Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
O TRABALHO por Mind Map: O TRABALHO

1. Força de trabalho:

1.1. Marx considerava, a força de trabalho como uma mercadoria que é vendida pelos trabalhadores e comprada pelos capitalistas

1.2. O valor da força de trabalho expressa-se no salário. A relação dos salários implica que a capacidade de trabalho dos assalariados, a sua força de trabalho, se torna uma mercadoria. A capacidade de trabalho é o valor de uso para produzir mercadorias. O seu valor de troca é representado pela taxa de salário.

1.3. O valor da força de trabalho é determinado, como o de qualquer outra mercadoria, pelo tempo de trabalho abstrato socialmente necessário para a sua produção (e reprodução). O seu valor é, contudo, em média, igual à subsistência do trabalhador (e sua reprodução), subsistência definida como um mínimo cultural, evoluindo historicamente, significando que esse mínimo, em termos absolutos, tende a subir diacronicamente, tendo em consideração a evolução da humanidade, variando, também, espacialmente.

2. DURKHEIM

2.1. concentra sua atenção na divisão do trabalho e essa divisão seria responsável pelo desenvolvimento de uma sociedade diferenciada internamente.

2.2. Para Durkheim, quanto mais especializado é o trabalho, mais laços de dependência se formam. Exemplos: um padeiro depende de um agricultor, que depende de um ferreiro, e assim por diante.

2.3. A divisão do trabalho é um fato social presente em todos os tipos de sociedade. Há sociedade com menor ou maior divisão do trabalho, mas em todas elas são encontradas funções diferencias entre as pessoas.

2.3.1. Existe grupos divididos em funcionais distintos com condutas sociais também distintas

2.4. Divisão funcional:

2.5. Divisão social entre trabalhadores e empregadores.

2.5.1. Essa divisão atua como extensão como coesão social e para ele, ela deve ser preservada.

2.6. Empregadores: Entre aqueles que devem cumprir uma atividade de organização da produção e mando Trabalhadores: aqueles que devem desenvolver uma atividade produtiva

2.7. PROBLEMAS:

2.7.1. Durkheim vê como doenças a serem corrigidas para que todo social se desenvolva adequadamente.

2.7.1.1. É necessário garantir equilíbrio entre os capitalistas e os trabalhadores para garantir a integração social das partes envolvidas

2.7.1.2. De um lado: os capitalistas que não se devem deixar levar pelo egoísmo do lucro exacerbado, de outro: o trabalhador que não deve questionar sua funcionalidade dentro da divisão do trabalho.

2.8. LEMA

2.8.1. Durkheim diz que as partes (as pessoas) devem submeter-se de modo a garantir a permanência do todo (a sociedade).

3. INFLUÊNCIA DA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E REVOLUÇÃO FRANCESA

4. KARL MARX

4.1. Para Marx, a perspectiva do trabalho é histórica.

4.1.1. Entretanto, ele diferenciou o trabalho em geral e o trabalho particularizado em suas formas históricas.

4.2. O trabalho

4.2.1. o trabalho em geral é toda atividade que relaciona a humanidade à natureza. Ou seja, toda qualquer atividade que envolve transformação da natureza para suprir nossas necessidades;

4.2.2. Trabalho assalaridado:

4.2.2.1. é uma manifestação histórica da organização do capitalismo como sociedade. Com base na exploração do trabalhador, por meio do pagamento de salários.

4.2.2.2. O salário é um meio de dominação entre o capitalista para com o trabalhador, estabelecendo relações sociais que se dá com base na exploração da classe proletária.

4.3. Divisão de Classes:

4.3.1. constitui-se com base na retirada, pela burguesia, dos meios de produção dos pequenos produtores livres. Com isso, formaram-se a burguesia e o proletariado.

