SP3.1-Tempos Difíceis

SP3.1-Tempos Difíceis

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
SP3.1-Tempos Difíceis por Mind Map: SP3.1-Tempos Difíceis

1. 4. Conceitue e classificar Carboidratos e Quais suas principais fontes?

1.1. Carboidratos são biomoléculas formadas por átomos de carbono, oxigênio e hidrogênio. Existem tipos de carboidratos que possuem mais compostos em sua formação. Porém, o trio carbono + oxigênio + hidrogênio é o mais comum. Essa biomolécula também é chamada de açúcares, hidratos de carbono ou glicídios. Classificação dos Carboidratos Monossacarídeos São os carboidratos de composição mais simples, pois não sofrem o processo de hidrólise. Possuem a fórmula química geral (CH2O)n, onde “n” é o número de átomos de carbono. Geralmente, possuem sabor adocicado e podem ser trioses, tetroses, pentoses, hexoses ou heptoses, quando constituídos de três, quatro, cinco, seis ou sete átomos de carbono, respectivamente. Principais monossacarídeos Dissacarídeos São moléculas que provém da união de dois monossacarídeos por uma ligação glicosídica. Quando ocorre esse evento, há a liberação de uma molécula de água (desidratação). Principais dissacarídeos • Sacarose: É formada pela soma dos monossacarídeos frutose e glicose. A sacarose possui um tipo de função energética, e está presente nos vegetais, especialmente na cana de açúcar; • Lactose: É constituída pela soma entre os monossacarídeos glicose e galactose. A lactose também possui função energética e pode ser facilmente encontrada no leite; • Maltose: É soma de uma molécula de glicose com outra glicose. A maltose possui função energética e pode ser encontrada principalmente nos vegetais. Polissacarídeos São formados pela união de 10 ou mais monossacarídeos. Possuemcadeias longas e podem apresentar moléculas de nitrogênio ou enxofre. Não são solúveis em água. Principais tipos de polissacarídeos • Celulose: A celulose está presente principalmente nos vegetais, atuando na formação da parede celular das plantas. Quando ingerimos vegetais (folhas, legumes, frutas e etc.), nosso organismo é capaz de fazer a digestão da celulose. Porém, ela é muito importante para o bom funcionamento dos intestinos e composição do bolo fecal. • Amido: O amido é um polissacarídeo presente em inúmeras espécies de vegetais. Ele também é importante para nosso organismo, atuando como reserva de energia. Pode-se encontrar grandes quantidades de amido no milho, trigo, batata, arroz, mandioca e cenoura. • Quitina: A quitina é um polissacarídeo encontrado no exoesqueleto de animais artrópodes e nas paredes das células de fungos. A quitina é composta por grande quantidade de moléculas de glicose e por grupos de amina (composto químico orgânico que possui nitrogênio em sua composição). • Glicogênio: Está presente nos animais e nos fungos. Nos seres humanos o armazenamento e a síntese do glicogênio ocorrem no fígado e nos músculos. Tipos de Carboidratos Carboidratos simples São formados pelos monossacarídeos ou dissacarídeos. Os principais representantes são a glicose, a frutose e a sacarose. A digestão e a absorção são bem rápidas, por isso eles podem aumentar muito a glicose no sangue. Os carboidratos simples podem ser utilizados na produção de energia na hora em que são ingeridos, ou podem ser armazenados pelo organismo para uso posterior. Esse armazenamento está localizado principalmente no fígado e nos músculos. Carboidratos complexos São formados pelos polissacarídeos. Possuem digestão e absorção mais lenta, e são formados por uma cadeia longa de monossacarídeos, gerando fibras que dão maior sensação de saciedade. Estão presentes nos grãos integrais e por serem absorvidos de forma mais lenta, não causam grandes alterações no índice de glicemia do sangue. A energia fornecida por eles dura mais.

2. 1.Qual a Definição de Metabolismo?

