METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO SIMPLIFICADA

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO SIMPLIFICADA por Mind Map: METODOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO SIMPLIFICADA

1. 1. Seleção de Áreas Potenciais

1.1. Áreas Públicas Federais

1.2. Amazônia Legal

1.3. Áreas margeadas por Rios Federais

2. 2. Identificação

2.1. DADOS

2.1.1. BASES VETORIAIS

2.1.1.1. AREAS_ESPECIAIS

2.1.1.1.1. Unidades_Conservacao

2.1.1.1.2. Comunidades_Quilombolas

2.1.1.1.3. Territorios_Indigenas

2.1.1.1.4. Assentamentos Rurais

2.1.1.2. HIDROGRAFIA

2.1.1.2.1. Rios_Margem_Simples

2.1.1.2.2. Rios_Margem_Dupla

2.1.1.2.3. Massa_Dagua

2.1.1.2.4. Estacoes_Fluviometricas

2.1.1.2.5. Estacoes_Pluviometricas

2.1.1.3. GEOINDICES

2.1.1.3.1. Indice_Landsat

2.1.1.3.2. Indice_Ottobacias

2.1.1.3.3. Mapeamento_Sistematico

2.1.1.4. GEOMOROFOLOGIA

2.1.1.4.1. Unidades_Geomorfológicas

2.1.1.4.2. Curvas_Nível

2.1.1.4.3. Pontos_Cotados

2.1.1.4.4. Feicoes_Morfologicas

2.1.1.5. LIMITES

2.1.1.5.1. Limites_Municipais

2.1.1.5.2. Limites_Estaduais

2.1.1.5.3. Amazônia Legal

2.1.1.5.4. Glebas_Federais

2.1.1.6. TEMATICOS

2.1.1.6.1. Uso_Cobertura_do_Solo

2.1.1.7. MARCADORES

2.1.1.7.1. Referencia_Nivel

2.1.2. BASES MATRICIAIS

2.1.2.1. LANDSAT

2.1.2.1.1. Fornecedor: INPE

2.1.2.2. RAPIDEYE

2.1.2.2.1. Fornecedor: MMA

2.1.2.3. SRTM

2.1.2.3.1. TOPODATA | Fornecedor: INPE

2.2. PROCESSAMENTOS

2.2.1. FASE I - Pré-campo

2.2.1.1. 1. Seleção e Recorte dos Dados em Função da Área de Estudo

2.2.1.1.1. 1.1 Identificação da Cenas

2.2.1.1.2. 1.2 Download

2.2.1.2. 2. Pré-Processamento e Saneamento

2.2.1.2.1. 2.1 Importação das Cenas

2.2.1.2.2. 2.2 Integração de Cenas

2.2.1.2.3. 2.3 Close Gaps

2.2.1.2.4. #. REPROJEÇÃO PARA SISTEMA REFERENCIAL ESPACIAL MÉTRICO

2.2.1.2.5. #.1 CRIAR RETÂNGULO ENVOLVENTE

2.2.1.2.6. #.2 CLIP NODATA

2.2.1.2.7. #.2 CLIP NA BACIA DE ESTUDO

2.2.1.2.8. 2.4 Fill Sinks (Wang Liu)

2.2.1.2.9. 2.4 Sink Drainage Route Detection

2.2.1.2.10. 2.5 Sink Removal

2.2.1.3. 3. Identificação das Áreas de Alagamento

2.2.1.3.1. 3.1 Delimitar Área de Estudo da Bacia

2.2.1.3.2. 3.2 SAGA Wetness Index

2.2.1.3.3. 3.3 Baixar Imagens de Satélite da Área

2.2.1.3.4. 3.4 Segmentação, Classificação e Vetorização dos Tipos de Uso e Cobertura do Solo

2.2.1.3.5. 3.5 Levantamento de Campo

2.2.1.4. 4. Decision Tree

2.2.1.4.1. 4.1 Classificação Binária utilizando o SWI médio

2.2.1.4.2. 4.2 Vetorização das Áreas de Alagamento

2.2.1.4.3. 4.3 Line Simplification

2.2.1.5. 5. Padronização do Sistema de Referencia Espacial

2.2.1.6. 7. Isolamento das Áreas de Inundação

2.2.1.6.1. 7.1 Recorte da Área Alagável menos o Leito Maior Ordinário (INTERSECT entre Área Alagável e Área da Gleba Margeada)

