Orçamento

teste

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Orçamento por Mind Map: Orçamento

1. Orçamento Público

1.1. Etapas do orçamento

1.1.1. Apresentação dos programas e atividades necessárias a sociedade

1.1.1.1. Programa: Mecanismo de organização do governo para mapear os objetivos a serem alcançados com prazos e metas a longo prazo.

1.1.1.2. Atividades: etapa dentro do programa com o objetivo de alcançar determinada meta, resultando em um produto necessário ao governo.

1.1.2. Previsão das receitas conforme arrecadação dos impostos

1.1.3. Previsão dos gastos para atender aos programas e atividades

1.2. Receita Publica x Despesas

1.3. Arrecadação de Impostos

1.4. Planejamento de gastos para programas e atividades

1.5. Instrumentos

1.5.1. O que?

1.5.1.1. PPA - Lei do Plano Plurianual

1.5.1.1.1. Politicas e metas previstas em período de 04 anos, no mesmo prazo para cumpri-las, no âmbito federal, no segundo ano de mandato de cada presidente.

1.5.2. Como?

1.5.2.1. LDO - Lei das Diretrizes Orçamentarias

1.5.2.1.1. Definição de quais metas e prioridades o PPA irá tratar no exercício seguinte.

1.5.2.2. LOA - Lei Orçamento Anual

1.5.2.2.1. Detalha todos os gastos: quanto, quando, onde e para que. Vigência de 01 exercício financeiro. Estrutura em 03 documentos: orç. fiscal, orç. a seguridade social e investimento de estatais

1.6. Emendas Parlamentares

1.6.1. Direitos que o Poder Legislativo possui para alterar o projeto LOA anual enviado ao Poder Executivo.

1.7. Regras de Ouro

1.7.1. Proibição da geração de dívidas para o pagamento de despesas, como salários, aposentadoria e outros custeios.

1.7.1.1. Exceto: aprovação do Legislativo de Crédito Complementar

1.8. Despesas de Capital

1.8.1. Despesas relacionadas a formação de um bem capital, para a expansão das atividades dos órgãos. Por exemplo: realização de obras, aquisições de imóveis, aquisição de ações de empresas e etc.

1.9. Controle da aplicação do orç. público

1.9.1. Lei da Responsabilidade Fiscal

1.9.1.1. Lei da Responsabilidade Fiscal

1.9.1.1.1. Gestor responsável pelo equilíbrio das contas da União, despesas e receitas, impondo controle dos gastos, limitações, condições mínimas para a execução do orçamento. Exige também, relatório detalhado das ações praticadas.

1.9.1.1.2. As finanças são enviadas ao Tribunal de Contas da União, que aprovam ou não as contas. Caso rejeitado, é instaurado uma investigação de responsabilidade, que pode resultar em multas ou proibição de eleição.

1.10. Orçamentos

1.10.1. Como reduzir as dívidas, programar despesas futuras e investir.

1.10.2. Apurar o resultado a partir da renda e despesas

1.10.2.1. Saldo negativo

1.10.2.1.1. Aumentar a renda

1.10.2.1.2. Avaliar as despesas que podem ser reduzidas e/ou melhor controladas

1.10.2.2. Saldo positivo

1.10.2.2.1. investir para atingir metas futuras

1.10.3. Aumentar a renda

1.10.4. Avaliar as despesas que podem ser reduzidas e/ou melhor controladas

1.10.5. investir para atingir metas futuras

2. Orçamento Empresarial - Etapas

2.1. Etapa Operacional

2.1.1. Orçamento da Receita de Vendas

2.1.1.1. Projeção do valor de vendas

2.1.1.1.1. levantamento da projeção das vendas e da política dos preços de venda

2.1.1.1.2. estima-se as vendas dos produtos, seu preço médio para o período e a receita projetada

2.1.1.1.3. Para se apurar o valor da Receita Líquida, deve-se computar o valor do tributo incidente sobre essa venda

2.1.1.2. Plano de Marketing

2.1.1.2.1. plano de vendas ou prestação de serviços com definição de metas de produção e vendas

2.1.1.2.2. plano de comunicação com o mercado (publicidade)

2.1.1.2.3. plano de despesas comerciais (vendas)

2.1.1.3. Regimes

2.1.1.3.1. Competência

2.1.1.3.2. Caixa

2.1.2. PSPE (Plano de suprimentos, produção e estocagem)

2.1.2.1. Deve abranger

2.1.2.1.1. definição dos dias de estoque de produtos acabados e prazo de produção

2.1.2.1.2. tipos de produção e benefício da escala de produção

2.1.2.1.3. custo de carregamento/manutenção de estoques, compras projetadas e horas de trabalho

2.1.2.1.4. análise do nível de capacidade instalada e necessidade de novos investimentos para atender a demanda

