Embolia gordurosa

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Embolia gordurosa por Mind Map: Embolia gordurosa

1. Conceito

1.1. Embolia gordura ou EG, é o fechamento de pequenos vasos sanguíneo por gotículas de gorduras

1.2. -

1.3. -

2. -

3. Etiologia

3.1. fraturas no fêmur, tíbia e pelvis durantes procedimentos cirúrgicos de uma articulação no joelho e quadril ou também quando utilizam parafusos perpendiculares recentemente notou-se a EG derivada do traumatismo do tecido subcutâneo

4. -

5. -

6. -

7. Incidência e Prevalência

7.1. - comum em pacientes com fratura em ossos longos ou pelve - mais frequente em pacientes jovens do que em idosos - pode causar hipoxemia - hipoxia devido a disfunção pulmonar induzida pelos embolos de gordura - taxa de mortalidade é entre 7 a 10% - pacientes de cirurgias de emergencia tem um risco maior de desenvolver embolia gordurosa

8. -

9. Patogenia

9.1. O aparecimento da síndrome está relacionado às mais variadas condições clínicas. São descritos como fatores desencadeantes desde artroplastias e osteotomias do fêmur até queimaduras extensas, traumas de partes moles e pancreatite necrotizante. O fator mais freqüente, no entanto, é o traumatismo do sistema músculo-esquelético, particularmente fraturas combinadas do fêmur e da tíbia.

10. -

11. Complicações

11.1. A embolia gordurosa pode ser chamada de Síndrome da Embolia Gordurosa quando é grave e atinge de forma simultânea os pulmões, o cérebro, a coagulação do sangue e a pele, provocando um quadro grave que inclui dificuldade para respirar, alterações cerebrais e lesões avermelhadas da pele, que indicam inflamação e tendência ao sangramento.

12. -

13. Diagnóstico

13.1. petéquias, dispnéia e confusão mental( Os primeiros sinais que costumam aparecer são a dispnéia e a confusão mental, que podem expressar-se de várias formas, desde o simples torpor até o coma. As petéquias surgem em seguida, no tórax e nas mucosas oral e conjunctival, em 50 a 60% dos casos, sendo patognomônicas. Completam o quadro clínico a febre e a taquicardia.

14. Tratamento

14.1. Não há tratamento é específico com o tratamento sendo principalmente de suporte ventilatório e hemodinâmico. Existem outras prospostas para tentar combate-la sem que nenhum dele se mostrou efetivo como: Álcool Etílico; Glicose Hipertônica ( GH ); Albumina Humana; Heparina; Albumina Humana; Dextran-40; Aprotinina; Corticosteróides.

14.2. -

14.3. -