ESTRUTURA DA CÉLULA PROCARIÓTICA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
ESTRUTURA DA CÉLULA PROCARIÓTICA por Mind Map: ESTRUTURA DA CÉLULA PROCARIÓTICA

1. As bactérias possuem, principalmente: citoplasma, ribossomos, membrana, parede celular, nucleoide e cápsula.

2. FLAGELOS

2.1. Propulsão da bactéria

2.2. ATRÍQUIAS: bactérias sem flagelos

2.3. TIPOS

2.3.1. PERITRÍQUIOS: distribuidos em toda a célula

2.3.2. POLARES: distribuidos em um dos lados

2.3.2.1. MONOTRÍQUIOS: único flagelo polar

2.3.2.2. LOFOTRÍQUIOS: tufo de flagelos polares

2.3.2.3. ANFITRÍQUIOS: ambos os polos da célula

2.4. DIFERENÇA ENTRE GRAM + E -

2.4.1. +: possuem um par interno de aneis do flagelo acoplado à membrana plasmática

2.4.2. -: possuem dois pares de aneis do flagelo: na parede celular e na membrana plasmática

2.5. Movimento rotacional

2.5.1. Motilidade

2.5.1.1. TAXIA: Movimento para perto ou para longe do estímulo

2.5.1.1.1. Quimiotexia: estímulo químico

2.5.1.1.2. Fototaxia: estímulo luminoso

3. FILAMENTOS AXIAIS ou ENDOFLAGELOS

3.1. Espiroquetas

3.1.1. Ex: Treponema pallidum

3.2. Feixes de fibrilas que formam um espiral em torno da célula

3.3. Permite o fácil movimento em fluidos corporais

4. FÍMBRIAS

4.1. Nos polos ou distribuídas em toda a célula

4.2. Formação de biofilmes e agregação na superfície

4.3. Ex: fímbrias da E. coli permite a adesão no intestino, causando uma diarreia aquosa severa

4.3.1. Se as fímbrias não estão presentes, devido à mutação, por ex, pode não ocorrer infecção

5. PILI

5.1. Mais longos que as fímbrias

5.2. Motilidade celular e transferência de DNA

5.2.1. Motilidade pulsante

5.2.1.1. Pseudomonas aeruginosa e Neisseria gonorrhoeae

5.2.2. Motilidade de deslizamento

5.2.2.1. Mixobactérias (associadas a material orgânico de origem vegetal)

5.2.3. Pili de conjugação: transferência de DNA

6. PAREDE CELULAR

6.1. Quase todas bactérias procariontes possuem parede celular ao redor da membrana plasmática

6.2. Funções: prevenir a ruptura da célula, dar forma, ponto de ancoragem dos flagelos

6.3. Peptideoglicano (mureína): dissacararídeo ligado por polipeptídeos

6.4. PENICILINA: interfere na interligação final das fileiras de peptideoglicanos através das pontes cruzadas peptídicas --> lise da parede celular

6.5. PAREDE CELULAR DE GRAM + : muitas camadas de peptideoglicano; possui ácido tecoico (roxa/azul)

6.5.1. PAREDE CELULAR DA GRAM - : fina camada de peptideoglicano; não possui ácido tecoico; membrana externa formada por LPS (lipopolissacarídeos), lipoproteínas e fosfolipídeos; possui as porinas (proteínas de passagem na membrana externa) (rosa/vermelha)

6.5.1.1. LPS: lipídeo A (parte que é a endotoxina que é liberada quando a célula é lisada: responsável pelos sintomas que as infecções por gram- causam, como febre e formação de coágulos) + cerne polissacarídeo (papel estrutural) + polissacarídeo O (antígeno: serve para diferenciar as espécies de gram-

6.6. COLORAÇÃO DE GRAM

6.6.1. Corante primário: cristal violeta: cora os dois tipos de célula pois penetra no citoplasma de ambas

6.6.2. Iodo: forma cristais com o corante primário

6.6.3. Álcool: desidrata o peptideoglicano das gram+ e dissolve a membrana externa das gram-

6.6.3.1. Gram- ficam incolor devido a perda da membrana

6.6.4. Contra-corante: safranina: torna rosa as gram- que estavam descoradas

6.7. Mycoplasma: não possui parede celular: bactérias acidorresistente corada por carbolfucsina