2.2.1.7. 8. Identificação das Áreas de Remanso

2.2.1.7.1. 8.1 Identificação da Cota de Alagamento no Contato com Rios Afluentes

2.2.1.7.2. 8.2 Vetorização das Linhas de Cortes na Cota de Alagamento

2.2.1.7.3. 8.3 Corte das Massas Dagua na Cota de Alagamento da Área de Remanso

2.2.1.8. 9. Identificação da Linha das Cheias

2.2.1.8.1. 9.1 Conversão de Polígono para Linhas

2.2.1.8.2. 9.2 Definição da Linha como Geometria Single Part

2.2.1.9. 10. Confecção do Memorial Descritivo da Linha das Cheias Ordinárias

2.2.1.9.1. COMANDO: AzimuthDisantaceCalculator

2.2.1.9.2. INPUT: Linhas_das_Cheias.shp

2.2.1.9.3. OUTPUT: analitico.txt ; area.txt ; selo.txt ; sintetico.html

2.2.1.9.4. PARÂMETROS: N/A

2.2.2. FASE II - Pós-campo

2.2.2.1. 1. Seleção e Recorte dos Dados em Função da Área de Estudo

2.2.2.1.1. 1.1 Identificação da Cenas

2.2.2.1.2. 1.2 Download

2.2.2.2. 2. Pré-Processamento e Saneamento

2.2.2.2.1. 2.1 Importação das Cenas

2.2.2.2.2. 2.2 Integração de Cenas

2.2.2.2.3. 2.3 Close Gaps

2.2.2.2.4. #. REPROJEÇÃO PARA SISTEMA REFERENCIAL ESPACIAL MÉTRICO

2.2.2.2.5. #.1 CRIAR RETÂNGULO ENVOLVENTE

2.2.2.2.6. #.2 CLIP NODATA

2.2.2.2.7. #.2 CLIP NA BACIA DE ESTUDO

2.2.2.2.8. 2.4 Fill Sinks (Wang Liu)

2.2.2.2.9. 2.4 Sink Drainage Route Detection

2.2.2.2.10. 2.5 Sink Removal

2.2.2.3. 3. Identificação das Áreas de Alagamento

2.2.2.3.1. 3.1 Delimitar Área de Estudo da Bacia

2.2.2.3.2. 3.2 SAGA Wetness Index

2.2.2.3.3. 3.3 Baixar Imagens de Satélite da Área

2.2.2.3.4. 3.4 Segmentação, Classificação e Vetorização dos Tipos de Uso e Cobertura do Solo

2.2.2.3.5. 3.5 Levantamento de Campo

2.2.2.4. 4. Decision Tree

2.2.2.4.1. 4.1 Classificação Binária utilizando o SWI médio

2.2.2.4.2. 4.2 Vetorização das Áreas de Alagamento

2.2.2.4.3. 4.3 Line Simplification

2.2.2.5. 5. Padronização do Sistema de Referencia Espacial

2.2.2.6. 7. Isolamento das Áreas de Inundação

2.2.2.6.1. 7.1 Recorte da Área Alagável menos o Leito Maior Ordinário (INTERSECT entre Área Alagável e Área da Gleba Margeada)

2.2.2.7. 8. Identificação das Áreas de Remanso

2.2.2.7.1. 8.1 Identificação da Cota de Alagamento no Contato com Rios Afluentes

2.2.2.7.2. 8.2 Vetorização das Linhas de Cortes na Cota de Alagamento

2.2.2.7.3. 8.3 Corte das Massas Dagua na Cota de Alagamento da Área de Remanso

2.2.2.8. 9. Identificação da Linha das Cheias

2.2.2.8.1. 9.1 Conversão de Polígono para Linhas

2.2.2.8.2. 9.2 Definição da Linha como Geometria Single Part

2.2.2.9. 10. Confecção do Memorial Descritivo da Linha das Cheias Ordinárias

2.2.2.9.1. COMANDO: AzimuthDisantaceCalculator

2.2.2.9.2. INPUT: Linhas_das_Cheias.shp

2.2.2.9.3. OUTPUT: analitico.txt ; area.txt ; selo.txt ; sintetico.html

2.2.2.9.4. PARÂMETROS: N/A

3. 3. Relatório

3.1. 1. Objetivo

3.2. 2. Fundamento Legal

3.2.1. Revisar fundamento legal

3.2.2. Adicionar Leis da IS

3.3. 3. Caracterização da Área de Estudo

3.4. 4. Histórico do Município de Palmeirante

3.5. 5. Caracterização do Meio Físico

3.6. 6. Metodologia

3.6.1. 6.1 Materiais

3.6.1.1. DEM

3.6.1.2. Banco de Dados Geoespaciais Vetoriais

3.6.1.3. Cartografia Básica

3.6.2. 6.2 Métodos

3.6.3. 6.3 Terceirização

3.6.4. 6.4 Levantamentos de Campo

3.7. 7. Dados Fluviométricos

3.8. 8. Referências de Nível

3.9. 9. Pesquisa em Documentos Antigos

3.10. 10. Depoimentos

3.11. 11. Identificação da Linha das Cheias - Leito Maior Regular

3.12. 12. Transformação do Datum vertical

3.13. 13. Cálculo do Gradiente Hidráulico

3.14. 14. Cota básica

3.15. 15. Determinação da Posição da LMEO - Trabalho de Campo

3.16. 16. Cálculo da LMEO - estudos geomorfológicos por fotointerpretação

3.17. 17. Considerações finais

3.18. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3.18.1. Atualizar Referencias Bibliograficas

3.19. ANEXOS

3.19.1. Mapas

3.19.1.1. 1001 - Mapa de Localização da Área de Estudo

3.19.1.2. 1002 - Mapa da Articulação do Mosaico SRTM

3.19.1.3. 1003 - Mapa da Articulação do Mosaico RapidEye

3.19.1.4. 2001 - Mapa Hipsométrico

3.19.1.5. 2002 - Mapa de Recursos Hídricos

3.19.1.6. 3001 - Mapa das Áreas Suscetíveis a Alagamento - SWI

3.19.1.7. 3002 - Mapa de Uso e Cobertura do Solo

3.19.1.8. 4001 - Mapa das Áreas Indubitavelmente da União - Leito Maior do Rio Tocantins

3.19.2. Glossário