ūü߆ūüďö NEUROPSICOLOGIA

Come√ßar. √Č Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
ūü߆ūüďö NEUROPSICOLOGIA por Mind Map: ūü߆ūüďö NEUROPSICOLOGIA

1. Origem das Neurociências

1.1. 1. A visão do Encéfalo na Grécia Antiga

1.1.1. Segundo Hipócrates (460-379 a. C.), o encéfalo é a sede da inteligência. Segundo Aristóteles (384-322 a. C.), o encéfalo era um radiador, cuja finalidade é resfriar o sangue.

1.2. 2. A visão do Encéfalo Durante o Império Romano

1.2.1. Galeno e Hip√≥crates apontam que o c√©rebro recebe sensa√ß√Ķes, enquanto o cerebelo comanda os m√ļsculos.

1.3. 3. A visão do Encéfalo da Renascença ao Século XIX

1.3.1. Teoria da mec√Ęnica de flu√≠dos por Ren√© Descartes. Segundo ele, a mente era uma entidade espiritual que recebia sensa√ß√Ķes e comandava os movimentos atrav√©s da gl√Ęndula pineal.

1.4. 4. A visão do Sistema Nervoso no Século XIX

1.4.1. Les√£o no enc√©falo pode causar desorganiza√ß√£o das sensa√ß√Ķes, movimentos e pensamentos, podendo levar a morte.

1.4.2. O encéfalo se comunica com o corpo através dos nervos.

1.4.3. O enc√©falo apresenta diferentes partes identific√°veis e que provavelmente executam diferentes fun√ß√Ķes.

1.4.4. O encéfalo opera como uma máquina e segue leis da natureza.

2. Neurociências Hoje

2.1. 1. Neurociências Moleculares

2.1.1. O encéfalo é considerado a mais complexa porção de matéria no universo.

2.1.2. 2. Sistema Nervoso Perif√©fico (SNP) "Servi√ßo postal do SNC" - Nervos condutores de informa√ß√£o - Envolve todas as estruturas que n√£o comp√Ķem o SNC

2.1.2.1. Sistema Nervoso Som√°tico (SNS)

2.1.2.1.1. EXTERNO - SNC - Imput: C√©lulas reprodutoras e sensoriais - Output: C√©lulas efetoras ligadas aos m√ļsculos, articula√ß√Ķes e esqueleto.

2.1.2.2. Sistema Nervoso Aut√īnomo (SNA) INTERNO - SNC - M√ļsculos involunt√°rios (gl√Ęndulas e org√£os internos) - Funciona de forma aut√īnoma - Influenciado tamb√©m pelo sistema end√≥crino e eventos ambientais

2.1.2.2.1. SNA. Simp√°tico (Ativo e Reativo)

2.1.2.2.2. SNA. Parassimp√°tico (Relaxador e constante)

2.1.2.3. Sistema Nervoso Aut√īnomo

2.1.3. Mensageiros que permitem aos neur√īnios comunizarem-se uns aos outros.

2.1.4. Sentinelas que controlam quais materiais podem entrar ou sair dos neur√īnios.

2.1.5. Guias que direcionam o crescimento neuronal.

2.1.6. Arquivistas de experiências passadas.

2.2. 2. Neurociências Celulares

2.2.1. Constela√ß√Ķes de Neur√īnios formam circuitos complexos que realizam uma fun√ß√£o em comum, como a vis√£o ou o movimento volunt√°rio.

2.2.2. Estudo de como todas as mol√©culas trabalham em conjunto para conferir aos neur√īnios suas propriedades especiais.

2.3. 3. Neurociências de Sistemas

2.4. 4. Neurociências Comportamentais

2.4.1. Atividade do Sistema Neural

2.4.2. Regulação de Humor

2.5. 5. Neurociências Cognitivas

2.5.1. Consciência

2.5.2. Imaginação

2.5.3. Linguagem

3. Períodos Históricos

3.1. 1. Pré-História

3.1.1. Surgimento do sistema nervoso h√° aproximadamente. 30 ou 35 mil anos nos homens modernos ou conhecidos como Homo sapiens sapiens.

3.2. 2. Antiguidade

3.2.1. Primeira vez que o termo "enc√©falo" √© encontrado na refer√™ncia de um tratamento cl√≠nico e cir√ļrgico. Al√©m de citar tamb√©m as meninges, o l√≠quor e a medula espinhal.

