Exame diagnóstico e plano de tratamento

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Exame diagnóstico e plano de tratamento por Mind Map: Exame diagnóstico e plano de tratamento

1. Podemos dividir o exame clínico em: exame geral, exame extraoral, exame intraoral e exame complementar

1.1. Exame geral no ficamos responsáveis de analisar o primeiro contato com o paciente, então analisamos discretamente os movimentos, analisamos também a estatura e o peso da pessoa

1.2. Exame extraoral analisamos se temos algum tipo de crescimento ou assimetria podendo se estabelecer na região da cabeça, dos olhos, dos ouvidos (podendo ser um tique nervoso) do nariz ( podendo haver uma desarmonia da região, dos lábios podendo haver alguma lesão, sendo a mais comum úlcera traumática (pela anestesia) também encontrada a água e o herpes(nesse caso não atendemos a criança pelo fato que ela vai sentir mais dor), do pescoço podemos observar uma tensão muscular envolvendo o esternocleidomastoideo e a ATM podendo estar deslocada, com algum ruído, podendo estar com dificuldade de abrir a boca

1.3. Exame intraoral analisamos primeiro todos os tecidos moles, sendo eles os lábios, a mucosa jugal, palato, assoalho gengiva e por fim observamos os dentes (vale lembrar que realizamos uma profilaxia com pedra pomes e agua) que afinal só podemos analisar um dente sendo que ele esteja limpo

1.4. Exame completar o exame mais importante para podermos restabelecer o diagnóstico o exame no qual iremos poder entender internamente o que houve. Muito utilizando se referindo a trauma (ver quão grave foi), uma lesão de cárie (o quão profundo foi, e chegou a câmara pulpar ou não)

2. Anamnese

2.1. Na ficha da paciente temos que ter a assinatura de dois responsáveis, para que não haja qualquer tipo de confusão, lembrando sempre que na primeira consulta o ideial é ir o responsável que ficaria na consulta com a criança

2.1.1. Durante a anamnese prestar atenção na criança e sempre tentar fazê-la falar sobre, lembrando que pergunta de rotina “quantas vezes você escova o dente?” sempre para a criança

2.1.1.1. Quando entrarmos no assunto queixa do paciente, sempre observar a reação da criança, pois a queixa da mãe e a da criança muitas vezes não é a mesma

2.1.1.1.1. Devemos observar a história médica do paciente, observando se ele possui alguma doença sistêmica, alguma alergia

2.2. Devemos observar se a criança está em tratamento odontológico recente ou se ele já abandonou algum tratamento (risco dobrado pois pode ser pelo comportamento)

2.2.1. Durante algumas questões que os responsáveis podem ficar na dúvida, ser o mais claro possível. Não pergunta como anda a coagulação da criança, mas sim pergunta “quando corta sai muito sangue?”

2.2.1.1. Pergunta quantas vezes escova o dente no dia para o responsável e depois separadamente perguntar só para a criança

2.2.1.1.1. Saber quando a dieta que a pessoa segue, se come muito doce, se tem o hábito de beliscar chocolate

2.2.1.1.2. E que horas que escova o dente, devemos também tomar cuidado há respeito de que hora escova o dente, sendo a mais a noite devido à queda da produção de salivação

3. Diagnóstico

3.1. Após o exame radiografico nós podemos entender a situação que está acontecendo e a respeito disso o que mais devemos tomar cuidado é sobre a URGÊNCIA do caso

3.1.1. A urgência pode ter uma série de origem, a criança pode ter batido a boca brincando, se enquadrando em um trauma ; pode ser algo mais crônico como um tratamento endodôntico que ué se prolongou para um abscesso; nesses casos nos temos que solucionar o problema é tranquilizar os pais

3.1.2. Nesses casos não podemos fazer uma anamnese completa, pela fato que quanto mais rápido trabalharmos menos serão os danos, então nós realizamos uma anamnese breve, tocando nos pontos mais importante como histórico médico (como alergia a algum medicamento, a algum anestésico, se todas as vacinas estão em dia

3.1.3. Se referindo a urgência até os exames serão avaliados por outros paramentos. O exame extraoral veremos se houve alguma fratura de tecido, algum envolvimento sistêmico, alguma fratura na ATM e se houve algum envolvimento sistêmico

3.1.3.1. Já no exame intraoral iremos limpar a área, ou seja, iremos limpar a boca da criança, caso esteja cheio de sangue iremos sugar e irrigar a área; iremos também avaliar os tecido moles e duros e as estruturas de suporte

3.1.3.1.1. Agora no exame radiografico será a chave de ouro, aonde iremos diagnosticar e controlar a situação

4. Plano de tratamento

5. Exame clínico

5.1. O exame clínico é feito com o intuito de podermos diagnosticar e assim realizar um plano de tratamento