As relações entre indivíduo e sociedade (diferentes perspectivas)

Só pra salvar fml

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
As relações entre indivíduo e sociedade (diferentes perspectivas) por Mind Map: As relações entre indivíduo e sociedade (diferentes perspectivas)

1. 1- Ação tradicional: tem por base um costume arraigado, a tradição familiar ou a um hábito. Ex: "Eu sempre faço assim"

2. 3- Ação racional com relação a valores: fundamenta-se em convicções, tais como o dever, a dignidade, a beleza, a sabedoria, a piedade ou a transcendência de uma causa. Ex: "Eu acredito que a minha missão aqui na terra é fazer isso"

3. A ação social não é idêntica a uma ação homogênea de muitos indivíduos.

3.1. a ação social não é idêntica a uma ação influenciada, que ocorre muito frequentemente nos chamados fenômenos de massa.

3.1.1. em grande aglomeração, quando se reúnem muitos indivíduos por alguma razão, estes fazem determinadas coisas porque todos estão fazendo.

4. No grupo social é assim: não há separação entre indivíduo e sociedade. Tudo deve ser entendido de acordo com o contexto; caso contrário, perdem-se a dinâmica da realidade e o poder de entendimento.

5. Nobert Elias

5.1. é comum distanciarmos indivíduo e sociedade quando falamos dessa relação, pois parece que julgamos impossível haver, ao mesmo tempo, bem-estar e felicidade individual e uma sociedade livre de conflitos.

5.2. De um lado está o pensamento de que as instituições família, escola e Estado devem estar a serviço da felicidade e do bem-estar de todos; de outro, a ideia da unidade social acima da vida individual.

5.3. Habitus é outro conceito utilizado por Norbert Elias. habitus é algo como uma segunda natureza, ou melhor, um saber social incorporado durante nossa vida em sociedade.

6. Karl Marx

6.1. os indivíduos e as classes sociais

6.1.1. Os indivíduos devem ser analisados de acordo com o contexto de suas condições e situações sociais.

6.1.1.1. existem situações que condicionam o modo como ocorre a construção.

6.1.1.2. existem condicionantes estruturais que levam o indivíduo, os grupos e as classes para determinados caminhos

6.1.2. A ideia do indivíduo isolado só apareceu quando as condições históricas criaram os princípios da sociedade capitalista.

6.1.3. Seres humanos constroem sua história, porem não do jeito que querem

6.1.3.1. Só é possível entender as relações dos indivíduos com base nos antagonismos, nas contradições e na complementaridade entre as classes sociais.

7. Émile Durkheim

7.1. as instituições e o indivíduo

7.1.1. Durkheim dava muita importância às instituições (família, a escola, o sistema judiciário e o Estado)

7.1.1.1. Definia a Sociologia como “a ciência das instituições sociais, de sua gênese e de seu funcionamento”.

7.1.2. Os indivíduos devem ser analisados de acordo com o contexto de suas condições e situações sociais

7.1.3. Considera o processo de socialização um fato social amplo, que dissemina as normas e valores gerais da sociedade

7.1.3.1. assegura difusão de ideias que formam um conjunto homogêneo, fazendo com que a comunidade permaneça integrada e se perpetue no tempo.

7.1.4. A sociedade sempre prevalece sobre o indivíduo, dispondo de certas regras, normas, costumes e leis que asseguram sua perpetuação.

7.1.4.1. Durkheim coloca a ênfase na coesão, integração e ma- nutenção da sociedade.

7.1.4.1.1. o conflito existe basicamente pela anomia, isto é, pela ausência ou insuficiência da normatização das relações sociais, ou por falta de instituições que regulamentem essas relações.

8. Max Weber

8.1. o indivíduo e a ação social

8.1.1. A sociedade existe concretamente, é o conjunto das ações dos indivíduos relacionando-se reciprocamente.

8.1.1.1. partindo do indivíduo e de suas motivações, ele pretende compreender a sociedade como um todo.

8.1.2. tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas ações.

8.1.3. O conceito básico é o de ação social, entendida como o ato de se comunicar, de se relacionar, tendo alguma orientação quanto às ações dos outros (indivíduos ou desconhecidos)

8.1.4. Weber agrupou as ações individuais em quatro grandes tipos:

8.1.4.1. 2- Ação afetiva: tem por fundamento sentimentos de qualquer ordem. O sentido da ação está nela mesma. Ex: "O principal é viver o momento"

8.1.4.2. 4- A ação racional com relação a fins: fundamenta-se numa avaliação da relação entre meio e afins. Nesse tipo de ação, o indivíduo pensa antes de agir em uma dada situação. Ex: "Se eu fizer isso ou aquilo, pode acontecer tal ou qual coisa: então, vamos ver qual é a melhor alternativa"

9. Pierre Bourdieu

9.1. A preocupação de Bourdieu, ao retomar o conceito de habitus,, era a mesma de Elias: ligar teoricamente indivíduo e sociedade.

9.2. A sociedade dos indivíduos