Mercado de Trabalho

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Mercado de Trabalho por Mind Map: Mercado de Trabalho

1. PEA e PIA

1.1. PEA:

1.1.1. PEA é uma sigla para População Economicamente Ativa, ela inclui todas as pessoas que tem de 15 a 65 anos que têm ou já tiveram alguma ocupação. Quando comparada com a PIA, mostra a taxa de população empregada de certa área geográfica. A PEA é distribuída por setores de atividade. Analisando gráficos que mostram a evolução da PEA em cada setor, vemos que mais de dois terço da PEA trabalhava no setor primário. Isso se deve pois grande parte da população estava no ambiente rural. Esse setor começou a diminuir quando houve o êxodo rural para as cidades por causa da grande expansão do setor secundário, que por sua vez aumentou por causa das Grandes Revoluções Industriais e por não precisarem de empregados especializados e com muito estudo, exatamente o perfil de grande parte da população. O setor terciário começou a se expandir na década de 80, quando houve a mecanização dessa área de serviço, uma grande mudança.

1.2. PIA:

1.2.1. PIA é uma sigla para População em Idade Ativa, ela inclui todas as pessoas de 10 a 65 anos. Geralmente, grande parte das pessoas das pessoas nesse indicador estão também na PEA. Inclui-se crianças de 10 a 14 anos pois nessa faixa de idade há o trabalho infantil, que se acaba aos 15 anos, dando espaço para o programa de Jovem Aprendiz, um trabalho para adquirir experiência.

2. Setores da Economia

2.1. Setor Primário:

2.1.1. É o setor que recolhe a matéria prima. Podem ser: agricultura, mineração, pesca, pecuária, extrativismo vegetal, etc.

2.2. Setor Secundário:

2.2.1. É o setor que transforma a matéria prima. Indústrias fazem esse processo.

2.3. Setor Terceário:

2.3.1. É o setor que oferece/vende serviços/produtos. Podem ser da área de comércios ou serviços.

2.4. Todos eles estão aptos à mudanças, como a mecanização dos serviços e o desenvolvimento do mercado de trabalho.

3. Tipos de Emprego

3.1. Emprego Formal:

3.1.1. É aquele onde o trabalhador tem todas as garantias e benefícios trabalhistas previstas em lei. Ele tem carteira assinada por uma empresa, contrato e salário fixo.

3.2. Emprego Informal:

3.2.1. É o trabalho sem vínculos registrados na carteira de trabalho ou documentação equivalente, não tendo benefícios como salário fixo e férias pagas. Geralmente pessoas atuam nesse tipo de emprego para se sustentar enquanto procuram algum emprego formal, é provisório e temporário. É um "bico".

3.3. Emprego Autônomo:

3.3.1. É aquele trabalhador que não tem carteira assinada (vínculo fixo à alguma empresa) mas oferece serviços (podendo ter contratos), trabalha por conta própria, podendo ter a sua empresa.

4. Qualificação Profissional e Primeiro Emprego

4.1. Hoje em dia, mão de obra especializada está muito procurada hoje em dia. Por causa da mecanização do mercado de trabalho, as vaga de emprego que precisariam de uma mão de obra menos especializada, logo uma pessoa com pouco estudo, estão sendo substituídas por máquinas, um serviço muito mais barato a longo prazo. Assim, uns trabalhos estão deixando de existir para outros serem criados. Com essa exigência, o governo deveria incentivar a escolaridade, mas na situação real vemos que aquelas pessoas com menos renda não tem uma boa qualidade de ensino, como uma boa especialização. As escolas públicas são muito precárias, e o governo raramente as ajudam. Essa falta de experiência trás adultos desempregados. Para melhorar essa situação, certas empresas fazem o programa de Jovens Aprendizes. É um programa que dá experiência profissional à pessoas com menos de 18 anos, as ajudando a serem escolhidas no mercado de trabalho, pois para algum recém-adulto achar o primeiro emprego não é fácil, já que não teria nenhuma experiência de empregos passados. Esse programa funciona como se fosse de estágio. Além dele, o governo tem o PNPE, um instituto que promove o primeiro emprego à jovens, evitando o trabalho infantil.

5. Mulheres no Mercado de Trabalho

5.1. As mulheres lutam por seus direitos desde muito cedo na sociedade. Atualmente, vemos que essa luta deu certo, mas precisa ainda ser desenvolvida. Hoje mulheres lutam para que não sofram de assédio, serem desrespeitadas ou feminicídio, muito presentes na sociedade, mas já conquistaram seu lugar no ambiente de trabalho e igualdade de direitos. Muitos trabalhos que antigamente eram vistos como de homens, agora mulheres já estão ocupando, mas para isso, foi necessário muita mobilização durante muito tempo. Mesmo assim, mulheres negaras ganham quase duas vezes menos que homens brancos em uma mesma situação.

6. Tipos de Desemprego

6.1. Desemprego Aberto:

6.1.1. São aquelas pessoas que não exerceram nenhum trabalho formal na semana em que a pesquisa foi feita mas estão procurando trabalho. É usado pelo IGE para fazer os censos.

6.2. Desemprego Oculto Pelo Trabalho Precário:

6.2.1. Inclui como desemprego aquelas pessoas que na semana da pesquisa fizeram algum trabalho informal. Ela está procurando trabalho apesar de estar desempregada. É usado pela PED, sendo que o IBGE inclui essas pessoas como ocupadas.

6.3. Desemprego Oculto Pelo Desalento:

6.3.1. Inclui aquelas pessoas que não estão mais procurando trabalho por estarem esperando o mercado de trabalho melhorar, ou já distribuíram seus currículos e estão esperando a resposta.

6.4. Tipos de causas:

6.4.1. Desemprego Estrutural: é relacionado à mecanização da produção de algum produto, variando entre todos os setores.

6.4.2. Desemprego Conjuntural: é relacionado às crises políticas, econômicas, etc. Geralmente, chefes despedem funcionários pois não conseguem pagar seu salário ou não vale a pena, pois o setor em que a empresa reside não está muito valorizado e com demanda pequena.

6.4.3. As principais causas são: falta de escolaridade e especialização e falta de experiência (principalmente em jovens).

7. Mecanização das Áreas de Trabalho

7.1. Com o crescimento do setor secundário (das Indústrias), a população das cidades aumentou por causa do êxodo rural. Com isso, a demanda desse mesmo setor aumentou muito, mesmo com a queda da PEA nesse setor ao longo do tempo. Isso conseguiu se sustentar pois as pessoas estavam sendo trocadas por máquinas, e mais tarde, robôs. Tudo isso foi promovido pelas Revoluções Industriais. Hoje em dia, todos os setores da economia estão informatizados. O primeiro setor usa das máquinas agrícolas, principalmente, para aumentar a produção sem muitos empregados, baixando o custo de produção. O setor secundário usa das máquinas e robôs, como braços mecânicos nas linhas de produção. A mão de obra humana está quase extinta nessa área, o máximo que nós fazemos são os últimos ajustes. O setor terciário se revolucionou mais recentemente, com a criação da internet e totens de pagamento eletrônico, que você já pode ver em alguns supermercados e lojas, como o MacDonald`s ©.

8. Trabalho Infantil:

8.1. No Brasil, mais de 2 milhões de crianças de 5 a 14 anos estão em alguma ocupação, sendo a maioria de 10 a 14 anos (quase 20% dessa faixa etária trabalha!). Isso ocorre muito na Região Nordeste, onde tem a economia mal estruturada, sendo afetada pelas transformações do mercado de trabalho. A legislação brasileira procura defender essas crianças criando leis, condições e programas para dificultar a expansão do trabalho infantil.