2.1. O termo metabolismo (do grego metábole, que significa mudança) é usado para descrever as várias reações químicas existentes no organismo que garantem as necessidades estruturais e energéticas de um ser vivo

3. 2.Qual a definição e diferença de um processo anabólico para um catabólico?

3.1. Denominamos: de anabolismo ou metabolismo construtivo as reações químicas relacionadas com a síntese de biomoléculas, ou seja, de moléculas precursoras simples e pequenas utilizadas na produção de novas substâncias necessárias para o organismo, tanto para seu crescimento como para sua manutenção. Essas reações ocorrem apenas quando uma célula apresenta energia suficiente. Elas são responsáveis, por exemplo, por formar as macromoléculas que compõem a célula. O catabolismo ou metabolismo oxidativo, por sua vez, são todas as reações químicas de caráter degradativo, ou seja, aquelas reações que têm por objetivo quebrar ou desdobrar moléculas. Nesses processos, há a liberação de energia necessária para a realização de diversas atividades. O catabolismo pode ser classificado ainda em metabolismo catabólico aeróbico e anaeróbio. O metabolismo catabólico aeróbio é aquele em que as reações ocorrem na presença de oxigênio, que funciona como um aceitador final de elétrons na cadeia respiratória, combina-se com hidrogênio e forma água. No metabolismo catabólico anaeróbio, as reações ocorrem na ausência de oxigênio. Mesmo sendo reações opostas, o anabolismo e o catabolismo fornecem um equilíbrio perfeito no nosso organismo e, por isso, estão interligadas. Enquanto o catabolismo garante a liberação de energia, o anabolismo utiliza-a para sintetizar as biomoléculas.É no catabolismo que carboidratos, lipídios e proteínas, por exemplo, são quebrados em produtos menores e mais simples.

4. 3.Qual a diferença entre Macro, Micro e Oligoelementos?

4.1. Macroelementos são aqueles essenciais para a vida, ou seja, precisam estar em quantidades satisfatórias em nosso corpo para termos uma vida saudável. Sódio (Na), Potássio (K), Magnésio (Mg), Cálcio (Ca), Fósforo (P), Enxofre (S), Cloro (Cl), todos eles são considerados macroelementos. Microelementos também são importantes para a manutenção da vida, só que em quantidade menores. Também conhecidos como elementos-traço, são considerados tão essenciais como as vitaminas. Entre eles podemos citar: Selênio (Se), Cobre (Cu), Zinco (Zn), Flúor (F), Manganês (Mn). Oligoelementos, também denominados de microelementos, ou elementos traços, são elementos de baixo peso molecular, podendo ser definidos como os catalisadores no metabolismo das reações enzimáticas dos seres vivo.

5. 6.O que seria uma dieta balanceada baseada na nova pirâmide alimentar?

5.1. Uma dieta balanceada é aquela que oferece ao organismo os componentes essenciais para seu bom funcionamento Nova Pirâmide Alimentar Brasileira O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (UEDA), esquematizou, em 1992, a primeira pirâmide alimentar, embora os primeiros guias alimentares tenham sido criados nos anos 1970. Vale lembrar que no Brasil, o primeiro gráfico foi criado em 1999 com base nos padrões alimentares norte-americanos. A nova pirâmide incluiu alimentos tipicamente brasileiros, como o caju, a graviola, a castanha do Pará. Em 2013, o Brasil passou a ter uma nova Pirâmide Alimentar com diversas reformulações. Essa mudança esteve relacionada com a quantidade, o tipo e a distribuição dos alimentos, visto que a obesidade tem sido um problema recorrente e preocupante para os estudiosos. A nova Pirâmide Alimentar propõe a diminuição de calorias (de 2500 para 2000 calorias diárias) e diminuição do tempo entre as refeições (a cada 3 horas). Ademais, inclui a realização de 30 minutos diários de atividade física.

6. 8.Como a obesidade afeta o metabolismo de maneira geral?

