O que é política ?

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O que é política ? por Mind Map: O que é política ?

1. 1. As pessoas se referem à política como a ação do Estado e da organização institucional. Também se refere ao termo para expressar a multiplicidade de situações em que a política se manifesta: política econômica, política sindical, política ecológica, política das igrejas.

2. 2. Nesse sentido, entende-se política como a atuação de instituições ou de segmentos da sociedade civil com a finalidade de alcançar determinados objetivos. Trata-se, pois, de uma política reduzida aos espaços institucionais, dos quais indivíduos participem apenas ocasionalmente.

2.1. A política não diz respeito apenas aos políticos, mas a todos os cidadãos.

3. 3. No decorrer da história a definição de política mudou muito, assumindo diferentes sentidos. A política apresenta hoje a arte de governar, de atuar na vida pública e gerir os assuntos de interesses comuns. Não se restringe à atividade desenvolvida no âmbito do Estado, mas faz parte da nossa vida, ensina todas as formas de relacionamento social: no trabalho, na escola, nas ruas, no lazer e até nas relações afetivas. Política consiste no conjunto das relações de poder vividas na sociedade.​

4. 4. Na política, existem muitas teorias, uma delas é a teoria do direito divino dos reis. Esse direito foi uma doutrina filosófico-jurídica que vigorou entre os séculos XVI e XVII, tendo como principal formulador Jean Bodin. Com muitas guerras civis exigindo novos modelos políticos o Estado Absolutista, apresentou-se como a instância política mais apta a remediar as convulsões de violência da Europa naquela época.

4.1. Nesse contexto, alguns intelectuais tornaram-se célebres ao revelarem-se como os teóricos do Estado Absolutista. Entre esses intelectuais, estava Jean Bodin, o principal articulador da ideia do direito divino dos reis.

5. 5. O pensamento político de Maquiavel precisa ser analisado dentro do contexto do final da Idade Média e o início do Renascimento cultural e científico, onde o antropocentrismo estava sendo retomado com a ideia de ter o homem no centro de todas as coisas. Essa visão permitiu o nascimento de uma nova ideia política, onde a liberdade republicana surgiria contra o poder político teológico de papas e imperadores.

6. 6. Esse contexto abriu portas para o humanismo cívico (faculdade dos homens de agirem em conjunto pelo bem da cidade), levantando um diálogo político entre a burguesia e a realeza. Houve assim um questionamento do poder absoluto dos reis e desejava-se que um príncipe trouxesse estabilidade e defesa de sua cidade contra-ataques vizinhos. Esse príncipe deveria ser nacionalista e não mercenário. Maquiavel então conduz a sua obra (O Príncipe), um relato da experiência real do seu tempo, analisando o exercício do poder desse governante.

7. 7. A diferença entre Maquiavel e os demais cientistas naturais está no constrangimento imposto por suas ideias. Sua originalidade destaca-se pela forma como lidou com a moral na política, trazendo um olhar independente dos conceitos defendidos pela igreja. Dessa forma, Maquiavel entende que o bom governante, quando forçado pela necessidade, deve saber usar a violência pensando no bem coletivo, enquanto que o tirano age puramente por capricho ou interesse próprio. E é aqui que aparece o conceito de “virtude” em Maquiavel. Maquiavel chega mesmo a dizer que o soberano pode se encontrar em condições de ter que aplicar métodos cruéis e desumanos, estando diante de males extremos.

7.1. Para Maquiavel o homem tende a ser mal e isso justificaria suas considerações. Por isso, diante da impossibilidade, devido à natureza facilmente corruptível do homem, de unir o amor e o temor, é muito mais seguro para o homem de Estado ser temido que amado, diz Maquiavel.