2.1.2.1.5. produtos em processo e a natureza do produto e insumos (perecível ou não)

2.1.2.1.6. insumos (matérias-primas, componentes e embalagens) e consumo de materiais

2.1.2.2. Informações necessárias

2.1.2.2.1. Necessidades de produção por produto e por período

2.1.2.2.2. Políticas de estoque de produtos acabados e em elaboração

2.1.2.2.3. Políticas de capacidade de produção, lotes econômicos de fabricação e escalonamento da produção

2.1.2.2.4. Disponibilidade de matéria prima e de mão de obra

2.1.2.2.5. Prazo de duração das atividades de produção e seus efeitos

2.1.2.2.6. Capacidade

2.1.3. Plano de Recursos Humanos

2.1.4. Plano de Investimentos

2.1.4.1. Orçamento de Capital

2.1.4.1.1. Dispêndio de capital ou investimento de capital

2.1.4.1.2. Dispêndio corrente ou investimento operacional

2.1.4.1.3. processo para se identificar, classificar, avaliar e selecionar investimentos de longo prazo

2.1.4.2. Espécies de projetos de investimento de longo prazo

2.1.4.2.1. Independentes

2.1.4.2.2. Mutuamente Excludentes

2.1.4.2.3. Projetos Contingentes ou Dependentes

2.1.4.3. Fluxo de Caixa e sua Composição

2.1.4.3.1. representa os custos, despesas e receitas, ao longo da vida útil do projeto, com a finalidade de fornecer subsídios para a tomada de decisão no tocante à rentabilidade do projeto (VPL, TIR e TMA) e o tempo de recuperação do capital investido (Payback).

2.1.4.3.2. Seus elementos são Investimento inicial ou saída de caixa – é a saída de caixa relevante no instante zero do projeto; (ii) Entradas de caixa operacionais ou entradas de caixas incrementais - aquilo que se espera obter como resultado do investimento ao longo de sua vida (Receita – Despesa); e (iii) Fluxo de caixa residual ou terminal – é o fluxo de caixa não operacional, após o imposto de renda, que ocorre no final do projeto. Exemplo: venda do equipamento adquirido como investimento ao final do projeto.

2.1.4.4. Demonstrativos financeiros que devem ser projetados

2.1.4.4.1. fluxo de caixa, demonstração de resultados e balanço patrimonial. Sua elaboração permite analisar os resultados globais projetados pela empresa, com o uso dos indicadores de Liquidez, Endividamento; Rentabilidade e Operações.

2.2. Tipos de Orçamento

2.2.1. Orçamento de Tendências

2.2.1.1. Dados passados para a projeção de situações futuras

2.2.1.1.1. Atenção para novas situações que não existiam no passado

2.2.1.2. É "fácil" considerando que se tenha todas as informações do ano anterior e de forma confiável

2.2.2. Orçamento base zero

2.2.2.1. Rediscussão de toda a empresa com questionamento de cada gasto e cada estrutura

2.2.2.1.1. objetivo de verificar a real necessidade de cada item

2.2.3. Orçamento Estático

2.2.3.1. Elabora-se todas as peças orçamentárias a partir da fixação de determinado volume de produção ou vendas

2.2.3.2. Sem flexibilidade de alteração

2.2.4. Orçamento Flexível

2.2.4.1. Os volumes podem ser ajustados a qualquer nível de atividade e a qualquer momento

2.2.4.2. Influencia nos custos variáveis

2.2.5. Orçamento contínuo / rolling

2.2.5.1. Evolução entre os orçamentos estático e flexível

2.2.5.2. É feito para o período de um ano, mas é revisado mensalmente, trimestralmente ou semestralmente

