Infecção da Corrente Sanguínea por Cateter Venoso Central

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Infecção da Corrente Sanguínea por Cateter Venoso Central por Mind Map: Infecção da Corrente Sanguínea por Cateter Venoso Central

1. Incidência

1.1. UTI

1.1.1. 0-35%

1.2. Geral

1.2.1. 15-25%

2. Consequências

2.1. Faz aumentar o tempo de internação do paciente

2.2. Aumenta o risco de óbito

2.3. Aumenta os Custos

2.4. Induz resistência bacteriana

3. Formato de Cuidados

3.1. Bundles

3.2. Educação Permanente

3.3. Engajamento da Equipe

3.4. Checklist

3.5. Treinamento in locu

4. Fatores de Risco

4.1. Tipo de Cateter

4.2. Sítio de Inserção

4.3. Número de Lumens

4.4. Experiência do Profissional

4.5. Tipo de Cobertura (curativo)

5. Indicadores das causas

5.1. Momento de Inserção ou durante manipulação do dispositivo -65%

5.2. Problemas Relacionados com a manipulação - 30%

5.3. Contaminação dos Fluidos - 5%

6. Fonte

6.1. Microbiota da Pele

6.2. Infecção Cruzada

6.3. Através do Sistema Infusional

7. Infecção Prevenível

8. Principais Cuidados

8.1. Higienização das Mãos

8.2. A utilização de máscara, luva, avental, touca e campo estéril

8.3. Antissepsia deve ser realizada com clorexidine ou PVPI

8.4. Evitar sítio femoral

8.5. Remover cateteres desnecessários, reavaliando todos os dias

8.6. Não há indicação rotineira de troca de cateteres

8.7. Os sistemas devem ser trocados a cada 96 horas- Incluindo agulhas e conectores