Geografia Agrária

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Geografia Agrária por Mind Map: Geografia Agrária

1. ORLANDO VALVERDE (1964)

1.1. primeira fase incluiu trabalhos dos séculos XVIII e XIX

1.2. segunda fase entre 1900-1950

1.2.1. Até 1930: geógrafos franceses foram os pioneiros

1.2.2. 1946 a 1950: Léo Waibel elaborou estudos bastante conhecidos, atuando no Conselho Nacional de Geografia

2. RIVALDO GUSMÃO (1978)

2.1. Estudos rurais de diferenciação de áreas, desenvolve-se da década de 1940 até o início dos anos 70

2.2. estudos classificatórios do espaço rural, com base em modelos estatísticos matemáticos, caracterizam o fim da década de 1960 e início da de 1970

2.3. 1975: marcada pelos estudos de desenvolvimento rural que procuraram analisar a agricultura no contexto da estrutura espacial brasileira

3. CERON & GERARDI (1979)

3.1. (1920 a 1950) classificação da agricultura por áreas ou espaços delimitados de acordo com os mais diferentes critérios

3.2. (1960 a 1970) tipologia da agricultura, utilizaram grande número de variáveis, trabalhadas segundo técnicas estatísticas de taxonomia;

3.3. (1970 ...) suas condições de vida no campo, avaliando diferentes aspectos do desenvolvimento rural.

4. CARLOS AUGUSTO FIGUEIREDO MONTEIRO (1980) período de 1934 a 1977.

4.1. Geografia Científica (1934- 1948), criação dos cursos de Geografia e a fundação da AGB. A Geografia Agrária é marcada pela realização de estudos desenvolvidos pelos geógrafos franceses

4.2. (1948-1956) cruzada agebeana de difusão nacional, saída dos franceses do Brasil, grande número de trabalhos de campo realizados pela AGB. Realização de estudos sobre distribuição espacial de produtos agrícolas

4.3. (1956-1968) Surge “uma comunidade ativa de geógrafos pesquisadores”

4.4. (década 1960) mudança nesse processo e a urbanização e a industrialização. Despertar mudanças metodológicas.

4.5. (1968 a 1977) crescimento no número de trabalhos de Geografia Urbana que se torna ponto de interesse do geógrafo e ganha participação em detrimento dos estudos agrários e geomorfológicos

4.6. (1977) reformulação na estrutura do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que passa a ter a Geografia Humana reorganizada pela abertura desta ao contato interdisciplinar com economistas e sociólogos.

5. DINIZ (1984

5.1. Geografia da Paisagem Agrária: desenvolvimento da Geografia científica do século XIX ao começo do século XX. “A busca da síntese pela observação da paisagem, a compreensão da paisagem agrária como reação do homem ao meio, a associação com a história e a preocupação com as formas do ‘hábitat’ rural”

5.2. Geografia Econômica da Agricultura: Suas características fundamentais são a descrição da distribuição de produtos e rebanhos, sua vinculação aos fenômenos do quadro rural e a definição de regiões agrícolas

5.3. Teoria da Combinação Agrícola: entendida como fato dinâmico e como um fenômeno que ocupa uma superfície com ênfase nos estudos das relações entre os elementos. Geografia inserida no pensamento científico.

5.4. (1960) Influencia das Comissões da União Geográfica Internacional. Sua fundamentação fez-se em função dos estudos de utilização da terra e de tipologia agrícola.

5.5. Dois enfoques: um teórico, econômico e quantitativo, buscando leis e aplicando modelos; outro social, preocupado “com as condições de vida da população rural, a apropriação dos meios de produção por diferentes classes sociais, e as questões de desenvolvimento rural”

6. três grandes vertentes no pensamento agrário na geografia no Brasil

6.1. 1930 até metade da década de 1960: Geografia descritiva e eminentemente empírica

6.2. Final da década de 1960 até metade da década de 1980: nova geografia/Teorética ou Quantitativa, quando há uma renovação de concepções, com o advento da matemática, cartografia e técnicas estatísticas

6.3. Geografia Crítica: diversidade de referenciais, entre eles o marxismo e metodologias variadas como dialética, fenomenológica, hermenêutica,etc.

7. Geografia Clássica (Descrição e Indução)

7.1. linha filosófica positivista

7.2. baseados na geografia regional descritiva de Paul Vidal de La Blache que formou escola no Brasil por meio de Pierre Monbeig e Pierre Deffontaines.

7.3. padrão conceitual e técnico nas pesquisas em geografia agrária, uma homogeneização metodológica.

7.4. Predomínio dos estudos regionais, caracterizados pelo método indutivo sob enfoque empírico ocorreram entre 1939 e 1960.

7.5. A categoria geográfica de análise se centra na paisagem.

7.6. 1940 e 1950: Leo Waibel Metodologia apresentava um esquema metodológico para a Geografia agrária divido em três grandes eixos: estatístico, ecológico e fisionômico. Base técnica estava centrada nos trabalhos de campo, no método indutivo- empírico, aliado a inserção de dados estatísticos.

8. Geografia teorética (baseada em modelos e tipificações)

8.1. filosofia neo-positivista, perdurou da década de 1970 atéametade da décadade 1980.

8.2. Nova Geografia, Geografia Teorética ou Quantitativa, no Brasil teveinicio a partir dadécadade 1960.

8.3. Abordagem sistêmica para compreender a organização do espaço geográfico, seus padrões e arranjos espaciais.

8.4. Antonio Christofoletti (UNESP-Rio Claro): "aplicação intensiva das técnicas estatísticas e matemáticas nas análises geográficas, e que o procedimento quantitativo pode ser considerado entre as características básicas da Nova Geografia”.

8.5. 1960 a 1970: organização do espaço foi a categoria de análise nesse período na geografia

8.6. Geografia quantitativa difunde no IBGE possuiu sua identidade costurada à história desta instituição (conecta-se à história do país)

9. Geografia crítica: Marxismo e dialética

9.1. Estudos agrários tomaram novos rumos principalmente relacionados à questão agrária, à estrutura fundiária e ao campesinato

10. Geografia plural

10.1. multiplicidade de temas, teorias, metodologias e técnicas de pesquisa apontam para um grande pluralismo metodológico na geografia agrária.

10.2. percepção do objeto de estudo com a categoria de análise geográfica

10.3. liberdade para pensar e escolher o seu referencial teórico

11. abordagens atuais

11.1. abordagem culturalista

11.2. abordagem ambiental

11.3. abordagem agrícola

12. Nova Geografia

12.1. Método sistêmico: harmonia, a hierarquia, as inter- relações dos elementos que são constantes e que influenciam direta ou indiretamente o sistema. Abordagem muito utilizada pela geomorfologia.