AMBIENTE DE DECISÃO

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
AMBIENTE DE DECISÃO por Mind Map: AMBIENTE DE DECISÃO

1. Decisão Certeza

1.1. “tipo de tomada de decisão em uma situação em que o resultado da escolha de uma alternativa é certamente determinado.”

2. Decisão Sob Risco

2.1. "uma condição que ocorre com probabilidade conhecida como resultado da seleção de uma alternativa"

3. Decisão sob Incerteza

3.1. “um estado no qual a probabilidade do resultado da seleção de uma alternativa não é conhecida”

3.2. Ignorância

3.2.1. "ocorre quando os elementos do conjunto de estados ou os elementos do conjunto de resultados são desconhecidos."

3.3. Ambiguidade

3.3.1. “se refere a um estado em que, embora a condição e os resultados que ocorrerão sejam conhecidos, as probabilidades da condição e os resultados de ocorrência são desconhecidos”

4. Teoria Normativa

4.1. Função de utilidade de von Neumann-Morgenstern

4.1.1. Suposições de integridade (que uma decisão sempre pode ser feita);

4.1.2. Transitividade (escolhas consistentes em diferentes cenários);

4.1.3. Independência (uma escolha irrelevante não mudará nada);

4.1.4. Continuidade (existem combinações possíveis de escolhas probabilísticas que levam a indiferença).

5. Teoria Descritiva

6. Inclinação matemática; investiga as consequências lógicas de diferentes regras para a tomada de decisão ou explora as características matemáticas de diferentes descrições do comportamento racional; usa métodos analíticos (análise linguística e conceitual e argumentação matemática e lógica, para apoiar suas conclusões e princípios).

7. Teóricos dessa linha (economistas comportamentais e psicólogos ) usam métodos empíricos, como pesquisas, entrevistas e experimentos controlados, para testar suas hipóteses e teorias. Uma questão chave da teoria descritiva é até que ponto as pessoas se conformam às regras da racionalidade instrumental ao tomar decisões. Conduzem experimentos ou pesquisas sociais com o objetivo de descobrir como pessoas reais (em oposição aos "agentes idealmente racionais") realmente se comportam em situações de tomada de decisão.

8. Preferências de Riscos

8.1. Agentes avessos ao risco - aqueles que não gostam da incerteza - eles preferem ter um retorno menor com mais certeza do que um retorno maior com mais incerteza;

8.2. Agente neutro ao risco é indiferente entre escolhas com diferentes níveis de incerteza, desde que o valor esperado seja igual;

8.3. Agente que ama o risco (ou busca o risco) preferiria uma recompensa maior com mais incerteza a uma recompensa menor com mais certeza.

9. O COMPORTAMENTO DO AGENTE pode frequentemente ser previsto com base em sua classificação como avesso ao risco, neutro ou amante. No entanto, os DESVIOS DO COMPORTAMENTO ESPERADO criam cenários e teorias interessantes

9.1. Paradoxo de São Petersburgo (Bernoulli)

9.1.1. Aversão ao Risco

9.1.1.1. Teorema de Calibração

9.2. Paradoxo de Allais (Maurice Allais)

9.2.1. Escolhas inconsistentes

9.3. Paradoxo de Ellsberg (Daniel Ellsberg)

9.3.1. Há duas grandes urnas à sua frente. Elas são completamente opacas, e você não pode ver o que contêm. A urna à esquerda contém dez bolas pretas e dez brancas. A urna na direita contém vinte bolas, mas você não sabe a proporção de quais são pretas ou brancas. Agora, o jogo é retirar uma bola preta de uma das urnas. Se você acertar ganha $100. Você tem apenas uma chance. Então, de qual urna irá retirar a bola? Mantenha sua escolha em mente. Vamos jogar novamente. Agora o jogo é retirar uma bola branca. Novamente, você tem apenas uma chance, qual urna será?

9.3.2. Pessoas na maioria das vezes tendem a preferir situações em que conhecem o risco ( Preferir o Diabo que você conhece do que o que você desconhece)

9.3.2.1. Aversão a Ambiguidade

9.3.2.1.1. Os agentes exibem aversão à ambiguidade quando preferem riscos conhecidos aos desconhecidos. Ellsberg discute a aversão à ambiguidade como uma razão potencial para as discrepâncias observadas no experimento das bolinhas. As pessoas preferem a opção para a qual sabem a probabilidade de vencer aquela para a qual não sabem.

10. A TUE descreve como os agentes racionais deveriam teoricamente agir ao enfrentar uma decisão. A função surge da hipótese da utilidade esperada e “mostra que quando um consumidor se depara com uma escolha de itens ou resultados sujeitos a vários níveis de chance, a decisão ótima será aquela que maximiza o valor esperado da utilidade (ou seja, satisfação) derivado da escolha feita. ”

11. É importante distinguir entre ambiguidade e aversão ao risco. Com a aversão ao risco, as pessoas tendem a escolher a opção com menor retorno, mas maior probabilidade de ocorrência. No entanto, nesses tipos de cenários, eles sabem a probabilidade de ocorrência de todas as opções. Por outro lado, quando as situações são ambíguas, a probabilidade de ocorrência é desconhecida. Como resultado, as pessoas tendem a escolher a opção em que a probabilidade é conhecida para evitar ambiguidades.

12. A maioria das pessoas, quando confrontada com estas alternativas, escolhe a urna à esquerda – aquela com as proporções conhecidas de bolas brancas e pretas. E aqui está o paradoxo. Se você escolhe a urna esquerda quando tenta retirar uma bola preta, isso significa que pensa que as chances são melhores naquela urna. Porém uma vez que há apenas duas cores em ambas as urnas, as chances de retirar uma bola branca devem ser complementares às de retirar uma preta. Logicamente, se você pensou que a urna esquerda era a melhor escolha para uma bola preta, então a urna direita deve ser a melhor escolha para uma bola branca. O fato de que a maior parte das pessoas evita a urna direita sugere que têm um medo inerente do desconhecido (também conhecido como aversão à ambigüidade)”