4.3.1.1. Marx fala que essas duas classes são fundamentais para o capitalismo. A reprodução dessa divisão social se dá com base na exploração do trabalho assalariado que o trabalhador vende para o capitalista em troca de um salário

4.3.2. Burguesia: classe capitalista que cresce por meio da exploração dos trabalhadores e detém dos meios de produção a partir que tomaram dos pequenos produtores livre.

4.3.2.1. Proletariado: classe dos trabalhadores que são explorados pela burguesia pertencentes ao capitalismo.

4.4. Desigualdade social:

4.4.1. A classe trabalhadora é forçada a vender seu trabalho porque teve seus meio de produção tomados historicamente pelos capitalistas. Se não tem como produzir sua própria subsistência, a classe trabalhadora se vê forçada a vender seu trabalho em troca de um salário, caso contrário não tem como sobreviver;

4.4.2. à primeira vita, o trabalho assalariado pode ser considerado como atividades que é vendida pelo trabalhador em forma de troca. Mas, Marx assinala que essa troca, apesar de parecer uma igualdade, na prática se dá de forma desigual;

4.4.3. Para Marx, a desigualdade está ligado com os meios de produção. A divisão entre as classes impõe formas de vida específicas. Por exemplo, ter acesso ao transporte para a classe trabalhadora não é da mesma forma que para a classe capitalista.

4.5. ALIENAÇÃO:

4.5.1. o trabalhador se aliena do produto de seu próprio trabalho, pois, tudo aquilo que ele produz se torna produto de outra pessoa

4.5.2. Marx fala que quando o trabalhador ao se alienar do produto de seu trabalho, o trabalhador se aliena do seu próprio trabalho, com isso alieniza-se se caracteriza como ser humano.

4.6. MAIS VALIA:

4.6.1. está associada à exploração da mão de obra assalariada, em que o capitalista recolhe o excedente da produção do trabalhador como lucro.

4.6.2. o trabalho era o ato definidor do homem, seu meio direto de interação com o mundo e, ainda mais importante, a forma como garantiria sua sobrevivência no mundo anterior ao período vivido por Marx, isto é, um mundo agrário onde o ser humano tinha ligação direta com a terra, de onde tirava seu sustento.

5. MAX WEBER:

5.1. WEBER FALA QUE NÃO HÁ ALGO GERAL E COMUM COMO AS SOCIEDADES.

5.1.1. CADA SOCIEDADE OBEDECE A SITUAÇÃO HISTÓRICAS EXCLUSIVAS; E NO CAPITALISMO, POR CONDIÇÕES ESPECÍFICAS, O TRABALHO TERIA SE TORNADO UMA ATIVIDADE FUNDAMENTAL.

5.2. através do seu livro "A ética protestante e o espírito do capitalismo (1905)", ele aponta o encontro que deu ao capitalismo sua particularidade

5.2.1. Segundo ele, não bastou apenas o desenvolvimento das formas de troca, do mercado para que o capitalismo se constituísse como uma sociedade particular.

5.2.2. a especificidade do capitalismo está no encontro do "espírito" capitalista que obtém autocontrole, e a ética protestante, fundamentada numa vida regrada.

5.3. Nesse encontro, entre o espírito capitalista e o protestante, o trabalho ocupa o lugar central.

5.3.1. O trabalho árduo e disciplinado e uma vida regrada sem excessos podem lhe trazer êxito profissional, expressa por sua fé e sua salvação espiritual.

5.3.2. Para os praticantes do protestantismo, o sucesso nos negócios é sinal de ter sido escolhido por Deus.

5.4. onde ele diz que quando resulta em êxito em sua vida material, garante ao indivíduo a segurança de ter sido escolhido por Deus.

5.4.1. foi fundamentada por um objetivo social, ou seja, uma ação ascética.

5.5. Formação do capitalismo e características:

6. O TRABALHO COMO OBJETO DE ANÁLISE E SENDO UMA IMPORTANTE ATIVIDADE NAS SOCIEDADES CAPITALISTAS.

7. POR: ELEN SARA XAVIER E FELIPE DIAS