos e os músculos, bem como os sistemas circulatório e reprodutor.

10. É o folheto intermediário, ou seja, aquele que se localiza entre a ectoderma e a endoderma.

11. Mesoderma

12. Neste momento, a qualidade dos embriões já é avaliada avaliada. É provável que nem todos os embriões tenham se desenvolvido da mesma forma, e o médico e o casal são orientados sobre o desenvolvimento embrionário até está etapa. As divisões aumentam, assim, aumenta também o número de células que vão se compactando. Este processo de compactação celular é fundamental para que as células comecem a gerar conexões que permitem a evolução para o seguinte passo do desenvolvimento embrionário.

12.1. Apesar de algumas transferências serem realizadas no terceiro dia do desenvolvimento embrionário, cada vez mais existe uma tendência em se realizar um cultivo estendido dos embriões até a fase de blastocisto para então fazer a transferência entre 5º e 6º dia de desenvolvimento.

12.2. Ocorre também uma distribuição em dois grupos celulares. Um grupo de células se distribui pelo contorno periférico formando uma esfera denominada trofoectoderma e outro grupo forma uma massa compacta unida ao trofoectoderma denominada Massa Celular Interna, que será o futuro bebê.

13. Com o desenvolvimento correto, entre o dia 5 e 6, o embrião alcança o estado de blastocisto.

14. implantação, ou seja, graças às enzimas segregadas pelo trofoectoderma, o endométrio fica mais receptivo e o embrião se adere às paredes do útero.

15. O Blastocisto é a forma mais desenvolvida de embrião, e é nesta fase que o embrião se implanta também nas gestações espontâneas.

16. Inicia-se então a produção do hormônio HCG, que permite a manutenção dos níveis de progesterona. Quando os níveis de HCG começam a subir, é possível a detecção da gravidez.

17. Desenvolvimento embrionário após as duas primeiras semanas. A partir deste momento, o saco amniótico começa sua formação e o embrião, implantado no endométrio, cresce um pouco a cada dia.

18. A partir da forma de mórula no dia 4, as células começam a conectar-se, permitindo a continuação da divisão celular a aproximadamente 100 células.

19. Tipos de Ovos

20. Apesar de toda a diversidade de animais que nosso planeta possui, temos somente quatro tipos de ovos e eles são classificados pela quantidade de vitelo presente em cada ovo:

21. Oligolécitos: são ovos com pouco vitelo. Ex: Nós, os mamíferos placentários.

22. Heterolécitos: são ovos que contem uma quantidade mediana de vitelo. Ex: sapos, rãs, etc.

23. Telolécitos: são aqueles que possuem muito vitelo. Ex: Aves e répteis.

24. Centrolécitos: ovos que possui o vitelo circundando o núcleo. Ex: artrópodes.

25. Segmentações de Ovos Os ovos com pouco ou médio vitelo tem sua segmentação total, enquanto os outros possuem segmentação parcial. Oligolécito: segmentação total igual (tenho células ou blastômeros de mesmo tamanho); Heterolécito: segmentação total desigual (blastômeros de tamanho diferentes); Telolécito: segmentação parcial discoidal; Centrolécito: segmentação parcial superficial.

26. O tipo de segmentação que o zigoto sofrerá está relacionado à quantidade de vitelo acumulada no óvulo. Quanto maior a quantidade de vitelo no óvulo, mais lenta será a segmentação do zigoto.

27. Os tipos de segmentação embrionária são: segmentação holoblástica ou total, e segmentação meroblástica ou parcial.

28. Segmentação holoblástica ou total é otipo de segmentação que ocorre no ovo todo e é comum nos ovos alécitos, oligolécitos e heterolécitos. A segmentação holoblástica é dividida em holoblástica igual, holoblástica desigual e holoblástica subigual.

29. Segmentação holoblástica igual: esse tipo de segmentação ocorre em ovos alécitos e em alguns ovos oligolécitos. Caracteriza-se pela formação de oito blastômeros iguais na terceira clivagem.

30. Segmentação holoblástica desigual: tipo de segmentação que ocorre em todos os ovos heterolécitos e em alguns ovos oligolécitos. Caracteriza-se pela formação de oito blastômeros de tamanhos diferentes na terceira clivagem. Os blastômeros maiores são denominados macrômeros; e os menores, micrômeros.

31. Segmentação holoblástica subigual: tipo de segmentação que ocorre em ovos isolécitos, e se caracteriza por formar oito blastômeros que não diferem muito entre si no tamanho.

32. Em razão da diferença na distribuição do vitelo, a segmentação meroblástica parcial se divide em discoidal e superficial.

33. Segmentação meroblástica discoidal: as clivagens se dão apenas na região da célula que não tem vitelo, chamada de cicatrícula. Esse tipo de clivagem ocorre nos ovos telolécitos.

34. Segmentação meroblástica superficial: ocorre nos ovos centrolécitos. Nesse tipo de segmentação, as células embrionárias se encontram na superfície do ovo.

35. A partir da união entre óvulo e espermatozoide se inicia a formação genética do embrião. É formado um novo núcleo celular composto por 46 cromossomos. Durante o processo nasce o zigoto, que mede aproximadamente 0,15 milímetros. Começa a divisão celular do zigoto. Inicialmente em duas células, depois cada célula se divide outra vez em duas chegando a 4 células. Continuam as divisões celulares, chegando a 8 células.

36. Divisão Celular

37. Tipos de segmentação

38. Folhetos Embrionários.

39. Protostomados e deuterostomados

40. O blastóporo pode dar origem à boca ou ao ânus. Quando dá origem apenas à boca ou tanto à boca quanto ao ânus, os animais são chamados de protostômios (proto = primeiro). É o caso dos vermes, dos moluscos e dos artrópodes.

41. Quando o blastóporo dá origem ao ânus os animais são chamados de deuterostômios (deutero = posterior). É o caso dos equinodermos e dos cordados.

42. Neurulação

42.1. Neurulação é a formação do tubo neural a partir do ectoderma do embrião. Daqui resulta a gastrulação em todos os vertebrados.

43. Anexos embrionários

43.1. Os Anexos Embrionários (alantoide, âmnio, cório e vesícula vitelina) são estruturas que se formam a partir dos folhetos embrionários ectoderma, endoderma e mesoderma. Eles surgem durante a gestação, mas não fazem parte do embrião. Por esse motivo também são chamados de estruturas extra embrionárias e desaparecem com o nascimento.

43.2. Imagem explicativa