6.1. João Soares está em situação de obesidade alta, através do IMC(Índice de massa corporal)está acima em 36,81 peso/altura, conforme tabela abaixo:

6.2. Fatores que afetam o metabolismo Cerca de 80% da taxa metabólica é determinada geneticamente, enquanto os outros 20% dependem de outros fatores que listamos a seguir. Você não pode mudar a genética, mas pode acelerar o seu metabolismo, observando esses fatores: (1) Tecido muscular = Quanto mais músculos você tem, maior e mais veloz é o gasto calórico, independente do seu nível de atividade, da sua idade, etc. Os músculos são tecido vivo e estão lá para trabalhar para você, queimando calorias 24hs por dia. (2) Frequência das refeições = O tempo entre uma refeição e outra é muito importante. Quanto maior o tempo, mais lento é o seu metabolismo, pois ele diminui para poupar energia. Quando pulamos refeições, ficando muito tempo sem comer, o corpo procura obter a energia que precisa consumindo o seu próprio tecido muscular (catabolismo). (3) Atividade física = Praticar atividade física, combinando exercício aeróbico e ginástica localizada ou musculação acelera o metabolismo. Além disso, o exercício regular ajuda a transformar glicose e gordura em energia, sem a necessidade de produzir o hormônio insulina, que ajuda a engordar. É importante que a atividade física seja regular, para que haja uma ação metabólica contínua, e que a alimentação seja adequada ao gasto calórico. (4) Alimentação = O excesso de açúcar, especialmente após a refeição, deve ser evitado, uma vez que a digestão de proteínas e gorduras fica prejudicada. O açúcar é digerido mais rapidamente, retardando a digestão de outros alimentos e enganando o cérebro, que sinaliza com mais fome em pouco tempo. Isso também vale para as farinhas de trigo brancas (refinadas) utilizadas no preparo de pães, bolos e massas. Por último, alimentos gordurosos devem ser controlados, mas é importante não reduzi-los em demasia, uma vez que a deficiência desse nutriente diminui a produção hormonal levando à diminuição do metabolismo. Utilize gorduras que fazem bem para a saúde provenientes de nozes, castanhas e azeite de oliva. (5) Água = A maioria das funções do corpo acontecem na presença de água. O líquido é fundamental para transportar hormônios, vitaminas e minerais, além de facilitar o trânsito intestinal e a eliminação de toxinas. A falta de água desacelera o metabolismo. Por isso, beba pelo menos 8-10 copos por dia. (6) Sexo = O metabolismo masculino é mais acelerado do que o feminino, pois os homens apresentam proporção maior de massa muscular e menor de gordura do que as mulheres. Por isso é importante que as mulheres não deixem de praticar uma atividade física, que ajude no desenvolvimento de massa muscular. (7) Idade = A partir dos 30 anos o metabolismo começa a ficar mais lento, contudo pesquisas indicam que isso ocorre pelo fato das pessoas tornarem-se mais sedentárias, o que acarreta uma perda gradual de massa muscular. Por isso, é importante que haja um controle alimentar e prática regular de atividade física. (8) Temperatura ambiente = Em dias mais frios, o corpo consome mais energia para se manter aquecido.

7. 9. Quais são as consequências entre o desiquilíbrio da ingestão e o gasto calórico energético (Cálculo de gasto calórico)?