2.2.6. Orçamento ajustado / forecast

2.2.6.1. Semelhante ao orçamento contínuo e derivado do flexível

2.2.6.2. São feitos ajustes sempre que necessário em todo o orçamento

2.2.7. Orçamento corrigido

2.2.7.1. Ajuste do orçamento original de forma automática quando houver alteração de preços em razão da inflação

2.2.7.2. Ajustes que não decorram da inflação não pode ser feitos automaticamente

2.2.8. Orçamento beyond budgeting

2.2.8.1. Metas não são fixas e são estabelecidas através de benchmarks internos ou externos

2.2.8.2. Se trabalha com prazos maiores como 18 meses

2.2.8.3. Elimina o clico orçamentário

2.2.8.3.1. Sempre existe um orçamento pronto para os próximos 12 meses

2.3. Etapa Financeira

2.3.1. Plano Financeiro

2.3.1.1. Gastos

2.3.1.1.1. Investimentos

2.3.1.1.2. Custos

2.3.1.1.3. Despesas

2.3.1.1.4. Perdas

2.3.1.2. Plano de Custos

2.3.1.2.1. Contabilidade de Custos

2.3.1.2.2. Classificação dos Custos

3. Orçamento Familiar

3.1. Planejamento Financeiro

3.1.1. Apuração de resultado

3.1.1.1. Saldo negativo

3.1.1.1.1. Aumentar a renda

3.1.1.1.2. Avaliar as despesas que podem ser reduzidas e/ou melhor controladas

3.1.1.2. Saldo positivo

3.1.1.2.1. investir para atingir metas futuras

3.2. Investimentos

3.2.1. Características para considerar

3.2.1.1. Liquidez

3.2.1.1.1. Velocidade do retorno

3.2.1.2. Risco

3.2.1.2.1. Probabilidade de perdas

3.2.1.3. Rentabilidade

3.2.1.3.1. Retorno do investimento

3.2.2. Podem ser

3.2.2.1. Titulo de Capitalização

3.2.2.1.1. Título de crédito que pode ser comprado para guardar dinheiro e participar de sorteios de prêmios

3.2.2.1.2. Em geral sua rentablidade é muito baixa

3.2.2.2. Caderneta de Poupança

3.2.2.2.1. Rende 0,5% ao mês (6,17% a.a.), mais a variação da taxa referencial

3.2.2.3. CDBs/RDB

3.2.2.3.1. Títulos que representam empréstimos para o banco e em regra estabelecem um percentual atrelado à taxa do CDI (Certificado de Depósito Interbancário)

3.2.2.4. Fundos de Investimento

3.2.2.4.1. Formado por uma carteira de ativos financeiros e o investidor compra “cotas” dessa carteira, tendo sua rentabilidade fixa ou variável, conforme os ativos que compõe o fundo

3.2.2.5. Ações

3.2.2.5.1. Uma fração do capital social de uma empresa

3.2.2.6. Debentures e outros valores mobiliários

3.2.2.6.1. Emitido por sociedades por ações

3.2.2.7. Previdência Privada

3.2.2.7.1. Pagamento de uma quantia mensal para uma instituição de previdência que aplica em outras opções de investimento

3.2.2.8. Tesouro Direto

3.2.2.8.1. títulos públicos federais

3.3. Educação Financeira

3.3.1. Saber como ganhar, gastar, poupar e investir seu dinheiro

3.3.2. Saber para o que usar Empréstimo Pessoal

3.3.2.1. Realizar projetos, resolver imprevistos e reorganizar dívidas

3.3.3. Saber definir entre pagamento à vista e financiado

4. Orçamento Empresarial - Planos

4.1. Plano Tático

4.1.1. Médio Prazo

4.1.1.1. Entre 2 e 5 anos

4.1.2. Como e o que Precisa para atingir o que foi definido no Plano Estratégico

4.1.2.1. O que precisará em estrutura de recursos humanos e suas áreas, recursos materiais e recursos financeiros

4.1.3. Deve responder

4.1.3.1. O que fazer?

4.1.3.2. Dá para fazer?

4.2. Plano Estratégico

4.2.1. Deve responder

4.2.1.1. Quem somos? O que fazemos?

4.2.2. Longo Prazo

4.2.2.1. Entre 5 e 10 anos

4.2.3. Missão, Visão, Valores

4.2.4. Precisa ter premissas pré-estabelecidas

4.2.4.1. Relações com

4.2.4.1.1. Fornecedores

4.2.4.1.2. Sociedade

4.2.4.1.3. Clientes

4.2.4.1.4. Governo

4.2.4.1.5. Concorrentes

4.3. Plano Operacional

4.3.1. O que a empresa fará para atingir as metas dos Planos Estratégico e Tático

4.3.2. Curto Prazo

4.3.2.1. Entre 6 e 12 meses

4.3.3. Planejamento/Orçamento Financeiro

4.3.3.1. Coordena o fluxo de recursos financeiros por exercício (12 meses)

4.3.3.1.1. Planejar/Orçar

4.3.3.1.2. Acompanhar e avaliar com relatórios contábeis

4.3.3.1.3. Concluir com Apuração Contábil

4.3.3.1.4. O planejamento ideal é fazer um planejamento para 3 cenários

4.3.3.1.5. Considera cada área da empresa

4.3.3.2. Sistema de Informação Gerencial

4.3.3.2.1. Consolida as informações que serão posteriormente utilizadas na elaboração do planejamento financeiro.

4.3.3.2.2. Inserção de dados, tratamento dos dados e controle

4.3.3.2.3. Integra as informações de todos os departamentos da empresa (Centro de Informação)

4.3.3.2.4. Precisa de confiabilidade nos dados apresentados

4.3.3.2.5. Precisa abranger todos os funcionários que necessitam de acesso às informações para tomadas de decisões

4.3.3.2.6. Tempestividade: as informações precisam ser em "tempo real" para consulta assim que necessário

4.3.4. Deve responder

4.3.4.1. Como fazer? Quem vai fazer? Qual o prazo esperado?