CONCEITO BIOLÓGICO E PARENTESCO EVOLUTIVO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
CONCEITO BIOLÓGICO E PARENTESCO EVOLUTIVO por Mind Map: CONCEITO BIOLÓGICO E PARENTESCO EVOLUTIVO

1. FILOGENIAS OU ÁRVORES FILOGENÉTICAS Termo usado para designar as relações de parentesco evolutivo entre grupos de seres vivos. Em uma árvore filogenética, a divisão de um ramo em dois indica que uma espécie ancestral, naquela etapa do processo, separou-se em duas novas espécies, ou seja, ocorreu especiação.

2. Até alguns anos atrás, as classificações baseavam-se quase exclusivamente na comparação de características morfológicas dos seres vivos.

3. SISTEMÁTICA MODERNA

3.1. Os principais objetivos da Sistemática são: Compreender os processos responsáveis pela existência da diversidade biológica; Desenvolver critérios para organizar a diversidade, agrupando os seres vivos de acordo com características importantes; Descrever a diversidade biológica, desenvolvendo catálogos tão completos quanto possível das características típicas de cada espécie, além de “batizá-la”” com um nome científico.

3.2. A Sistemática integra todos os conhecimentos disponíveis sobre os seres vivos para compreender e evidenciar suas relações de parentesco evolutivo, traçando filogenias que procuram relacionar espécies atuais e espécies ancestrais já extintas.

3.3. A aplicação dos princípios evolucionistas à taxonomia tem possibilitado rever a distribuição hierárquica dos táxons nas classificações tradicionais. Hoje, o principal objetivo da classificação é estabelecer um sistema natural em que as espécies sejam organizadas com base em seu grau de parentesco evolutivo.

3.4. A Sistemática Moderna é geralmente baseada em uma variedade de informações, incluindo sequências de DNA (os famosos “dados moleculares”), dados bioquímicos e dados morfológicos.

4. CLADÍSTICA

4.1. é baseada no princípio que agrupa espécies em grupos naturais de acordo com hipóteses de relações evolutivas. Em outras palavras, é o sistema de classificação dos seres vivos de acordo com a evolução de cada espécie.

4.2. é composta pelos clados, agrupamentos que incluem todos descendentes (vivos ou extintos) e um ancestral comum, é todo grupo que envolva mais de uma linhagem e um ancestral comum. Segundo os fundamentos da cladística, formulados em grande parte pelo entomólogo Willi Hennig, uma classificação deve sempre expressar as relações evolutiva das espécies, não importando se as espécies são semelhantes ou diferem drasticamente entre si.

4.3. O resultado final de uma análise cladística é obtido na forma de árvore ou cladograma, um dendograma que expressa hipóteses de relações filogenéticas entre táxons de determinado grupo. Uma análise cladística pode ser baseada em tantas informações quanto o investigador quiser utilizar.

4.4. Em um cladograma todos os organismos são colocados sobre as extremidades terminais dos ramos, e cada nó interior é idealmente binário, gerando dois táxons terminais. Os dois táxons de cada ramo são chamados taxa irmãs ou grupos irmão. Cada subárvore, independentemente de quantos elementos ela contenha, é chamada clado. Todos os organismos de um grupo natural estão contidos em um clado que compartilha um ancestral comum (não compartilhado com nenhum outro organismo do diagrama).

5. FILOGENIAS OU ÁRVORES FILOGENÉTICAS

5.1. Termo usado para designar as relações de parentesco evolutivo entre grupos de seres vivos.

5.2. Em uma árvore filogenética, a divisão de um ramo em dois indica que uma espécie ancestral, naquela etapa do processo, separou-se em duas novas espécies, ou seja, ocorreu especiação. Cada espécie atual representa a ponta de um ramo da árvore filogenética; se “descermos” por um ramo dessa árvore encontraremos o ponto em que ele se une ao ramo vizinho (um “nó”); esse ponto indica o ancestral mais recente que as duas espécies tem em comum.

5.3. Até alguns anos atrás, as classificações baseavam-se quase exclusivamente na comparação de características morfológicas dos seres vivos.