7.1. Para manter um balanço energético equilibrado ou neutro precisa haver um equilíbrio entre a ingestão alimentar e o gasto energético, mantendo o peso. No Rio de Janeiro 49,6% da população apresenta sobrepeso e 16,5% obesidade segundo o VIGITEL 2011 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico). A ingestão diária é definida pelo valor energético total (VET), expresso em Kcal, energia consumida em forma de alimento ou bebida e que pode ser metabolizada pelo corpo. A gordura produz mais energia por grama de peso (9kcal/g) do que os carboidratos (4kcal/g), as proteínas (4kcal/g) e o álcool (7kcal/g). O gasto energético (GET) corresponde a energia gasta por um indivíduo em 24 horas. Resulta do somatório do gasto energético de repouso (GER :calorias necessárias para manter os órgãos vitais), termogênese adaptativa (TA efeito térmico dos alimentos e a temperatura) e o efeito térmico da atividade física diária e do exercício físico. GET = GER + TA + ATIVIDADE FÍSICA O efeito térmico dos alimentos é o gasto energético para metabolizar e armazenar os alimentos e equivale a aproximadamente 10% do valor energético das refeições ou 10% do GET. Nutricionistas recomendam de 5 a 6 refeições diariamente para acelerar o metabolismo (necessita de hormônios e enzimas para digerir/absorver), proteger a parte gástrica, reduzir a sensação de fome e com isso conseguir ser mais seletivo na escolha dos alimentos. Para calcular o gasto energético gasto na atividade física utiliza-se a tabela de equivalentes metabólico (MET) para cada modalidade esportiva, dependendo da velocidade e intensidade do exercício. Gasto energético do exercício = MET x peso (kg) x tempo (minutos) Exemplo : Indivíduo 70kg pratica corrida por 1 hora a10,5km/h = 11MET Gasto energético= 11 x 70 x 60/60 = 770 kcal/ 1hora Mudanças no comportamento para controle do peso corporal: – reduzir o consumo de alimentos de alta densidade calórica (frituras, gratinados, cremosos, fast food) – aumento regular das atividade diárias (ser mais ativo) e praticar regularmente exercício físico. Sair do sedentarismo. – ingerir 5 porções, diariamente, de frutas, verduras e legumes. Estes alimentos apresentam menor densidade energética e aumenta a quantidade de alimento que pode ser consumida para um determinado nível de calorias. Por serem ricos em fibras aumentam a saciedade. – evitar a ingestão de bebidas açucaradas – dar preferência a alimentos integrais por serem ricos em fibras promovem mais saciedade e melhoram o funcionamento intestina.

8. 10. Como se dar a síntese de glicogênio e que em que condições pode ser utilizadas?

8.1. Síntese e Degradação do Glicogênio Os principais sítios de armazenamento de glicogênio são o músculo e o fígado. Nestes tecidos o glicogênio é armazenado na forma de grânulos, aonde estão presentes também as enzimas responsáveis pela sua metabolização. A fisiologia do músculo esquelético é diferente daquela do fígado, pois somente estoca glicogênio para satisfazer suas necessidades próprias, enquanto que o glicogênio armazenado pelo fígado é utilizado principalmente para manutenção dos níveis de glicose sanguíneos. A síntese e a degradação do glicogênio estão diretamente relacionadas à ação de duas enzimas, a glicogênio sintetase (síntese) e a glicogênio fosforilase (degradação), as quais estão sob a regulação dos hormônios insulina e glucagon.

9. 11.Como a Glicose é utilizadas pelas vias das pentoses fosfato para o acumulo de gorduras?

10. 12.Qual a relação entre circunferência abdominal e as doenças cardiovasculares?

10.1. A quantidade de gordura acumulada no abdômen, avaliada através da medida da circunferência abdominal, é um importante fator de risco para doenças crônicas do coração, além de hipertensão, diabetes tipo II, vários tipos de cânceres, trombose, entre outras. A concentração de gordura abdominal contém células capazes de produzir substancias altamente inflamatórias, que se alojam muito facilmente na parede dos vasos sanguíneos, formando placas de gordura. Essas placas obstruem a passagem do sangue, podendo ocasionar infartos e derrames. Pessoas obesas ou com sobrepeso, ainda que não apresentem problemas metabólicos aparentes, como diabetes e colesterol alto, possuem maior risco de morte prematura causada por problemas súbitos, como infarto, quando comparados aos que estão dentro do peso ideal. A medição da circunferência abdominal é feita com uma simples fita métrica. A cintura, na altura do umbigo, deve ser enlaçada pela fita alinhada horizontalmente, logo após o indivíduo respirar fundo e soltar o ar. Dessa forma, a medida da circunferência da cintura não deve ultrapassar 80 cm nas mulheres e 94 cm nos homens. Caso apresentem medidas superiores a essas, os indivíduos podem ter mais riscos de desenvolver doenças cardiovasculares.

