EDUCAÇÃO ESTÉTICA: SENSIBILIDADE, RAZÃO E ENSINO

Find the right structure and content for your course and set up a syllabus

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
EDUCAÇÃO ESTÉTICA: SENSIBILIDADE, RAZÃO E ENSINO por Mind Map: EDUCAÇÃO ESTÉTICA: SENSIBILIDADE, RAZÃO E ENSINO

1. Ensino de Dança

1.1. Ensino de Dança na escola

1.1.1. A Dança se insere na Educação a partir da LDB 9394/96

1.1.1.1. A legislação prevê que o professor deve ser licenciado, mas que o professor pode ser formado em outros espaços

1.1.2. A Dança é uma das 4 linguagens artísticas elencadas nos PCNs

1.1.2.1. Algumas dificuldade encontrada para o trabalho com Dança nas escolas, devido às condições que aulas de Dança exigem.

1.2. Discussão conceitual do texto "Terceiro movimento: Dança é Educação"

1.2.1. A autora, Karenine, é bailarina, e busca discutir a Dança no espaço Educacional como uma forma de apropriação cultural.

1.2.2. O ensino de Dança na escola contribui para que os alunos compreendam melhor questões relacionadas a fruição estética.

1.3. Debate a partir de algumas experiências

1.3.1. A dança pode ser pensada como uma linguagem

1.3.1.1. O sentido é atribuído pelo expectador.

1.3.2. Ou apenas como prazer

1.4. Três questões recorrentes na campo da Dança

1.4.1. Criatividade X técnica

1.4.2. Processo X produto

1.4.3. Criar X interpretar

2. O corpo em cena: Gabriel Marcel

2.1. Nesse texto, o autor: Claudinei Silva, investiga a dramaturgia e analisa como essa produção pode ajudar a repensar a experiência do corpo e de sua relação com o outro.

2.2. Claudinei se baseia nas obras de dois autores: Gabriel Marcel e Merleau-Ponty.

2.2.1. Gabriel Marcel

2.2.1.1. Em Marcel, a dramaturgia gera uma encarnação como dado central da metafísica, em que o corpo, de quem atua, constrói intersubjetividade que tira o expectador da sua condição passiva.

2.2.1.2. Embora esse filósofo não tenha um sistema rígido de análise, em sua obra já há uma preocupação com o corpo encarnado. Esse corpo é a base da nossa existência.

2.2.1.3. Tese central de Marcel: “eu sou meu corpo”. A encarnação como um dado central da metafísica.

2.2.2. Merleau Ponty

2.2.2.1. Para o Claudinei Silva, o Merleau Ponty é um continuador da obra de Gabriel Marcel.

2.2.2.2. O corpo se revela, em Merleau Ponty, mais que uma materialidade.

2.2.2.2.1. A partir do corpo tudo é construído, fazendo assim, uma crítica ao dualismo cartesiano pela afirmação: "Eu não tenho um corpo, eu sou esse corpo".

2.3. A partir desses pensadores, o autor, foca a experiência corporal como um movimento de transcendência, no qual não se pode dizer “tenho um corpo, mas sou corpo”; defendendo a possibilidade de "práxis fenomenologicamente pedagógica”.

3. Fenomenologia

3.1. A indivisibilidade do próprio corpo.

3.2. A percepção se dá por meio do corpo

3.3. Metafísica

4. Estética

4.1. O que Estética?

4.1.1. O estético é um transpor para outro lugar? Ou é o "não-lugar"? É estar enraizado no mundo?

4.2. Fruir estético

4.2.1. A fruição está para além da codificação ou da decodificação pela linguagem “lógico-matemática” . Por isso se ouve muito o "eu não entendi nada" daquela obra ou apresentação artística.

4.2.1.1. Ainda, assim é possível construir um sentido a partir de uma linguagem artística, mesmo que não seja possível ou necessário (de)codificá-la do ponto de vista lógico-matemático.

4.2.1.2. O sentido pode existir, mesmo que não seja possível ou necessário explicá-lo por meio da linguagem verbal.

4.2.1.3. Podemos dizer, então, que esse fruir estético é da ordem do subjetivo.

4.2.1.3.1. Podemos dizer, também que é algo "encarnado", como nos mostra Merleau Ponty. Algo que se dá a partir da percepção.