Origem das Psicoterapias Fenomenológico-Existenciais

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Origem das Psicoterapias Fenomenológico-Existenciais por Mind Map: Origem das Psicoterapias Fenomenológico-Existenciais

1. Psicologia do Ato

1.1. Leva em consideração não somente o objeto

1.2. Distinção dos atos Físicos e atos psíquicos e argumentar que o foco deveria ser no ato psíquico

1.3. Unificação de consciência e objeto

1.4. Não importa a coisa vista, mas o ato de se ver

2. Fenomenologia

2.1. Husserl

2.2. “Husserl afirma que perceber uma coisa é vê-la, tocá-la, cheirá-la, ouvi-la, enfim, senti-la de diferentes maneiras e de acordo com as possibilidades dos sentidos”

2.2.1. O mundo passa a ser visto não apenas pela óptica atomicista e mecanicista, mas também por um prisma funcionalista

2.2.1.1. Subjetividade X Objetividade

2.2.1.2. Saiu da concepção do sujeito como "todo" a partir do bom desempenho de suas funções

2.2.1.3. Concepção do homem como ser individual e singular

2.2.1.4. Influência da teoria da evolução de Darwin

2.3. “Homem- mundo”

2.4. Para se compreender o fenômeno, é preciso renunciar a tudo o que é particular do sujeito, de modo que lhe seja permitido uma maior liberdade na compreensão da realidade deste fenômeno.

3. Existencialismo

3.1. Kierkegaard, Buber e Heidegger

3.2. Três estágios da existência humana, segundo Kierkegaard:

3.2.1. Estético (ligado ao prazer): O homem busca um sentido para a sua existência, se entregando totalmente aos prazeres. Porém, não encontrando entra em desespero e com isso para o segundo estágio;

3.2.2. Ético (concilia paixão e razão, reajustando- se ao social): O homem toma consciência de sua responsabilidade e do universo que o cerca.

3.2.3. Espiritual (encontro com a espiritualidade para alcançar a existência humana): Este é o último estágio, onde o homem encontra sua existência plena.

3.3. Todo conhecimento deve se ligar à existência, à subjetividade

3.4. Nada é uma verdade em si mesma, mas depende de como cada pessoa percebe e se relaciona com o objeto ou o fato

3.4.1. Homem valorizado, tendo sua própria subjetividade, liberdade e responsabilidade por suas escolhas.

3.4.2. O ser aprendeu suas potêncialidades

4. Humanismo

4.1. Rogers e Maslow

4.2. “O principal valor humanista é, portanto, o enfoque na relação: a existência humana se realiza em um contexto interpessoal” (Erthal, 1999, p. 43)

4.3. É no Renascimento que se dá o apogeu do Humanismo com o desenvolvimento da liberdade de pensamento

4.4. Trouxe para a Psicologia uma importante contribuição com sua “atitude concreta em favor do homem"

4.4.1. "Os homens têm tendência de fazer melhores decisões para si e pelos outros"

4.4.2. O homem passa a ser capaz de olhar para si e refletir sobre a sua existência

4.4.3. O homem se reconhece como um ser em construção, em constante mudança, crescimento e atualização

4.4.4. Potencial Humano

4.4.5. O ser descobre as potencialidades inerentes

5. Psicologia do Ato

5.1. Franz Brentano

5.2. “O fundamental da psicologia brentaniana é que a experiência se baseia na percepção interior” (Holanda, 1998,p. 3)