11. 7.A relação do peso e a altura de João Soares estão compatíveis com a idade?

12. 5.Como ocorre a digestão, absorção, transporte e a metabolização dos carboidratos (Glicolise,Ciclo de Krebs e cadeia Respiratória)?

12.1. O aparelho digestivo ou trato gastrointestinal (TGI), é o sistema que é responsável por obter dos alimentos ingeridos os nutrientes necessários às diferentes funções do organismo, como crescimento, energia para reprodução, locomoção, etc. É composto por um conjunto de órgãos que têm por função a realização da digestão. O tubo digestivo é composto pelo trato gastrointestinal superior, trato gastrointestinal inferior e glândulas acessórias (anexas), o trato digestório está representado na figura 01. O trato gastrointestinal superior é composto pela boca, pela faringe, pelo esôfago e pelo estômago. Na boca, ocorre o processo de mastigação que e ainda faz os movimentos impulsionatórios que ajudam a deglutir o alimento, fazendo-o passar ao esôfago. A faringe pertence tanto ao sistema respiratório como ao digestório. Ela auxilia no processo de deglutição. O esôfago é o canal de passagem para onde o bolo alimentar é empurrado por meio de contrações musculares (movimentos peristálticos) até o estômago. No estômago, inicia-se o processo de quimificação. O estômago é um órgão em formato de bolsa com o ph em torno de 2,0 (muito ácido). O bolo alimentar torna-se mais líquido e ácido passando a se chamar quimo e vai sendo, aos poucos, encaminhado para o duodeno, via esfíncter pilórico.. O trato gastrointestinal inferior é composto por 4 órgãos:  intestino delgado  intestino grosso  reto  ânus Ao tubo digestivo estão associadas glândulas que 1. Extrair macronutrientes, água e etanol dos alimentos e bebidas ingeridos  a esta função denominamos função nutritiva; 2. Absorver micronutrientes e oligoelementos necessários  para isto devemos possuir função mínima de digestão, pois muitos micronutrientes estão complexados aos macronutrientes, por exemplo, a vitamina B12 que está complexada à proteínas alimentares de origem animal; 3. Barreira física e imunológica  a esta função temos o paradigma da Nutrição Defensiva, uma vez que o muco e a integridade epitelial compõem a nossa barreira física (primeira barreira frente a microrganismos e toxinas), além disso, o microbioma intestinal benéfico (lactobacilos e bifidobactérias), o sistema linfóide associado à mucosa (produtora de IgA secretória) e as células de Kupfer em fígado (reservatórios de células do sistema leucocitário, como monócitos, macrófagos e linfócitos) compõe nossa barreira imunológica; 4. Funções reguladoras e metabólicas  o TGI secreta hormônios e peptídeos que possuem função reguladora ou metabólica, como a grelina que é um hormônio produzido pelas células gástricas que estimula o ato de se alimentar, a colecistoquinina, hormônio produzido por células intestinais que possui receptores em cérebro e atua promovendo saciedade. A digestão dos alimentos é realizada pela hidrólise, por ação de enzimas, os cofatores HCl, bile e bicarbonato de sódio sustentam o processo digestivo e absortivo. As enzimas digestivas, primariamente exoenzimas, são sintetizadas dentro de células especializadas na boca, estômago, pâncreas e intestino delgado, sendo liberadas para catalisar a hidrólise de nutrientes nas áreas externas à célula e as endoenzimas estão localizadas nas membranas das lipoproteínas das células das mucosas e se ligam aos substratos conforme entram na célula.