HIV

DIP - Mapa Mental HIV

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
HIV por Mind Map: HIV

1. Transmissão

1.1. Sim

1.1.1. Relação sexual desprotegida (sem preservativo)

1.1.2. Transfusão de sangue contaminado

1.1.3. Compartilhamento de seringas e agulhas

1.1.4. Via vertical (mãe-filho)

1.2. Não

1.2.1. Relação sexual com proteção (preservativo)

1.2.2. Picada de inseto

1.2.3. Beijo

1.2.4. Suor

2. IMUNOPATOLOGIA

2.1. O HIV quebra a barreira da mucosa

2.1.1. Entra em contato com células do sistema imune

2.1.1.1. Drenam para os linfonodos

2.1.1.1.1. Disseminação da infecção

2.1.1.2. Células dendriticas

2.1.1.3. Macrófagos

2.1.1.4. Células TCD4+

2.2. Ocorre interação (partícula viral x receptores de membrana do hospedeiro)

2.2.1. Receptores: CD4 e receptor de quimiocinas

2.2.2. Genomas virais são liberados levando consigo parte da MP da célula

2.2.2.1. Perda de MP

2.2.2.1.1. Morte celular

2.2.2.2. TCD8+ atacam TCD4+

2.2.3. Fusão da MP e do envelope viral

2.2.3.1. Passagem do capsídeo viral para MIC

2.2.3.1.1. RNA viral é catalisado em DNA

2.3. A síntese proteica viral possui efeitos deletérios

2.3.1. Interferência na síntese de proteínas essenciais

2.4. Estágios

2.4.1. Estágio I

2.4.1.1. Duração: 3-6 semanas após infecção primária

2.4.1.2. Intensa replicação viral

2.4.1.2.1. "Síndrome viral aguda"

2.4.2. Estágio II

2.4.2.1. Duração: permanece assintomático por até 10 anos

2.4.2.1.1. Pode apresentar linfonodopatias generalizadas e persistentes

2.4.2.2. Replicação viral parcialmente contida

2.4.2.3. "Set point"

2.4.2.3.1. Quanto maior a carga viral, pior o prognóstico

2.4.3. Estágio II

2.4.3.1. Duração: 2-3 anos

2.4.3.2. Esgotamento do sistema imune

2.4.3.2.1. Paciente sintomático

2.4.3.3. Síndrome da Imunodeficiência adquirida (SIDA)

2.4.3.3.1. Definição Ministério da Saúde

2.4.3.3.2. Pós SIDA

3. Epidemiologia

3.1. Mundo

3.1.1. 37,6 milhões de infectados

3.1.1.1. Adultos: 35,9 milhões

3.1.1.2. Crianças: 1,7 milhões

3.1.1.3. Acesso à terapia: 27,4 milhões

3.1.1.4. 2020

3.1.1.4.1. 1,5 milhões de novos casos

3.1.1.4.2. 690 mil mortes relacionadas a SIDA

3.2. Brasil

3.2.1. Notificação compulsória a partir de 2014

3.2.1.1. Subnotificação de casos

3.2.2. 920 mil pessoas convivem com HIV

3.2.2.1. 89% diagnósticados;

3.2.2.2. 77% em tratamento

3.2.2.2.1. 94% não transmitem por via sexual

3.2.3. Queda de casos e de mortalidade nos últimos anos

3.2.3.1. Testagem da doença

3.2.3.2. Inicio imediato do tratamento

3.2.4. Perfil do portador

3.2.4.1. Homem (homo ou bi)

3.2.4.2. Mulher hétero

3.2.4.3. Entre 20 e 34 anos

3.2.4.4. Negro

4. Diagnóstico

4.1. ELISA

4.2. Teste rápido

4.3. Busca por marcadores

4.3.1. 1-5 semana: RNA

4.3.2. 2-5 semana: P24

4.3.3. 3-5 semana: IgM

4.3.4. A partir da 4 semana: IgG

5. Tratamento

5.1. Todos que possuem HIV independente da contagem de TCD4+ (Ministério da Saúde, 2013)

5.2. Mais precoce possível

5.3. Se infecção oportunista, trata-la primeiro

5.4. Objetivo: Carga viral indetectável

5.5. Medicamentos atuam em diversos momentos da replicação

5.5.1. Inibidores da transcriptase reversa nucleosídicos

5.5.2. Inibidores da transcriptase reversa não nuclesídicos

5.5.3. Inibidores da Protease

5.5.4. Inibidores da Integrase

5.6. Combinar ao menos três drogas

5.6.1. esquema preferencial:

5.6.1.1. 02 inibidores da transcriptase reversa nucleosídicos

5.6.1.2. 01 inibidor da integrase ou 01 inibidor da transcriptase reversa não nuclesídicos

5.7. Pode existir "piora paradoxal"

5.7.1. 4-8 semanas após inicio do tratamento

5.7.1.1. Síndrome da Reconstituição imune

5.7.1.1.1. Doenças que estavam latentes voltam a ser combatidas

5.7.2. Quadro clínico inflamatório exacerbado