Enfermagem brasileira

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Enfermagem brasileira por Mind Map: Enfermagem brasileira

1. Há a definição de parâmetros e diretrizes norteadoras da formação dos enfermeiros

2. Possui diversas áreas de atuação dentro de inúmeras funções, como controlador, fiscalizador, auditor, entre outas...

3. Organiza-se em três fases

3.1. 1º controle de ordens religiosas

3.2. 3º profissionalização da Enfermagem

3.3. 2º desenvolvimento da educação institucional e práticas

4. Inicialmente, a saúde era vinculada a rituais místicos, curandeirismos e práticas domésticas ministrados por indivíduos habilitados daquele ambiente

4.1. Com a colonização do Brasil, chegaram também diversas doenças infectocontagiosas, e levou a criação de Casas de Misericórdia, atuando padres, voluntários e escravos. A Enfermagem, por sua vez, iniciou a partir da execução de práticas domésticas e empíricas

5. O desenvolvimento da educação em Enfermagem deu-se inicio a partir da formação do pessoal da Enfermagem, que ocorreu com o intuito de atender inicialmente aos hospitais civis e militares, e posteriormente a saúde públicas

5.1. Naquele momento, a saúde apresentava-se um problema econômico-social assumido pelo governo, uma vez que as epidemias, endemias e demais doenças infectocontagiosas se espalhavam rapidamente nas cidades

5.2. Essa atuação levou à criação da Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras, no Rio de Janeiro, e o curso tinha duração de 2 anos, abordando aspectos básicos da assistência hospitalar, predominantemente curativa, ministrados e direcionados por médicos

5.3. A Fundação Rockfeller patrocinou o projeto de Organização do Serviço da Enfermagem de Saúde Pública, onde posteriormente, organiza-se a Escola de Enfermagem Anna Nery baseada na adaptação americana de modelo nightingaleano

5.3.1. Modelo de funcionamento da Escola Anna Nery foi determinado como padrão para o ensino da Enfermagem

5.3.2. Nesta escola, atuava apenas moças de camadas sociais mais elevadas, que eram preparadas para executar tarefas com um maior nível de complexidade intelectual. Caracterizando então a divisão social do trabalho da enfermagem e a elitização

5.4. Então, há a criação de Associações e Conselhos de Enfermagem que auxiliaram no desenvolvimento da profissão, legislação, educação, normas, assistência e defesa. Em 1957, a Enfermagem inicia nos caminhos da educação de nível superior e a enfermagem começa a voltar-se para atuação na saúde pública.

6. No Brasil Moderno

6.1. De 1930 a 1970

6.1.1. No Brasil Moderno

6.1.2. Grande atuação de Enfermeiros na área hospitalar e aumento das categorias por meio de treinamento dos auxiliares da enfermagem.

6.1.3. Com a reorganização da previdência social e a privatização do setor da saúde, há um aumento da absorção de profissionais, levando ao crescimento de cursos para atendentes, auxiliares e, posteriormente, técnicos em enfermagem.

6.1.3.1. Resultado: composição heterogênea na área pelo sistema de formação, constituindo uma pirâmide.

6.2. De 1970 a 1980

6.2.1. É atribuído ao enfermeiro funções de treinamento, coordenação e supervisão

6.2.1.1. Dicotomia da prática profissional: saber x fazer

6.3. Ressalvo medidas de desfocar o modelo padrão de práticas curativas e voltar-se à melhorias da qualidade da assistência de Enfermagem e o despertar da consciência crítica dos enfermeiros.

6.3.1. Dificuldades: reconhecimento, fraca participação da categoria nas entidades de classe e nas lutas por reivindicações profissionais, conjuntura política que limita seu poder de decisão, submissão à condições de trabalho desfavoráveis.

6.4. Década de 1990

6.4.1. Os enfermeiros destacam-se na saúde coletiva, educação em saúde e autocuidado, práticas de consultas de enfermagem, atuação incisiva nas Comissões de Ética

6.4.2. Processo de reconhecimento das categorias e determinação das funções, e medidas de extinguir de pessoas sem formação da área.

7. Cenário atual

7.1. É fundamental o conhecimento por meio do entendimento crítico, adoção de uma nova ética e humanização, luta pela educação continuada, respeito profissional, garantia de melhores salários e cuidados com os profissionais

7.2. É pautada em evidências a partir de muitos materiais científicos, tendo como eixos norteadores o cuidado e a bioética