Radiologia Odontológica

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Radiologia Odontológica por Mind Map: Radiologia Odontológica

1. O que é radiologia odontológica?

1.1. É o ramo específico da radiologia para obtenção de imagens da face e, principalmente, da arcada dentária.

1.1.1. É por meio dessa técnica que o profissional consegue analisar, diagnosticar e traçar estratégias de tratamento para patologias nessa região do corpo. Portanto, atualmente, a radiologia odontológica é a forma mais eficaz de descobrir problemas bucais.

2. Aplicações da radiologia odontológica:

2.1. Cirurgia bucomaxilofacial Especialidade odontológica que trata de deformidades e patologias na boca, face e pescoço.

2.2. Ortodontia A radiografia odontológica permite a visualização de quais dentes estão fugindo do alinhamento correto. Com isso, o ortodontista pode decidir pelo tratamento ou aparelho correto.

2.2.1. Documentação ortodôntica É o conjunto de exames (radiografias e fotografias intra e extrabucais, arcada dentária modelada) que formam o histórico do paciente e permitem a análise do caso como um todo.

2.3. Implantodontia Proporciona a visualização do local exato onde será colocado o implante e se há a necessidade de colocar enxerto.

2.4. Periodontia A radiografia permite observar a saúde do osso alveolar e dos tecidos imediatamente próximos aos dentes, além de auxiliar na identificação da perda óssea.

3. A imagem radiográfica é formada por projeções bidimensionais em áreas pretas e brancas, criando variações de cinza. Com isso, ela pode ser classificada entre duas categorias:

3.1. Radiolúcida: imagem radiográfica escura, de estruturas com pouco poder de absorção dos raios-X;

3.2. Radiopaca: imagem radiográfica clara, de estruturas com maior poder de absorção dos raios-X.

4. Tipos de radiografia odontológica

4.1. Radiografia Intrabucal O sensor é colocado dentro da boca do paciente.

4.1.1. PERIAPCAL É a radiografia de toda a anatomia do dente, das faces vestibular e lingual, osso e tecido de sustentação.

4.1.2. INTRAPROXIMAL OU BITE-WING Técnica para observação das coroas inferiores e superiores de uma região.

4.1.3. OCLUSAL A película radiográfica é colocada entre o maxilar e a mandíbula, também como se o paciente estivesse mordendo o material.

4.2. Radiografia extrabucal É a imagem feita por fora da boca, com foco no crânio, maxilar e mandíbula. Apesar disso, por meio dela é possível visualizar a situação geral dos dentes.

4.2.1. PANORAMICA Proporciona uma visão geral do maxilar e da mandíbula em uma só tomada.

4.2.2. PANORAMICA COM TRAÇADO Após a radiografia panorâmica, o radiologista traça as estruturas anatômicas da imagem, identificando possíveis espaços para implante

4.2.3. CEFALOMÉTRICA Também chamada de traçado cefalométrico ou telerradiografia lateral, a radiografia cefalométrica permite a visualização das vias aéreas do paciente.

4.2.4. SUBMENTOVÉRTICE (HIRTZ) Utilizada para observação de assimetria nos côndilos mandibulares, seio esfenoidal, parede posterior do seio maxilar e fraturas no arco zigomático.

4.2.5. PA (PÓSTERO-ANTERIOR) SEIO FRONTAL Também chamada de telerradiografia frontal, é indicada para tratamento cirúrgico. Por meio dela, é possível analisar os seios paranasais e possíveis fraturas, assim como assimetrias do maxilar e da mandíbula.

4.2.6. PA SEIO MAXILAR(WATTERS) Usada para análise dos seios maxilares, assoalhos das órbitas, seio frontal e células etmoidais.

4.2.7. ARTICULAÇÃO TEMPORO-MANDIBULAR (ATM) Utilizada para visualização do posicionamento dos côndilos em relação à fossa mandibular.

4.2.8. PA DE MANDÍBULA Permite a visualização de diversas estruturas do rosto, incluindo a ATM.

4.2.9. TOMOGRAFIA CONE-BEAM Também chamada de tomografia computadorizada de feixe crônico, a tomografia Cone-Beam oferece o que há de mais tecnológico na radiologia odontológica. Isso porque, ela oferece imagens tridimensionais com baixo nível de radiação. A fonte de raios-X emite a radiação em formato de cone, por isso seu nome. O tempo de exposição é bem curto: de 6 a 7 segundos. Após a captura, as imagens são levadas ao computador, que conta com um software capaz de reconstruí-las em 2D ou 3D.