Natureza, Formação e Desenvolvimento Pré-natal

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Natureza, Formação e Desenvolvimento Pré-natal por Mind Map: Natureza, Formação e Desenvolvimento Pré-natal

1. Os psicólogos do desenvolvimento estudam em grande parte a interação entre o surgimento de padrões de comportamento biologicamente predeterminados e um ambiente dinâmico e em constante transformação

2. Os cromossomos são estruturas em forma de bastão que contém as informações hereditárias básicas.

2.1. No momento da concepção, cada ser humano recebe 23 pares de cromossomos, contendo cada par 1 da mãe e 1 do pai.

2.1.1. Esses cromossomos contêm formações helicoidais do DNA

2.1.1.1. Cada cromossomo contém milhares de genes, que são partes destes pela quais as informações genéticas são transmitidas e “programam” o desenvolvimento futuro do corpo.

2.1.1.1.1. Os genes são responsáveis pelo desenvolvimento de sistemas comuns (pulmões, cérebro, coração) e várias características pessoais que tornam o ser humano único, como: o sexo, a altura, cor dos olhos, configuração facial, a capacidade cognitiva, os traços da personalidade e os distúrbios psicológicos.

3. Psicologia do desenvolvimento: área responsável pelo estudo dos padrões de crescimento e de mudança que ocorrem ao longo da vida.

3.1. Tema natureza-formação: o tema relacionado ao grau em que o ambiente e a hereditariedade influenciam o comportamento.

3.1.1. Características mais afetadas pela hereditariedade (importante frisar que os fatores ambientais também desempenham um papel).

3.1.1.1. FÍSICAS: altura, peso, obesidade, tom de voz, pressão sanguínea, perda de dentes, capacidade atlética, firmeza do aperto de mão, idade em que faleceu, nível de atividade

3.1.1.2. INTELECTUAIS: memória, inteligência, idade de aquisição da linguagem, distúrbio de leitura, retardamento mental

3.1.1.3. DISTÚRBIOS EMOCIONAIS: timidez, emoção, comportamento neurótico, esquizofrenia, ansiedade, alcoolismo

4. Para avaliar a mudança comportamental em idades diferentes, os pesquisadores do desenvolvimento criaram diversas metodologias diferenciadas

4.1. A PESQUISA CRUZADA que compara grupos de idades diferentes, é a mais utilizada. Avalia diferenças entre grupos de pessoas.

4.2. A PESQUISA LONGITUDINAL investiga o comportamento à medida que os participantes envelhecem. Avalia mudança da capacidade intelectual ao longo do tempo.

4.3. A PESQUISA SEQUENCIAL combina a pesquisa cruzada com a longitudinal, levando em consideração grupos etários diferentes e examinando-os diversas vezes ao longo do tempo.

5. Quando o óvulo torna-se fertilizado pelo espermatozoide, o resultado é o zigoto, que começa imediatamente a desenvolver-se.

5.1. Período de germinação: as primeiras duas semanas.

5.1.1. Após o período germinativo, o ser em desenvolvimento entra no período embrionário e é denominado embrião.

5.1.1.1. período embrionário: da segunda à oitava semana.

5.1.1.1.1. A partir da oitava semana até o nascimento, o individuou entra no período fetal e é denominado feto.

5.1.1.2. À medida que se desenvolve, o embrião cresce para tornar-se 10000 vezes maior ao atingir quatro semanas de idade. Nessa etapa ele desenvolveu um coração rudimentar que pulsa, cérebro, trato intestinal e outros órgãos.

5.1.1.2.1. Apesar dos órgãos estarem em um estágio primitivo do desenvolvimento, são reconhecíveis nitidamente. Na oitava semana, o embrião tem um comprimento de 2,5cm, e possui braços, pernas e um rosto discerníveis.

5.1.2. O zigoto inicia como um grão microscópico, após três dias de fertilização ele aumenta para 32 células, e no intervalo de uma semana cresce de 100 a mais de 150 células.

6. Algumas influências no processo de crescimento fetal reflete no desenvolvimento e alguns indivíduos podem nascer com defeitos graves.

6.1. Influências Genéticas no Feto

6.1.1. Fenilcetonúria é uma doença na qual a criança não consegue produzir uma enzima necessária para o desenvolvimento normal, causando um retardamento mental profundo. No entanto, a doença é tratável caso detectada cedo.

6.1.2. Anemia falciforme é uma doença que causa olhos amarelados, apetite ruim, ventre inchado e dificuldades cognitivas; elas frequentemente morrem na infância. Cerca de 10% da população africana pode transmitir esta doença.

6.1.3. Doença de Tay- Sachs é um distúrbio que afeta majoritariamente judeus do leste da Europa. As crianças com essa doença morrem com três ou quatros anos de idade pelo organismo não conseguir destruir a gordura.

6.1.4. A síndrome de Down é uma das causas da deficiência mental e ocorre quanto o zigoto recebe um cromossomo adicional no momento da concepção. Está relacionada a idade da mãe, com idade superior a 35 anos ou inferior a 18.

6.2. Influências Ambientais Pré-Natais

6.2.1. Agentes teratogênicos são agentes ambientais como drogas, substâncias químicas, vírus ou outros fatores que produzem um defeito congênito de nascença. São responsáveis pelas consequências mais sérias.

6.2.2. A nutrição e o estado emocional da mãe. Aquilo que uma mãe come durante a gravidez tem influência no desenvolvimento mental da criança, já que mães subnutridas podem dificultar o crescimento e saúde do feto. Além disso, o estado emocional afeta o bebê, pois mães ansiosas e tensas torna o sistema nervoso autônomo do cérebro do feto sensível pelo resultado de alterações químicas.

6.2.3. Doença da mãe.

6.2.3.1. Rubéola causa cegueira, surdez, anormalidades no coração, parto natimorto.

6.2.3.2. A sífilis causa deficiência mental, deformidades físicas, aborto espontâneo.

6.2.4. Uso de drogas pela mãe. Mães que usam drogas, como cocaína, podem dar a luz a bebês com dependência. O bebê nasce com sintomas de abstinência e incapacidade física e mental permanente. Remédios para acne pode produzir crianças com anormalidades.

6.2.5. O uso do álcool e nicotina provoca retardamento mental e de crescimento.