Maquiavel e sua concepção de Estado

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Maquiavel e sua concepção de Estado por Mind Map: Maquiavel e sua concepção de Estado

1. Estado

1.1. Todo Estado é constituído por uma correlação de forças (os pobres X os grandes)

1.1.1. Nesse conflito o povo deseja a liberdade e os grandes desejam dominar e oprimir o povo. As formas de governo resultam deste conflito, pois é ele que move o poder político de qualquer Estado

1.2. O maior desafio do governante é manter o equilíbrio do Estado. A estabilidade do Estado é a instabilidade política que o conflito social gera

1.2.1. Dessa forma,, para que haja segurança do Estado, o governante não pode aniquilar completamente o conflito social

1.3. Nenhum Estado sobrevive sem religião, pois esta torna o povo mais aderido ao Estado

1.4. Um governo é sempre determinado pela realidade dos fatos, ficando sob responsabilidade do chefe de estado agir de acordo com as circunstâncias

1.4.1. Um bom governo é aquele que é forçado pela necessidade a usar a violência visando o bem coletivo, nunca agindo por capricho ou egoísmo

2. Príncipe

2.1. O príncipe deve sempre agir no momento presente e não deve medir esforços, nem hesitar quando o que está em jogo é o bem do povo

2.1.1. Deve agir sempre com virtú, ora com bondade, ora com maldade, de acordo com a ocasião

2.2. A força é o que garante o êxito do príncipe, seja a força bruta ou a força de persuasão (também é importante que o príncipe saiba o momento de usar cada uma delas)

2.2.1. A força do príncipe está em saber usar a astúcia

2.3. O que o povo quer é um príncipe que os mantenha seguros e proteja sua liberdade perante os grandes.. Assim, a segurança do príncipe depende se o seu povo está seguro.

2.3.1. Por ser o único capaz de manter essa liberdade, o príncipe deve apoiar-se ao povo e evitar sua inimizade, visto que são muitos e podem se rebelar

2.3.1.1. Apesar de se apoiar no povo, o príncipe nunca deve esperar apoio ou segurança do mesmo num momento de prova de forças

2.4. O poder é legítimo quando seus súditos o reconhecem como tal, a durabilidade do Estado também depende dessa relação entre o povo e o príncipe

3. Ética

3.1. Maquiavel traz uma nova relação entre ética e política, na qual a ética passa a ser laica e prática

3.2. O que determina se uma ação é ética ou não, é a sua finalidade política

3.3. Dessa forma, o uso do mal e da violência são legitimados quando em função do bem comum

4. Maquiavel acredita que nenhuma conquista se faz sem o uso da violência

4.1. A violência que ele se refere é a violência política (aquela que pode ser justificada quando usada em função do bem comum

4.2. A violência política legitima o poder do príncipe

5. Para ele, o homem tende à divisão, à desunião e a agir por impulsos egoístas pensando apenas no benefício próprio.

5.1. Virtú = compreensão da realidade Fortuna = saber aproveitar as oportunidades a seu favor

5.1.1. A Virtú e a fortuna são importatnes para a manutenção do Estado/principado

6. Política

6.1. A política é movida pela mutabilidade e marcada por uma característica própria do homem: a constante luta pelo poder

6.2. Na ação política: a bondade = agir pensando no bem coletivo - a maldade = agir pensando em interesses particulares

6.3. Toda ação política deve visar a sobrevivência do grupo e não de indivíduos isolados, ou seja, a necessidade rege a ação política

6.4. A força e a política são paralelas e subsistem uma a outra

6.5. Resulta das divisões sociais, pois os conflitos entre elas é a essência da ação política

7. Mapa mental desenvolvido pela aluna Anna Crystiny Pereira da Silva Moreira

8. Trabalho elaborado para a disciplina de Política e Organização da Educação básica do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Espírito Santo - Centro Universitário Norte do Espírito Santo Professor Felipe Junior Mauricio Pomuchenq