ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020

Começar. É Gratuito
ou inscrever-se com seu endereço de e-mail
Rocket clouds
ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020 por Mind Map: ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E PLANO DE AÇÃO ALTO ALENTEJO 2020

1. Prioridades

1.1. Prioridade a atribuir, em sede critérios de seleção, aos investimentos nas áreas do turismo, economia social, agricultura, indústrias alimentares e produtos tradicionais, requalificação do património e dos núcleos históricos,   valorização ambiental, educação e formação profissional,  tirando partido e potenciando os recursos e as especificidades do território; (pag. 13)

2. MATRIZ DE INTERVENÇÃO TERRITORIAL

2.1. Eixos Estratégicos de Intervenção

2.1.1. E. Governação estratégica em rede

2.1.1.1. Conceber e implementar um Pacto Territorial para Empregabilidade combinando o reforço da qualificação do capital humano com a dinamização do mercado de emprego e implicando, na estruturação do Pacto, a rede de atores regionais dos sistemas de educação /formação , economia/emprego e economia social /empreendedorismo e inclusão social (pag.17).

3. I.3. Enquadramento da Estratégia de Desenvolvimento Territorial 2014-2020

3.1. 3.1. Enquadramento da Política de Coesão

3.1.1. Prioridades Estratégia Europa 2020

3.1.1.1. Crescimento inteligente (Promover o conhecimento, a inovação, a educação e a sociedade digital)

3.1.1.1.1. OBJETIVO: Melhorar o acesso às tecnologias da informação e da comunicação, bem como a sua utilização e qualidade (Pag. 21)

4. Eixo Estratégico de Intervenção B. Inovação e Formação de Competências (pag. 40)

4.1. B.2. Rede de Regional de Competências

4.1.1. B.2.1. Reorganização da oferta de formação escolar e profissional

4.1.1.1. PI Principal

4.1.1.1.1. PORegional: PI 10ii, 10iv POCH: PI10 ii, 10iii e 10iv

4.1.1.2. Racional de Intervenção e Prioridades

4.1.1.2.1. A articulação estratégica das atividades e ofertas dos operadores de educação e formação dos vários níveis de ensino (público e privado) e a criação de sinergias em termos de recursos, fileiras de oferta que oferecem perspetivas de continuidade dos formandos e que beneficiem as instituições da região, constituem um objetivo estratégico para o Alto Alentejo e para o tecido de atores do território. Nesta perspetiva, importa criar mecanismos de observação das dinâmicas de procura de educação e formação a nível regional que apoiem a tomada de decisão estratégica relativamente à oferta e identifiquem áreas de melhoria apoiando a região a atingir os objetivos da EE2020 em matéria de qualificações. Trata-se de um instrumento importante para o acompanhamento e monitorização das iniciativas FSE dinamizadas a partir do Alto Alentejo no âmbito do POR no domínio da educação e formação. (pag. 56)

4.1.2. B.2.2. Mais Educação - Combate ao abandono e insucesso escolar

4.1.2.1. A problemática do abandono e do insucesso escolar tendem a limitar de forma séria a dotação de recursos humanos para o desenvolvimento nos territórios de baixa densidade, a braços com quebras acentuadas da natalidade e sem atratividade migratória. Acresce as limitações induzidas a médio prazo ao recrutamento de proximidade para as Escolas do IPP. A Linha de Intervenção deverá apoiar operações que promovam o sucesso educativo, através da experimentação de novas metodologias de aprendizagem, com recurso a soluções adotadas no enquadramento do Plano Tecnológico de Educação (com incidência no 1º Ciclo do Ensino Básico), ao desenvolvimento de projetos das Cidades Educadoras e ao lançamento de programas de 1º emprego, no âmbito de atividades emergentes. Na perspetiva do acompanhamento integrado dos recursos educativos e formativos, deverão ser criadas equipas multidisciplinares que funcionem a partir das escolas e apoiem alunos sinalizados com problemas de insucesso, em risco de abandono. O público-alvo são jovens até aos 18 anos e as equipas devem servir o território, podendo intervir em várias escolas. A coordenação das equipas (p.ex., ao nível de um Agrupamento de Escolas-piloto) deve definir metodologias de intervenção, distribuir “casos” e articular com as escolas. (pag. 56)

4.1.2.1.1. Justifica o pedido de quadros interativos para todas as salas do 1º ciclo?

4.1.2.1.2. Justifica o reforço (horas e recursos humanos) do GAAF e ou SPO ?

4.1.2.2. PI Principal

4.1.2.2.1. PORegional: PI 10i POCH: PI 10i