Educação não formal

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Educação não formal por Mind Map: Educação não formal

1. Muitos profissionais se voltam para a educação não formal por falta de oportunidade dentro da educação formal, sendo assim, por necessidade

2. o trabalho do educador e dos oficineiros, necessitam de muita dedicação, criatividae e amor, pois para os educandos manterem-se participativos diariamente, as atividades devem ser prazerosas e dinâmicas, capazes de deixá-los envolvidos e compreendendo que aquele espaço onde frequentam, é de grande valia para torná-los bons cidadãos.

3. ocorre no período inverso ao que o aluno frequenta a escola regular.

4. refere-se às organizações políticas, profissionais, científicas, culturais, agências formativas para grupos sociais, educação cívica, etc., com atividades de caráter intencional

5. a criança ou adolescente frequentadora de projetos sociais, tem a oportunidade de aprenderem uma profissão, pelo fato de que a maioria das instituições e projetos de educação não-formal desenvolvem seus trabalhos por meio de oficinas culturais, esportivas e profissionalizantes

6. Visa ao desenvolvimento de valores, acreditando que a aprendizagem se dá por meio das práticas sociais, respeitando as diferenças existentes para a absorção e elaboração dos conteúdos implícitos ou explícitos no processo ensino e aprendizagem

6.1. Com base na vivência diária, o educador não deve usar o desânimo, cruzar os braços ou dizer que não adianta contribuir, pois o cotidiano é que faz a educação acontecer, quando se está com a criança e os adolescentes, os valores e crenças também estão juntos

7. Segundo Simson e Park (2001), os espaços de educação não-formal devem ser desenvolvidos segundo alguns princípios, como:

7.1. Apresentar caráter voluntário

7.2. Proporcionar elementos para socialização e solidariedade

7.3. Visar desenvolvimento social

7.4. Favorecer participação coletiva

8. O profissional que se insere em projetos sociais voltados á educação não formal é chamado de educador ou educador social

8.1. o educador não formal deve entender que cada criança possui sua particularidade e não deve tratar á todos de uma forma homogênea

8.2. O educador social tem que mediar interesses, levando o educando a querer buscar caminhos para a aproximação com o entendimento da vida em sociedade, conhecendo suas histórias sem negar suas memórias, resgatando-as de forma contínua.

8.3. O ato do educador volta-se à busca da compreensão das mudanças políticas e sociais que ocorrem independente de nossas vontades, cabendo a ele descobrir nos educandos a corda que vibra

9. Todo educador deve ser um profissional reflexivo, ou seja, aquele que está sempre se questionando, revendo, aperfeiçoando sua prática e se auto-avaliando, este é o profissional crítico, aquele que leva o aluno a pensar'

9.1. As crianças e adolescentes, muitas vezes, levam consigo angústias e sentimentos de injustiça para as oficinas, e suas expectativas são unicamente serem ouvidos, cabendo ao educador utilizar-se de várias estratégias para que o diálogo aconteça, buscando a compreensão e transformando-a em valorização, fazendo da sua ação um multiplicador, capaz de transformar o estigma em qualidade, reintegrando o educando ao caráter colocado socialmente.

10. Fator de grande importância na prática não-formal, é a flexibilidade que se apresenta, que se faz necessária nesta educação, pois não é a atividade que vai dizer o que ou quem é a educação não-formal, mas sim o projeto político adotado e vivenciado pelo educador e consequentemente pela criança.

10.1. o educador social pode ver as possibilidades de contribuição para a transformação, olhando para si e se vendo como agente transformador, fugindo às propostas ideológicas que há por trás de tudo, fugindo da visão salvadora de querer inserir a criança na sociedade sendo que ela já nasce parte de uma sociedade.

11. O educador precisa ser coerente em seu discurso e em sua ação prática. Só há oportunidade de educar para a vida se a escola estiver imersa na realidade e na vida cotidiana dos educandos, de suas famílias, comunidade, município e país.