3.3. 3. Idade Média e Renascimento

3.3.1. Medicina de Cl√°udio Galeno (130-203), mantendo-se incontestada durante mais de mil anos, o qual investiga as consequ√™ncias de les√Ķes na medula e no c√©rebro a partir de disseca√ß√Ķes em animais.

3.4. 4. Séculos XVII e XVIII

3.4.1. Interpreta√ß√Ķes sobre Corpo x Alma - Descartes (1596-1650) admitia que a alma era uma entidade livre, n√£o substantiva, imaterial, indivis√≠vel e o corpo uma parte mec√Ęnica, material, divis√≠vel.

3.5. 5. Século XIX

3.5.1. Nascimento da Biologia com a Teoria da Seleção Natural de Charles Darwin (1809-1882).

3.6. 6. Séculos XX - XX

3.6.1. Início da Neuropsicologia Moderna com Donald Olding Hebb (1985), Karl Spencer Lashley (1958) e Aleksandr Luria (1977).

3.6.2. Em 1949, Hebb prop√īs uma teoria de funcionamento do c√≥rtex cerebral a partir de conex√Ķes neuronais modific√°veis. Conhecida como teoria para a mem√≥ria com base na plasticidade sin√°ptica.

4. Sistema Nervoso

4.1. 1. Sistema Nervoso Central (SNC) - Central de processamento de dados - Coordenação biológica do comportamento, da cognição e da expressão subjetiva - Os nervos do SNP conectam efetores e receptores ao SNC (cérebro).

4.1.1. Encéfalo

4.1.1.1. Cérebro

4.1.1.1.1. Telencéfalo

4.1.1.1.2. Diencéfalo

4.1.1.2. Cerebelo

4.1.1.3. Tronco Encef√°lico

4.1.1.3.1. Mesencéfalo

4.1.1.3.2. Ponte

4.1.1.3.3. Bulbo

4.1.2. Medula Espinal

4.1.2.1. - Transmissão e resposta de mensagens do cérebro: meio e organismo.

4.1.2.2. - Integra e coordena os dados sensoriais (press√£o, toque, temperatura e dor).

4.1.2.3. - Envolvida nos movimentos volunt√°rios e involunt√°rios (reflexos) do aparato org√Ęnico.

5. ūü߆ C√©rebro

5.1. - Principal √≥rg√£o de processamento de informa√ß√Ķes e tomada de decis√Ķes. - Integra fun√ß√Ķes vitais como circula√ß√£o e respira√ß√£o. - Supervisiona o atendimento das necessidades do corpo (nutri√ß√£o e sono) - Codifica√ß√£o, decodifica√ß√£o e media√ß√£o (fisioqu√≠mica) de informa√ß√Ķes exteroceptivas, proprioceptivas, interoceptivas e visceroceptivas.

5.2. Córtex Cerebral

5.2.1. Principal respons√°vel pelo processamento, interpreta√ß√£o e resposta das informa√ß√Ķes que chegam ao SNC

5.2.2. Hemisfério Esquerdo: Lateralidade Direita

5.2.3. Hemisfério Direito: Lateralidade Esquerda

5.2.4. Lobos

5.2.4.1. 1. Frontal

5.2.4.1.1. Interpreta√ß√£o e an√°lise de informa√ß√Ķes para tomadas de decis√Ķes.

5.2.4.1.2. Processos Cognitivos

5.2.4.1.3. Relembrar e sintetizar dados sensitivos

5.2.4.1.4. Envio de impulsos motores aos m√ļsculos (vias eferentes) - √°rea motora

5.2.4.2. 2. Parietal

5.2.4.2.1. Registram e analisam mensagens provenientes da susperficio corporal (externa e interna)

5.2.4.2.2. √Ārea somatossensorial (esquema hom√ļnculo)

5.2.4.2.3. Integram os estímulos (sensoriais) para que possamos lhes atribuir sentido

5.2.4.3. 3. Temporal

5.2.4.3.1. Registro e armazenamento das informa√ß√Ķes ambientais e dos eventos selecionados (mem√≥ria)

5.2.4.3.2. Registro e s√≠ntese das informa√ß√Ķes que s√£o ouvidas

5.2.4.3.3. Lobo temporal esquerdo: implicação da linguagem (áreas de Broca e Wernicke)

5.2.4.3.4. Lobo temporal direito: aspectos atencionais da linguagem

5.2.4.4. 4. Occipital

5.2.4.4.1. Recebimento e processamento de informa√ß√Ķes visuais

5.2.4.4.2. Retinotopia

5.2.4.5. 5. Lobo da Insula

5.2.4.5.1. Empatia, sensa√ß√£o de nojo, reconhecimento da pr√≥pria fisionomia e componentes subjetivos das emo√ß√Ķes

5.3. T√°lamo

5.3.1. Central de distribui√ß√£o de informa√ß√Ķes

5.3.2. Conduz informa√ß√Ķes sensoriais para √°reas sensitivas prim√°rias do c√≥rtex

5.3.3. Relacionado ao registro de dados para o direcionamento da atenção

5.3.4. Ativa√ß√£o/Integra√ß√£o de fun√ß√Ķes da linguagem

5.3.5. Controle do sono e da vigília

5.4. Sistema Límbico

5.4.1. Hipot√°lamo

5.4.1.1. √Ārea Central do Sistema L√≠mbico

5.4.1.2. Controle do ambiente interno (nutrição, níveis de líquidos e temperatura corporal)

5.4.2. Envolve os Sistemas

5.4.2.1. Amígdala, hipocampo, septo, giro cingulado, hipotálamo e tálamo.

5.4.3. Cerebelo

5.4.3.1. Recebe dados de todo o corpo

5.4.3.2. Regula a postura, o equilíbrio e o movimento

5.4.3.3. Comunicação com o córtex através das áreas sensitiva e motora

6. Neur√īnio: C√©lula Nervosa

6.1. Unidade funcional b√°sica do SN Estrutura: Membrana Celular, Dendrito, Corpo da C√©lula (SOMA), Ax√īnio, Bainha de Mielina e Sinapse.

6.1.1. Comunicação eletroquímica

6.1.1.1. Diversidade anatomofuncional

6.2. Células glia

6.2.1. Aporte aos filamentos nervosos e ao processo de cura do SNC

6.3. Plasticidade Neuronal

6.3.1. Estabelecimento de novas conex√Ķes e rompimento de antigas

6.4. Sinapses

6.4.1. Sinapses Químicas

6.4.2. Sinapses Elétricas

6.5. Neurotransmissores

6.5.1. Dopamina

6.5.1.1. Sensação de bem-estar e da motricidade corporal

6.5.2. Serotonina

6.5.2.1. Bem-estar e satisfação; regulação do sono, apetite e energia; ritmo cardíaco.

6.5.3. Melatonina

6.5.3.1. Melhora a qualidade das células e atua em sua regeneração.

6.5.4. Noradrenalina

6.5.4.1. Regulação do humor, aprendizado e memória; relacionada à excitação física e mental.

6.5.5. Oxitocina

6.5.6. Gaba

6.5.6.1. Redução de ansiedade

6.5.7. Endorfina

6.5.7.1. Melhoria do humor e da memória; funcionamento do sistema imunológico; controle da dor e do fluxo sanguíneo.

7. Modelo de LURIA

7.1. Unidade Receptora: Receber, Analisar e Armazenar

7.1.1. √Ārea Prim√°ria

7.1.1.1. √Āreas Sensoriais: - Proje√ß√Ķes das diferentes modalidades sensoriais - 1¬ļ An√°lise da Informa√ß√£o

7.1.2. √Ārea Secund√°ria:

7.1.2.1. - Continuidade da an√°lise e integra√ß√£o das informa√ß√Ķes da √Ārea Prim√°ria

7.1.3. √Ārea Terci√°ria:

7.1.3.1. - Coordena o trabalho dos diferentes analisadores - Produção de esquemas simbólicos em maior nível de complexidade para embasar os processos cognitivos

7.2. Unidade Executora: Programar, Executar e Comandar

7.2.1. √Ārea Terci√°ria

7.2.1.1. Regi√£o Pr√©-Frontal: Inten√ß√Ķes e programas de a√ß√£o, regula√ß√£o e monitoramento dos processos psicol√≥gicos mais complexos.

7.2.2. √Ārea Secund√°ria

7.2.2.1. Prepara√ß√£o das respostas motoras dos processos da √Ārea Terci√°ria

7.2.3. √Ārea Prim√°ria

7.2.3.1. √Ārea Motora: Execu√ß√£o motora de uma resposta

8. Bem-estar físico e mental